3 de novembro de 2019

Halloween 2019 #4

Ontem a minha mãe comentava ao telefone que disse à minha avó algo do género:

'Como sempre, a Joana já fez a árvore de Natal cheia de pressa.'

Aparentemente a minha avó respondeu:

'Olha tenha a nossa menina sempre esta alegria em tudo na vida, é bom sinal.'

Fiquei a pensar naquilo, e acho sinceramente que foi uma das coisas mais simpáticas que já ouvi sobre mim própria. E sei que quando me sentir demasiado inocente, tontinha ou histérica vou lembrar-me disso: eu sou assim porque tenho alegria na vida. Sou feliz.

Quando pensámos em fazer o doçura ou travessura, a primeira coisa que me ocorreu foi a possibilidade de ninguém nos abrir a porta. Lia comentários pela internet fora de malta que dizia não abrir a porta por várias razões, desde 'o Halloween é a festa do demo e o Pão por Deus é que é' ao 'o mundo é um lugar terrível e ainda me assaltam'. E eu respeito quem pense assim, mas não é isso que eu quero ensinar ao meu filho.



Eu não quero ensinar-lhe que vive sozinho, que os outros adultos são perigosos e que ninguém quer saber. Quero ensinar-lhe a ser simpático e agradável, a pedir ajuda a um adulto se estiver em apuros e a confiar na bondade e na empatia das pessoas. Quero ensinar-lhe, como os meus pais me ensinaram a mim, que ninguém é uma ilha. Eu quero que ele tenha alegria em tudo na vida.

Vai daí, deixei uma carta na caixa do correio de todos os vizinhos do nosso prédio (são trinta) a dizer que no dia de Halloween íamos passar por lá. A carta dizia assim:

'Olá vizinhos!

O meu nome é Matias, tenho três anos e vivo na fracção x. Gosto muito do Dia das Bruxas, e por isso este ano os meus papás acharam que já era crescido e que já estava pronto para o meu primeiro ‘doçura ou travessura’.

Na Quinta-feira (dia 31 de Outubro), por volta das 19h, vamos andar pelas portas do prédio, e eu ia ficar muito feliz se me oferecessem um chocolate e dissessem que estou uma bruxinha muito assustadora. Para isso, os meus papás vão deixar uns chocolates na vossa caixa do correio. Podem dar-me um e ficar com os outros ou podem dar-me todos, é como preferirem!

Abaixo fica uma foto minha com o meu disfarce e uma foto dos meus papás. Se algum amigo quiser juntar-se a nós é muito bem-vindo!

Obrigada a todos,

Matias, Joana e Pedro
(Foto do Matias vestido de bruxinha e foto dos três no baby shower da Gabi)'

Achei sinceramente que os vizinhos iam achar que eu era maluquinha, mas depois decidi confiar nas pessoas: alguém havia de abrir a porta.

Na Quinta-feira à tarde tocaram à campainha. Era uma vizinha a dizer que ia passar o fim-de-semana fora, mas que queria deixar uns chocolates para o Matias. Dentro do saquinho de chocolates vinha uma nota que dizia assim:

'Caros vizinhos,

Muitos parabéns pelos pais que são! Infelizmente não podemos colaborar porque vamos estar ausentes. Muitas felicidades para os quatro!

Cumprimentos,

Fracção y.'

Nem vos consigo explicar o que senti ao ler isto. Achei tão querido e simpático que colei a nota na minha agenda.

Às 18.30h saímos de casa. Começámos pelos vizinhos do andar mais alto (que são os únicos que conhecemos!) e fomos descendo, e quanto mais andávamos mais entusiasmados ficávamos. Os vizinhos foram estrondosos, brincaram com o Matias, deram-lhe chocolates e foram mesmo queridos. Obviamente que alguns não abriram a porta, mas pareciam não estar em casa. Uma das vizinhas deixou uma abóbora à porta que dizia 'para o Matias' e tinha chocolates, possivelmente porque não estava em casa. Divertimo-nos imenso e o Matias adorou.

Chegámos a casa às 19.30h, com o caldeirão de bruxa cheio de doces e o coração cheio de alegria. O Matias tomou banho, jantou e foi dormir, e às 22h tocaram à nossa campainha. Eu abri a porta toda contente com uma taça de guloseimas, e deparei-me com seis miúdos mascarados que perguntaram:

'É aqui que vive o Matias? Vimos a carta! Não viemos buscar doces, queremos dar-lhe doces a ele!'.

Foi giríssimo ver aqueles miúdos com uns dez anos e uma mochila a abarrotar de chocolates e rebuçados ali à nossa porta. Trocámos doces, agradeci imenso e fechei a porta com o coração cheio. No dia seguinte outros vizinhos deixaram chocolates na nossa caixa do correio, com uma nota que dizia que não tínhamos passado por lá (provavelmente passámos mas cedo demais) mas que esperavam que tivesse sido um bom Halloween.

Ontem estava de pijama deitada no sofá enquanto eles dormiam a sesta e bateram à porta. Vesti o roupão e abri a porta com um ar mega descabelado. Do outro lado, uma vizinha disse que estava em casa mas não tinha conseguido abrir a porta a tempo e então vinha entregar chocolates para o Matias e figos secos para nós.

Achei tudo isto de uma simpatia imensa, e foi mesmo bom sentir esta pertença e esta sensação de comunidade. Vivo em Lisboa há doze anos e às vezes sinto que aqui a vida é diferente, que as pessoas vivem afastadas e sozinhas e que importam-se menos com os outros. Há três dias aprendi que se calhar só precisamos de dar o primeiro passo, de ser simpáticos, de tentar. Afinal, pouca gente resiste a uma foto do Matias vestido de bruxinha :)

Ainda nessa noite tirámos as decorações e no dia seguinte (1 de Novembro) decorámos a casa toda para a chegada do Natal. E enchemos a nossa casa desta alegria em tudo na vida.

Foi sem sombra de dúvida o melhor Halloween de sempre.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />