26 de junho de 2013

Couve mineira à minha moda e uma reflexão sobre as origens :)

Lisboa cheira aos cafés do Rossio,
E o fado cheira sempre a solidão.
Cheira a castanha assada se está frio,
Cheira a fruta madura quando é Verão.

Amália Rodrigues


Eu cresci em Leça da Palmeira. Estudei em Matosinhos, depois em Leça da Palmeira e depois em Vila Nova de Gaia. Por fim, vim para Lisboa. 

Há seis anos que vivo nesta cidade pela qual, confesso, nutro sentimentos contraditórios. Se por um lado gosto do conforto de ter tudo relativamente perto de casa, por outro suspiro pela calma e pelo sossego de um local mais pequeno. Se por um lado não quero abrir mão da segurança de ter três hospitais a dez minutos de casa, por outro penso que a cidade faz mal à saúde. Se por um lado gosto da ideia de ter tantos locais interessantes para mostrar aos meus filhos no futuro, por outro recuso-me a criá-los num sítio tão inseguro e confuso. 

Apesar de tudo isto, Lisboa já é um bocadinho minha, e eu já sou um bocadinho de Lisboa. O sotaque do Norte teima em desaparecer, já me oriento de olhos fechados pelas ruas cheias de cruzamentos e já não tenho medo de andar na rua à noite. 


Mas sinto uma certa inquietação quando penso: e então, de onde serei eu? Serei de Leça da Palmeira, a terra que me viu crescer mas que nunca me tratou particularmente bem? Serei de Vila Nova de Gaia, a terra onde me senti verdadeiramente feliz pela primeira vez? Ou serei já de Lisboa, a terra que me acolheu de braços abertos e me fez encontrar-me a mim própria? 

Porque é que é tão importante para nós pertencermos a algum local? 


Cresci a ouvir chamar a esta couve a couve mineira. Depois vim para Lisboa, e descobri que na verdade se chama couve-galega. Tal como eu, esta couve também não pertence a nenhum local específico: é brasileira, é galega e é também portuguesa. 

Aposto que ela também se sente confusa. Aposto que ela também se sente muitas vezes desenquadrada. Aposto que também seria importante para ela pertencer verdadeiramente a algum local. 

Pelo menos por hoje, ela pertence à minha barriguinha. 

Couve mineira à minha moda

Ingredientes:

* 200g de couve-galega já cortada;
* Um quarto de chouriço de peru cortado em cubinhos; 
* Dois dentes de alho picados;
* Um fio de azeite.

Confecção: 

* Refogar o alho picado e os cubinhos de chouriço no fio de azeite;

* Juntar a couve-galega e saltear até ficar pronto. 


Até amanhã :D
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />