31 de outubro de 2013

Mini-hambúrgueres de peru e uma reflexão sobre a alimentação saudável.

I want to heal, I want to feel,
What I thought was never real.
I want to let go of the pain I felt so long,
Erase all the pain 'til it's gone.

I want to heal, I want to feel,
Like I'm close to something real.
I want to find something I've wanted all along,
Somewhere I belong.

Linkin Park


Não é fácil ter uma alimentação saudável.

De um lado temos as pessoas que nitidamente não se preocupam com a alimentação saudável, que fazem bifes 'grelhados' em óleo e manteiga, que não comem o pequeno-almoço, que não comem sopa nem legumes e que comem taças enormes de cereais açucarados sem pestanejar. Para essas pessoas, nós somos os maluquinhos.

Do outro lado temos as pessoas que são obcecadas com a alimentação saudável, que só comem aveia, claras, batata-doce e quinoa, que não tocam num hidrato de carbono (principalmente se não for integral!), que acham que uma colher de chá de azeite entope uma coronária e que não comem nem um grama de açúcar. Para essas pessoas, nós somos os pouco saudáveis.


Para nós, tanto uns como outros são os maluquinhos: uns porque não se importam com a sua saúde física, outros porque estão a descurar a sua saúde mental.

Não me interpretem mal: eu já fiz parte dos dois grupos. Nunca grelhei bifes em óleo e manteiga e nunca comi uma batata-doce (até porque o Pedro diz que a batata-doce tem um sabor parecido com a castanha e eu odeio castanhas!), mas durante o meu percurso de vida passei indubitavelmente pelos dois grupos.

Já experimentei ser relaxada e acabei gordinha e viciada em docinhos. Já experimentei ser obcecada e acabei magrinha e infeliz. Agora não sei bem em que grupo me insiro: num mundo em que as pessoas insistem em etiquetar os outros com rótulos de 'preto' e 'branco', eu sou um orgulhoso e feliz cinzento.


Como fruta e legumes, como cereais integrais, como leguminosas, como pão integral, como proteínas magras, uso uma quantidade aceitável de gorduras e como uma porção adequada de hidratos de carbono. Mas também como pizza, como gelados, como sobremesas, como bolachinhas caseiras e como muffins.

Demorei muito a chegar aqui, mas garanto-vos que finalmente tenho uma alimentação que me faz sentir genuinamente feliz, equilibrada e saudável.


Hoje trago-vos estes mini-hambúrgueres de peru, feitos com a carne que sobrou dos croquetes de peru e salpicão. Optei por grelhar os hambúrgueres enquanto os croquetes estavam no forno, e depois de arrefecerem congelei-os. Num dia mais apressado e preguiçoso foi só fazer o acompanhamento, e ficámos com uma refeição bem deliciosa, saudável e equilibrada :D


Mini-hambúrgueres de peru

Ingredientes (para dois mini-hambúrgueres, que cá em casa foram suficientes para duas pessoas):

* 120g de peito de peru picado;
* Uma rodela de salpicão;
* Meia cebola picada;
* Um dente de alho picado;
* Uma pitada de sal;
* Uma pitada pequena de noz-moscada;
* Meia colher de chá de pimentão-doce;
* Meia colher de chá de paprika;
* Meia colher de chá de salsa picada;
* Um fio de azeite.

Confecção:

* Juntar o peito de peru picado, a rodela de salpicão, a cebola e o alho e picar na picadora;

* Temperar com o sal, a noz-moscada, o pimentão-doce, a paprika e a salsa picada;

* Moldar dois mini-hambúrgueres e grelhar com um fio de azeite.


Acompanhámos com cenoura crua inteira, não fotografada. Andamos a ficar completamente viciados em comer cenouras cruas :)

Até amanhã :D

12 comentários:

  1. Ficaram lindos e ficou um refeição bem ao meu gosto
    bjs

    ResponderEliminar
  2. Adoro estas comidinhas saudáveis mas, apenas posso fazer para mim pois o meu marido gosto mais de coisas temperadas...
    Kiss, Susana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Susana estes hambúrgueres são muito bem temperados :) Têm cebola, alho, noz-moscada, pimentão-doce, paprika, salsa e ainda lhes podes juntar todas os outros condimentos que quisesses ;) Acredita que ficam muito bons, a comida saudável não precisa de ser sensaborona! :)

      Beijinhos!

      Eliminar
  3. Olha, Joaninha... estás no grupo do meio! E somos muitos, muitos, acredita! ;)
    Beijinhos, querida!

    ResponderEliminar
  4. Também sou uma feliz cinzenta!
    O que mais me irrita é o bullying contra nós, principalmente se for da parte de quem come bifes fritos em margarina e óleo e é mais magro que eu... é do género: "eu como assim e sou magro, tu tens tanto cuidado e ainda és mais gorda!" -.-' Às vezes sinto-me uma totó por nunca comer croissants de doce de ovos ou chocolates da máquina... E depois é como disseste, também se sente o "bullying" da outra parte, como se para sermos saudáveis tivessemos de erradicar de vez os hidratos e carbono e comer apenas peixe e legumes cozidos em água e sal XD

    ResponderEliminar
  5. é esse ponto de equilíbrio que define uma pessoa realmente saudável e feliz consigo mesma :) e tu nota-se que o conseguiste! eu babo-me com as tuas comidinhas, já antes acontecia mas agora...yhami! adoro massa com hambúrguer caseirinho... Beijinho

    ResponderEliminar
  6. No meio é que está a virtude, como se costuma dizer. Acho que não podemos deixar a alimentação tomar conta da nossa vida, o que acontece se formos desleixados ou, pelo contrário, obcecados. Acho que encontraste um bom meio termo e transmites isso nos teus pratos. :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Tal como tu, levei algum tempo a encontrar o equilíbrio na alimentação. Acho que não há receitas, cada um tem que encontrar a alimentação certa para o seu organismo, estilo de vida, personalidade, etc. É como tudo na vida, para encontrar o equilíbrio temos que fazer umas quantas tentativas e uns quantos erros! ;-)

    ResponderEliminar
  8. Eu também já estive nas duas fases. Comia sem pensar, apesar de nunca ter sido gordinha. Quando comecei a ter mais cuidados também era tão esquisitinha e emagreci tanto que percebi que não era aquele o caminho. Agr acho q atingi o tal equilíbrio, sinto-me bem, como bem e faço exercício :) Sou saudável física e mentalmente :)

    ResponderEliminar
  9. Joaninha,
    Acho que cada um tem de ser responsável por aquilo que come.
    Sabes que eu não como certas coisas mas é uma escolha minha. Sei o que acaba por trazer mais malefícios do que benefícios e por isso, evito. No entanto, o que é bom para mim, pode não ser bom para os outros e só opino quando "se poem a jeito" ou me pedem mesmo opinião.
    O meu pai faz parte do clube dos bifes fritos em muita vaqueiro e óleo. O meu estomago até fica com um nó cada vez que vê aquilo. Porque gosto dele, o que posso fazer é alerta-lo para o facto de toda aquela gordura ir para o coração. A partir dai, ele é livre para fazer as escolhas dele e não o julga por isso.
    Neste tema, acho que sou menos "tolerante" em questões que envolvem as crianças. Afinal de contas, ainda precisam de ser orientadas, mas quando os pais ainda são mais desorientados que elas, fica difícil.
    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  10. Adorei a tua reflexão..como sabes ando um bocado nessa busca e está difícil, mas penso que a alimentação equilibrada é sempre o mais sensato, nunca pertenci ao grupo de só comida saudável, mas já pertenci (e se calhar pertenço ainda um pouco!) ao grupo que come montes de porcarias sem se sentir mal..aos poucos começo a cortar radicalmente certas comidas e penso que com o tempo vou encontrar o meu equilíbrio :) esses hambúrgueres têm muito bom aspecto :)

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />