31.7.14

Alguém testou e gostou #124

A Maria do blog 'Mia's Cuisine' adaptou uma certa receita de bolachas de chocolate para dois que a andava a perseguir :D Espreitem o resultado aqui :D


Até amanhã :D

Molho de tomate caseiro para um regresso às origens.

No conforto pobrezinho do meu lar há fartura de carinho.
E a cortina da janela é o luar, mais o sol que bate nela.
Basta pouco, poucochinho para alegrar uma existência singela.
É só amor, pão e vinho e um caldo verde, verdinho, a fumegar na tigela.

Amália Rodrigues


Creio que nos últimos anos temos assistido a uma espécie de 'retorno às origens'. Cada vez mais regressam às nossas casas as receitas das nossas avós: o pão caseiro, as compotas, os iogurtes e as bolachinhas feitas com muito amor. Cada vez mais procuramos simplificar a nossa alimentação e torná-la mais natural, mais saudável e mais amiga do ambiente.


De facto, hoje em dia temos ao nosso alcance uma enorme variedade de electrodomésticos que facilitam tudo isto. O forno é mais rápido (embora nada seja melhor do que um forno a lenha), a máquina de fazer pão permite a programação de horários para termos pão quentinho pela manhã (e ainda faz compotas!), a iogurteira mantém a temperatura constante, o microondas descongela depressa e ainda temos uma máquina para lavar toda a louça que sujamos no fim (eu não tenho, mas sobrevivo na mesma) :)

E ao contrário do resto do mundo (onde fazer refeições em casa não é tão habitual como aqui) nós cada vez optamos mais por tornar as nossas refeições o mais caseiras possível: até o almoço, que levamos atrás de nós para o trabalho :)


Não sei se isto se deve ao facto de estarmos alertados para as consequências de uma alimentação mais artificial, ou se por outro lado simplesmente não temos dinheiro para mais e vamos tentando poupar fazendo os nossos próprios produtos em casa. Independentemente das razões por detrás desta nova moda, honestamente gosto tanto dela que espero que fique para sempre.

Porque nada é melhor do que comer ao pequeno-almoço um iogurte e um queque (ambos feitos por nós), rematar com um almoço delicioso que trouxemos na marmita, repor energias com uma barrinha de cereais caseira ou uma fatia do pão feito por alguém que amamos e jantar um pratinho simples e reconfortante. Para ser perfeito só faltava mesmo bebermos uma chávena de leite tirado da nossa vaquinha antes de irmos dormir :D


Neste seguimento surgiu um molho de tomate caseiro. Na verdade esta receita é adaptada da minha receita de sopa de tomate, mas assim ficam com um molho de tomate enriquecido com outros legumes e bem mais cheio de nutrientes bons do que o de compra!

De deixar qualquer avó orgulhosa, inclusivamente a minha :D


Molho de tomate caseiro

Ingredientes (para o recipiente da imagem):

* Uma courgette cortada em cubos;
* 100g de couve-flor;
* Uma cebola cortada em rodelas;
* Três dentes de alho;
* Cinco tomates grandes;
* Uma pitada de sal.

Confecção:

* Colocar a courgette, a couve-flor, a cebola, o alho e os tomates numa panela com água e levar ao lume até ferver;

* Deixar cozinhar e temperar com sal;

* Retirar alguma água e triturar com a varinha mágica, acrescentando depois a água retirada até se obter a consistência desejada;

* Reservar no frigorífico durante uma semana.

Até amanhã! :D

30.7.14

Alguém testou e gostou #123

A Ana testou e aprovou a minha receita de pães de Deus de tabuleiro e enviou-me uma foto com um comentário muito simpático! :D


Obrigada Ana :D

Rolo de frango com massa quebrada para uma miúda esquecida :)

'The advantage of a bad memory is that one enjoys several times the same good things for the first time.'

Friedrich Nietzsche


Eu sou uma pessoa particularmente desatenta e distraída. Esqueço-me de tudo, estou sempre com a cabeça na lua (ou no meu pequeno mundo) e tenho que escrever todas as coisas importantes, sob pena de me esquecer delas se não o fizer.

Honestamente não faço ideia como é que consegui sobreviver a seis anos de curso.


Eu juro que quando era miúda tinha a melhor memória de sempre, e a prova disso é que ainda sei de cor centenas de músicas, um montão de citações de filmes da Disney e sketches inteiros dos Gato Fedorento (aqueles muito bons do início). Por outro lado não faço ideia do que jantei ontem, desconheço o que tenho para fazer amanhã e não me recordo dos nomes dos doentes que tenho actualmente na enfermaria (mas não se preocupem, tenho sempre comigo uma lista).

Acho que ando sempre com a mente tão dividida por dezenas de temas, perguntas, dúvidas, ideias e planos que se torna impossível captar verdadeiramente as coisas mais úteis mundanas.


Este rolo é um óptimo exemplo disso. Reparei que a massa folhada estava com desconto por causa da aproximação do prazo de validade, e trouxe logo uma embalagem para casa. No dia seguinte atirei-me para a confecção de um rolo de carne Wellington à minha moda. E só quando abri o forno para ver se o rolo já estava pronto é que comecei a desconfiar que algo não estava bem.

Aquilo não se parecia lá muito com massa folhada.


Na verdade (e confirmei isto tirando a embalagem da reciclagem) o que eu comprei foi mesmo massa quebrada. Sem desconto. Com a distracção provavelmente peguei numa embalagem que estava perto e nem sequer me lembrar de verificar se tinha trazido o produto certo.

Não faz mal, comeu-se na mesma. E garanto que estava uma delícia :D


Rolo de frango com massa quebrada

Ingredientes (para quatro pessoas):

* 500g de peito de frango picado;
* Uma cebola picada;
* Dois dentes de alho picados;
* Uma pitada de sal;
* Uma colher de chá de pimentão-doce;
* Uma colher de chá de paprika;
* Uma pitada de piri-piri;
* Pão ralado q.b.;
* Meia alheira de peru;
* Uma placa de massa quebrada;
* Uma gema batida com uma colher de sopa de água.

Confecção:

* Juntar o peito de frango picado, a cebola, o alho, o sal, o pimentão-doce, a paprika e o piri-piri e misturar bem;

* Acrescentar o pão ralado até conseguir formar uma bola que se despega das mãos;

* Colocar sobre uma folha de papel de alumínio e formar um rectângulo;

* Dispor a alheira no centro e fechar o rolo, com o auxílio do papel de alumínio;

* Levar ao forno pré-aquecido a 200º durante vinte minutos;

* Retirar e envolver pela massa quebrada;

* Pincelar com o ovo batido e levar ao forno durante mais vinte minutos.


Até amanhã! :D 

29.7.14

Alguém testou e gostou #122

A Patrícia testou a minha receita de bolo de cacau e baunilha na caneca e aprovou! E vocês, já experimentaram fazer um bolo no microondas? :D


Até amanhã! :D

Iogurtes líquidos de morango (O que fazer quando uma receita de iogurtes corre mal?)

Did you know, when you go
It's the perfect ending
To the bad day I've got used to spendin'?
When you go all I know is
You're my favorite mistake,
You're my favorite mistake.

Sheryl Crow


A minha experiência com iogurtes é relativamente recente - de facto, a primeira vez que fiz iogurtes foi há apenas alguns meses. No entanto, e graças a um extensivo estudo bibliográfico prévio, nunca nenhuma receita me tinha corrido mal.

Fazer iogurtes é praticamente científico: seguem os passos, respeitam as reacções químicas, esperam um montão de horas, resistem à tentação de espreitar para dentro da iogurteira e voilá, ciência. Pelo meio inventam-se umas coisinhas, adaptam-se receitas e descobrem-se truques bem sucedidos. E arrisca-se.


Há basicamente duas formas gerais de fazer iogurtes: o método 'iogurte natural + recheio ou compota' e o método 'iogurte de aromas'. Ultimamente tenho-me divertido a saltitar entre as duas alternativas, e neste dia em especial decidi fazer um iogurte com aroma de morango.

Eu sabia, mal o pensamento me ocorreu, que isto ia correr mal. O morango é uma fruta ácida cheia de enzimas, que eu sabia que iam impedir o iogurte de solidificar. A par do ananás é a fruta com mais tendência para talhar o leite. Era óbvio onde isto ia parar.


Efectivamente o esperado aconteceu, e os iogurtes ficaram com uma camada de soro no fundo. Mandei uma mensagem ao meu pai a perguntar se aquilo é que era um iogurte talhado e se faria mal comê-lo, e fiquei mais sossegada quando ele respondeu que não (e ainda disse que os maasai talhavam o leite de propósito para beberem o soro). E lá experimentei, um bocado a medo.


Na verdade, depois de misturado com o soro, o iogurte estava uma delícia (embora estivesse completamente líquido). O sabor a morango dominava e tornava os iogurtes fresquinhos e pouco doces, e era uma verdadeiro prazer para a barriguinha beber cada uma destas delícias.

Por isso aqui têm uma moral da história bonita: não desistam de uma receita que aparentemente correu mal, porque nunca se sabe o que uns pózinhos de perlimpimpim podem fazer. E se o prato não tiver mesmo salvação possível encolham os ombros, sigam em frente e concentrem-se na ideia maluca seguinte.

Porque só quem arrisca é que erra, e só quem erra é que aprende :)


Iogurtes líquidos de morango

Ingredientes (para sete iogurtes):

* Vinte morangos;
* Um litro de leite fresco meio-gordo;
* Três colheres de sopa de leite em pó magro;
* Três colheres de sopa de açúcar branco;
* Um iogurte natural;

Confecção:

* Triturar os morangos com a varinha mágica;

* Numa panela colocar o leite, o leite em pó e o açúcar e mexer com uma vara de arames;

* Levar ao lume até ferver e deixar arrefecer;

* Quando estiver morno juntar o iogurte, misturando com a vara de arames;

* Juntar o puré de morango e envolver;

* Levar à iogurteira durante cerca de dez horas;

* Transferir para o frigorífico durante pelo menos quatro horas.
 

Até amanhã! :D 

28.7.14

Alguém testou e gostou #121

A Maria do blog 'Das Palavras' testou a minha receita de frango assado com limão e fez uma adaptação maravilhosa! Passem pelo blog dela para espreitar :D

Peru com limão spicy

Até amanhã! :D

Queques de ameixa com crumble... E nem tudo é o que parece.

'Listen to me, Derek. It's not what it seems. It's not what it seems.'

The Princess Swan


No quarto ano da faculdade tivemos uma mocinha nova connosco no estágio de Radiologia, a Telma.

A Telma tinha passado o ano anterior num programa de intercâmbio no Brasil, e aproveitava todas as oportunidades para falar do assunto. Também adorava interromper as nossas aulas com afirmações um bocado óbvias que ela julgava inteligentes, mas bastou chegar a altura do exame para percebermos que efectivamente ela não sabia, como gostava de aparentar, mais do que qualquer um de nós.


Acho que dá para perceber que ninguém lhe achou muita graça, e todos a achávamos uma convencida e uma pedante de primeira. Infelizmente há alguns estudantes de Medicina que se enquadram nesta descrição, por isso não posso propriamente dizer que ela se destacasse particularmente. Depois de Radiologia ela saiu da nossa turma, e todos nós respirámos de alívio.

Os anos passaram e um dia alguém partilhou no facebook um artigo de um jornal sobre a única portuguesa procurada pela Interpol. E era a Telma.


Apressei-me a contar ao resto dos meus colegas e logo chegaram os comentários de 'estava-se mesmo a ver'. De facto, ninguém pareceu chocantemente surpreendido com aquilo que ouvia, e puxando o filme para trás todos nós conseguíamos reconhecer na personalidade dela (ou pelo menos na parte que conhecíamos) algo de estranho. No fim ficava um silêncio constrangedor e um certo medo no ar: tínhamos privado com uma (alegada) assassina.

Por outro lado, o Pedro tem alguns amigos que fizeram o curso de Desporto com o Renato Seabra, e todos garantem que ele era um miúdo normalíssimo. Ao contrário da Telma, a quem todos reconhecíamos traços patológicos na altura, o Renato era um rapaz popular de quem toda a gente gostava.


Não vou estar aqui com considerações sobre nenhum dos casos. Não sou polícia nem detective, mas como médica (e principalmente como médica apaixonada pela psiquiatria) é impossível não achar que ambos sofreram um qualquer episódio psicótico grave que os motivou aos actos subsequentes (e a aparente irracionalidade e impulsividade de ambos os crimes parece comprová-lo). E é impressionante pensar como tudo pode mudar assim, num momento.


De facto, as pessoas nem sempre são o que parecem. Às vezes escondem-se debaixo de uma sensação aparente de superioridade, noutras são apenas pessoas normais até ao dia em que algo corre muito mal. E pelo meio vivem entre nós e sentam-se ao nosso lado nas aulas de Radiologia.

Por outro lado, há situações em que não ser o que parecemos é bom. Há pessoas que nos surpreendem pela positiva. Há acções que não esperávamos vindas de quem menos esperávamos. E há queques com sabores diferentes que nos conquistam à primeira trinca. Perfeitos e surpreendentes.


Queques de ameixa com crumble

Ingredientes (para cinco queques):

* 95g de farinha de trigo;
* Uma colher de chá de fermento;
* Uma pitada de sal;
* Um ovo;
* 75g de açúcar;
* Três colheres de sopa de óleo vegetal;
* Uma colher de chá de essência de baunilha;
* Três colheres de sopa de leite;
* 70g de ameixa descascada e cortada em pequenos pedaços (uma ameixa).

Para o crumble:
* 50g de açúcar mascavado;
* 20g de farinha;
* 25g de manteiga bem fria;
* Meia colher de chá de canela em pó.

Confecção:

* Para o crumble juntar o açúcar mascavado, a farinha, a manteiga e a canela e misturar com um garfo ou com as mãos até que fique uma mistura semelhante a areia molhada;

* Numa tigela grande juntar a farinha, o fermento e o sal;

* Noutra tigela bater o ovo e juntar o açúcar, batendo até que fique uma mistura clara e espumosa;

* Acrescentar o óleo vegetal, a essência de baunilha e o leite;

* Misturar os ingredientes líquidos com os secos e mexer suavemente apenas até os ingredientes ficarem ligados;

* Juntar os bocadinhos de ameixa e envolver;

* Colocar a mistura em forminhas para queques e cobrir com o crumble;

* Levar ao forno pré-aquecido a 220º durante sete minutos;

* Baixar a temperatura para os 190º e deixar cozinhar durante mais treze a quinze minutos.


Tenham uma óptima Segunda-feira do queque :D

27.7.14

Isto e aquilo #21

Antes de vos mostrar a foto-reportagem deste fim-de-semana tenho uma confissão a fazer: nas últimas duas ou três semanas eu tenho andado extremamente cansada. Juro que sinto que ao meu lado tenho constantemente um Dementor invisível que me suga a energia e me deixa esgotada (e estranhamente enjoada), e por isso nos últimos fins-de-semana tenho privilegiado os momentos de descanso.

Este fim-de-semana não foi excepção: tínhamos planeado fazer uns programinhas porque o meu irmão estava cá de visita, mas sentia-me tão cansada que apostámos em fazer programas mais caseiros (e dormir umas belas sestas!). Vai daí, não vos espera propriamente uma foto-reportagem interessantíssima cheia de programas engraçados - em vez disso, há montes de fotos das gordices que comemos este fim-de-semana (mais eles, eu continuo enjoada).

Espero começar a sentir-me melhor quando acabar a semana (até porque vou passar todo o mês de Agosto a estagiar na Psiquiatria, mal posso esperar!) :D Enquanto isso, aqui vai a foto-reportagem do fim-de-semana :)

Sexta-feira

Fiz os queques para levar para a sessão de autógrafos na Bertrand do Vasco da Gama :D
Queques de frutos vermelhos com crumble - receita do livro :D
Escolhemos a receita do bolo de aniversário do meu irmão: o bolo de coco da Saveurs :D Eu AMO a Saveurs :D
Jogámos Monopólio em cartas, que eu ganhei um montão de vezes :D
Tive uma despedida de solteira e fomos jantar ao D'Bacalhau (a foto é retirada da net, eu não levei a minha máquina fotográfica)
O sistema é este: para a mesa vêm vários tipos de pratos com bacalhau e todos comem um bocadinho. A comida era muito boa, mas eu não gosto de pratos de bacalhau (só mesmo de bacalhau ao natural) :)
Sábado

Tudo preparado para o bolinho :D
Comprei no Continente e é muito parecido com o que se compra no Starbucks (talvez um pouquinho mais doce)
Torrada com manteiga de amendoim caseira (receita no blog esta semana!) e banana às rodelas
O pequeno-amoço do meu irmão: iogurte de nectarina e amêndoa com Golden Grahams :)
Bolo de coco - o resultado final :D
Fajitas de frango com feijão para o almoço
Já na Bertrand :)

Com a Inês, uma leitora do blog :D
Folhados de farinheira com sésamo para o jantar de aniversário do meu mano :D
Seguido de esparguete à bolonhesa :D
E aquele que foi o melhor bolo que eu já fiz na vida. Juro. Melhor. Bolo. De. Sempre. Passou-me logo o enjoo :D (e ainda bem que o meu irmão levou o resto para casa dos meus pais, senão acho que engordava uns três quilos a comer o resto!) :D
Calças com manchas de vaquinhas e meias com queques :)
Um dos melhores filmes de sempre, directamente da lista de 250 melhores filmes do IMDb :) Gostei imenso :)
Domingo

Chá para o pequeno-almoço
Com um queque :D
Esta receita aguenta-se lindamente, e os queques mantêm-se frescos e fofinhos durante imenso tempo :D
A fotografar convenientemente o interior do bolo. Não sei se já disse, mas este é mesmo o melhor bolo de sempre.
Vou usar a receita do bolo para todo o sempre e adaptar com outros recheios e coberturas :)
Detalhe das unhas da semana (que são rosa claro, estou um bocadinho cansada de cores fortes)
Com o meu pequenino, que já é mais alto do que o Pedro :)
Almoço mais preguiçoso: tosta de presunto e limonada caseira
A actualizar-me nas notícias que realmente interessam
Vimos um montão de episódios durante o fim-de-semana :D
Depois fui levar o meu irmão ao comboio (snif) e agora vamos passar o serão a ver o 'Million Dollar Baby', mais um filme da lista :)

Como foi o vosso fim-de-semana? :)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...