20.10.14

Queques de frutos vermelhos paleo (sem açúcar) e a minha experiência paleo! :)

'Worst-case scenario: You spend a month without some foods you like. 
Best-case scenario: You discover you are able to live healthier and better than you ever thought possible.'

Robb Wolf, The Paleo Solution: The Original Human Diet


Quando li sobre a dieta paleo pela primeira vez achei aquilo a maior parvoíce de todos os tempos. Sempre me irritaram argumentos como 'devíamos viver como viviam os nossos antepassados' (que morriam de peste e de neurossífilis e tomavam um banho por ano) ou 'os outros animais não comem estas coisas e não bebem leite' (mas também não têm escolas, hospitais e saneamento básico). Achei tudo aquilo uma ideia muito estranha, mas como não me compete julgar as opiniões dos outros simplesmente encolhi os ombros e pensei 'estes romanos são loucos'.

Parecem queimados, mas na verdade a massa era tão escura que isto é apenas o aspecto deles mais tostadinhos :)
Até que a dieta paleo passou a aparecer consistentemente nos artigos científicos que líamos, bem como o papel prejudicial do excesso de hidratos de carbono na nossa saúde cardiovascular. Mal o Pedro encontrou artigos que relacionavam a dieta paleo com a melhoria do acne decidiu converter-se durante algumas semanas, e confesso que vi ali uma oportunidade para fazer algo engraçado no blog: uma semana de estudo em nós próprios ao estilo do 'Super Size Me' (mas mais saudável, vá).

Vai daí, passei uma semana inteira a seguir religiosamente a dieta paleo. Comecei a um Sábado para evitar os efeitos do sugar craving durante um dia de trabalho, terminei na Sexta quando me presenteei com uma bela feijoada de tamboril e camarão ao jantar.


Apesar dos meus preconceitos prévios, a verdade é que actualmente a dieta paleo está bastante bem fundamentada a nível cientifico (como vão poder comprovar com o guest post do Pedro), e por isso foi relativamente fácil segui-la sem ficar com medo que me achassem tolinha. A semana foi divertida, inventei receitas novas e originais e senti-me sempre bem, e quando chegou a Sexta-feira confesso que senti alguma vontade de continuar a experiência.


Não o fiz de um modo restrito. Não pretendo incluir-me em nenhum grupo específico e não gosto de rótulos alimentares, por isso tornar-me 'paleo' parece-me demasiado drástico para alguém que sempre gostou de comer um pouco de tudo. Apesar disso, aprendi muito com esta experiência e não tenho dúvidas que alguns destes conhecimentos serão aplicados a partir de agora (até porque o Pedro continua a fazer alimentação paleo, por isso muitas vezes partilhamos as refeições dele!) :)


Deixo-vos com uma receita bem sucedida e surpreendente: queques de frutos vermelhos paleo. Sem glúten e sem açúcares refinados, mas cheios de sabor. Saudáveis e deliciosos. Naturais como a alimentação dos nossos antepassados, mas sem aquelas chatices todas da peste e da neurossífilis :D


Queques de frutos vermelhos paleo (receita adaptada do blog 'Bravo for Paleo')

Ingredientes (para seis queques):

* Uma chávena mais cinco colheres de sopa de farinha de amêndoa (amêndoa moída);
* Uma pitada de sal;
* Meia colher de chá de bicarbonato;
* Dois ovos;
* Duas colheres de sopa de mel;
* Uma colher de chá de essência de baunilha natural;
* Duas colheres de sopa de manteiga;
* Duas colheres de sopa de leite de amêndoa;
* Meia chávena de frutos vermelhos;
* Uma colher de chá de canela.

Confecção:

* Juntar a farinha de amêndoa, o sal e o bicarbonato e misturar bem;

* Noutra tigela bater bem os ovos com o mel e juntar a baunilha, a manteiga derretida e o leite de amêndoa, misturando bem;

* Misturar cuidadosamente os ingredientes líquidos com os ingredientes secos e envolver os frutos vermelhos e a canela;

* Colocar em forminhas e levar ao forno pré-aquecido a 180º durante vinte minutos.

  

Espero que gostem! :D

19.10.14

Receitinhas da semana #44 - Especial Paleo Week! :D

Esta semana vai ser diferente do habitual: vou finalmente mostrar-vos a reportagem da nossa paleo week :) Preparem-se para receitas, sugestões, artigos científicos e a opinião de um painel de especialistas! :D

Segunda-feira - Queques de frutos vermelhos paleo
Participante convidado: Joana Macieira, seguidora da dieta paleo durante sete dias (eu!)


Terça-feira - Nutella paleo
Participante convidado: Francisco Siva, seguidor da dieta paleo há dez meses


Quarta-feira - Chips de maçã
Participante convidado: Pedro Rodrigues, médico gostosão 


Quinta-feira - Bolachas de Nutella paleo
Participante convidado: Maria João Fialho, nutricionista


Sexta-feira - Mousse de chocolate paleo
Participante convidado: Filipa Baião, especialista em medicina tradicional chinesa


Tenham uma óptima semana! :D 

17.10.14

Alguém testou e gostou #127

A Jelly Pearl testou três receitas de queques:

* Queques de banana com pepitas de chocolate
* Queques de baunilha com nectarina
* Queques de limão


Podem ler tudo sobre a experiência no blog dela, '10 Years Bituine'! :)

Tenham um óptimo fim-de-semana :D

Lemon rolls para os meus padrinhos :D

'Friendship is everything. Friendship is more than talent. It is more than the government. 
It is almost the equal of family.'

Don Corleone, The Godfather


Eu já não tenho padrinhos. Quando fui baptizada os meus pais escolheram para meus padrinhos o meu avô materno (que morreu quando eu tinha onze anos) e a minha avô paterna (que nunca foi particularmente presente e que morreu há três anos atrás), e por isso fiquei sem padrinhos propriamente ditos.

Até que depois de casar percebi que agora tenho novamente dois padrinhos: a Joana e o Bernardo, os meus amigos mais antigos.


Talvez vos pareça estranho que não existam por aqui muitos textos dedicados à Joana e ao Bernardo, principalmente tendo em conta que tenho posts que falam de coisas tão pouco importantes como as minhas infecções urinárias, a minha alcunha no InterRail ou o meu tripé. Mas a verdade é que aquilo que sentimos uns pelos outros não necessita de confirmação constante: nós sabemos o quão valioso é aquilo que temos, e isso basta.

Porque a verdadeira amizade é assim - pode ser feita por entre silêncios partilhados e olhares que sorriem.


Agora que tenho novamente padrinhos, posso pôr em prática todos os momentos que até agora pertenciam apenas à minha memória. Posso entusiasmar-me à espera de receber uma pequena prendinha na Páscoa, desde que tenha tido boas notas no segundo período. Posso felicitá-los no dia em que se tornaram meus padrinhos (e neste caso até tenho a vantagem de eles serem nossos padrinhos do casamento civil e religioso, por isso posso dar-lhes os parabéns em dois dias diferentes!). Posso mimá-los e acarinhá-los com gestos queridos.


E se quando era criança presenteava o meu avô com abraços e beijinhos, agora que me tornei anti-violações-do-espaço-pessoal-que-isso-dos-abraços-é-coisa-para-me-deixar-meia-desconfortável agradeço às pessoas de quem gosto com as receitas que faço e onde coloco tanto de mim.

E esta é a história destes lemon rolls. Tal como a amizade, também eles exigem paciência: é preciso esperar, deixá-los crescer com o tempo e dar-lhes espaço e conforto para que se tornem cada vez mais fortes. Tal como a amizade, também eles são frágeis: exigem algum cuidado e uma mão firme e precisa. Tal como a amizade, também eles combinam o sabor doce com aquele toque ácido que nem toda a gente aprecia.


Porque nós somos como os lemon rolls: bem doces, algo ácidos e sempre a crescer juntinhos. E garanto-vos que não foram precisas palavras no lanche em que devorámos todos juntos estes rolinhos divinais. Bastaram silêncios partilhados e olhares que sorriem.


Lemon rolls (receita adaptada do blog 'Sally's Baking Addiction')

Ingredientes (para doze rolinhos):

* 345g de farinha de trigo;
* 45g de açúcar branco;
* Uma pitada de sal;
* Uma saqueta de fermento de padeiro (4g);
* 120ml de água;
* 60ml de leite;
* 40g de manteiga sem sal;
* Um ovo;

Para o recheio:
* 150g de açúcar branco;
* Raspa de três limões;
* Meia colher de chá de essência de baunilha;
* 20g de manteiga amolecida.

Confecção:

* Juntar a farinha, o açúcar, o sal e o fermento e misturar bem;

* Aquecer a água e o leite juntamente com a manteiga até que a manteiga fique derretida;

* Misturar os ingredientes líquidos com os ingredientes secos e juntar o ovo;

* Amassar bem a massa numa superfície enfarinhada;

* Colocar numa taça untada (usei o óleo em spray) e deixar descansar durante dez minutos;

* Para o recheio juntar o açúcar, a raspa de limão e a baunilha e misturar bem até que fique uma mistura semelhante a areia;

* Estender a massa num rectângulo, pincelar com a manteiga e polvilhar com o recheio de limão;

* Enrolar a massa num rolo e cortar em doze partes iguais;

* Colocar num tabuleiro, cobrir com papel de alumínio e deixar levedar num local quente (coloquei no forno previamente aquecido a 90º e posteriormente desligado) durante noventa minutos;

* Retirar os rolos e pré-aquecer o forno a 190º;

* Cozinhar os rolos durante trinta minutos, cobrindo com papel de alumínio a meio se necessário para evitar que queimem por cima;

* Deixar arrefecer, cortar e servir :)

  


Tenham um óptimo fim-de-semana :D

16.10.14

Alguém testou e gostou #126

A Sofia do blog 'My extraordinary, ordinary life' testou a minha receita de frango guisado e regressou a casa :) Visitem o blog dela! :D


Obrigada Sofia :D

Batido de manga e banana e uma semana diferente :)

Back to the primitive,
Screw all your politics.
We got our life to live
The way we want to be.

Soulfly


Quem acompanha a página de Facebook do blog já se apercebeu que no fim de Setembro passámos uma semana a seguir a alimentação paleo.

Esta foi uma ideia que nos surgiu depois de termos encontrado por acaso alguns artigos científicos sobre as vantagens desta alimentação, nomeadamente a nível da terapêutica de manutenção contra o acne. Honestamente sempre tinha tido alguns preconceitos em relação este regime alimentar (talvez porque só conheci duas pessoas que o faziam e eram ambas extremamente maluquinhas fundamentalistas), mas depois de ler alguns estudos senti-me obrigada a dar-lhe pelo menos uma hipótese. Vai daí, decidimos conduzir o nosso próprio estudo cá em casa.


Fui partilhando algumas das experiências no Facebook (nomeadamente as minhas frustrações por não poder comer docinhos), conheci pessoas novas que partilhavam as mesmas dúvidas e ideias e aprendi imenso, e o facto é que desde então a nossa alimentação ficou efectivamente diferente - principalmente a do Pedro, que continuou a seguir o regime alimentar quando a semana terminou.


Na próxima semana vou contar-vos tudo sobre esta nossa experiência aqui no blog, com direito a explicações sobre a alimentação paleo, foto-reportagens das refeições, diários na primeira pessoa (meus e do Pedro) e receitinhas boas e saudáveis. Enquanto essa altura não chega, decidi mostrar-vos uma das alterações que fizemos cá em casa e que se mantiveram depois do fim da paleo week: trocámos o leite de vaca pelo leite de amêndoa.


Não vou filosofar aqui sobre esta nossa opção. Acredito que cada um toma as decisões que acha melhores para si, e não me parece correcto opinar sobre isso - afinal, não sou dona da verdade (aliás, nestes assuntos da nutrição ninguém parece ser). Por isso, vou só despedir-me dizendo que desde que descobri novamente o leite de amêndoa estes batidos têm sido frequentes cá em casa: ora com manga, ora com banana, ora com frutos vermelhos, ora com tudo misturado. E sabem-me tão bem que não resisti a partilhar aqui convosco, embora a receita seja extraordinariamente simples :D


Batido de manga e banana

Ingredientes (para aproximadamente meio litro de batido):

* Uma manga;
* Duas bananas;
* Uma colher de chá de sementes de linhaça;
* Leite de amêndoa q.b.

Confecção:

* Juntar a manga, a banana e as sementes de linhaça e triturar com a varinha mágica;

* Acrescentar o leite de amêndoa até obter a consistência desejada;

* Triturar novamente.


Até amanhã! :D

15.10.14

Alguém testou e gostou #125

A Ema já experimentou um montão de receitas de queques. Desta vez testou os meus queques de lima e limão com sementes de papoila e os meus queques de baunilha e nectarina e parece que os primeiros seguiram directamente para a lista dos seus preferidos :D



Obrigada Ema :D

Cannelloni de atum para um casal diferente :)

'You yourself, as much as anybody in the entire universe, deserve your love and affection.'
- Gautama Buddha

'The worst loneliness is to not be comfortable with yourself.' 
- Mark Twain

'You were what you were and you are what you are. Fuck that regrets bullshit.'
- Irvine Welsh


Tínhamos regressado há três semanas da lua-de-mel quando comentámos com um dos médicos do centro de saúde que eu ia passar dois dias fora, num congresso, sem o Pedro. Ele ficou surpreendido e comentou algo do género:

'Realmente já não se fazem casamentos como antigamente. Ainda agora casaram e já andam cada um com o seu carro, têm horários diferentes e ela vai para congressos com as amigas enquanto ele fica em casa!'


É óbvio que ele estava a brincar, mas confesso que fiquei a pensar naquela frase. É verdade que eu e o Pedro sempre valorizámos o nosso espaço pessoal e nunca deixámos de fazer o que quer que fosse porque o outro não queria. Nunca me inibi de viajar, de sair com as minhas amigas, de ter os meus momentos zen e de visitar a minha família quando me apetece, e nem me passaria pela cabeça obrigá-lo a vir comigo ou ficar em casa se ele não quisesse vir - tal como ele nunca se inibiu de ir jogar futebol, tomar café com os amigos e passar mil horas a jogar Caesar III. 

No fim do dia o que importa é não só gostarmos de estar com o outro, mas também gostarmos de estar sozinhos connosco próprios. E perder a minha identidade parece-me um bocadinho mais assustador do que passar dois dias fora porque me apetece ir a um congresso ao qual o Pedro não faz questão de ir também.


Cá em casa sempre foi assim. É claro que há alturas em que alguém decide ceder, mas também é um facto que por vezes fazemos simplesmente o que nos apetece e ninguém fica magoado com isso. E entram os cannelloni.

O Pedro não é fã de cannelloni e não gosta de atum. Eu podia efectivamente passar o resto da vida sem comer nenhuma destas coisas, mas como 'já não se fazem casamentos como antigamente' decidi fazer cannelloni para mim e pedir-lhe para ele fazer outro pratinho para ele. 


Foi assim que eu comi cannelloni e ele comeu entrecosto, e apreciámos juntos os pratos que sabemos que o outro não gosta. 

Será que isso faz de nós um casal individualista cuja relação está condenada ao afastamento e ao fracasso? Duvido muito. Será que isso faz de nós um casal mais feliz, sem nenhuma espécie de rancor e com a barriguinha bem satisfeita? Garanto-vos que sim.


Cannelloni de atum

Ingredientes (para seis cannelloni):

* Uma cebola picada;
* Dois dentes de alho picados;
* Um fio de azeite;
* Uma lata de atum em água;
* Uma colher de chá de ras el hanout (mistura marroquina de especiarias);
* Uma colher de chá de orégãos;
* Uma colher de chá de pimentão-doce;
* Meia colher de chá de paprika;
* Uma pitada de sal;
* Uma pitada de piri-piri;
* 100ml de molho de tomate;
* Seis cannelloni;
* Queijo ralado q.b.

Confecção:

* Refogar a cebola picada e o alho picado num fio de azeite;

* Juntar o atum e deixar refogar;

* Temperar com o ras el hanout, os orégãos, o pimentão-doce, a paprika, o sal e o piri-piri;

* Acrescentar o molho de tomate e deixar cozinhar;

* Com o auxílio de uma colher de chá rechear os cannelloni com a mistura;

* Dispor os cannelloni num tabuleiro e cobrir com o queijo ralado;

* Levar ao forno pré-aquecido a 180º durante trinta a quarenta minutos.

  

Até amanhã! :D

14.10.14

Wedding Diary #42 - O resumo :)

Ontem acabei de vos mostrar algumas das fotos do casamento e da lua-de-mel. Só terei as restantes fotos na próxima semana, por isso o Wedding Diary vai fazer uma pequena pausa :) Entretanto vou retomar o 'Alguém testou e gostou' :) 

Hoje trago-vos um resumo desta rubrica. Espero que gostem :)

Wedding Diary









#22 - Crato


#27 -  Lyon
#29 - Cévennes


#34 - Andorra
#35 - Valência


#36 - Granada 
#38 - Alhambra
#40 - Córdoba
#41 - Sevilha


As fotos regressam na próxima semana :D

Chili de legumes e uma escolha de vida.

It's the music that we choose,
It's the music that we choose,
It's the music that we choose,
It's the music that we choose.

Gorillaz


Durante a minha passagem pelo serviço de psiquiatria fui contando à minha tutora algumas coisas sobre mim. Um dia estávamos a conversar sobre coletes de Milwaukee enquanto esperávamos pelo elevador e eu partilhei com ela a minha própria experiência pessoal, uma vez que durante a adolescência usei um que ia do pescoço até à anca por causa da minha patologia da coluna vertebral. Ela ficou visivelmente surpreendida e logo comentou:

'Pareces uma pessoa tão despreocupada e feliz, mas a verdade é que já te aconteceram na vida situações muito tristes e aborrecidas.'

Fiquei estupefacta, confesso. Nunca penso na minha vida como um conjunto de acontecimentos menos bons - muito pelo contrário, sempre me considerei incrivelmente feliz. Mas isso é apenas uma questão de perspectiva: na verdade, se decidir concentrar-me apenas nas coisas negativas que vivi no passado é um facto que já ultrapassei situações dolorosas e difíceis.


Há uns dias conversava sobre isso com o Bernardo, e ele comentou que de facto eu raramente falo sobre os meus problemas - como aliás já devem ter reparado aqui no blog. Dizia ele que isso poderia dar a quem me rodeia ou lê a ideia errada de que (e cito) 'nasci com o rabinho virado para a lua' e que a minha vida é perfeita, o que não corresponde obviamente à realidade.

Fui operada duas vezes ao meu estrabismo, que regressou novamente no ano passado. Voltarei a ser operada no futuro.
Fui operada à miopia há quatro anos e estou outra vez míope. Vou voltar a usar óculos.
Passei por vários meses de fisioterapia e por anos de utilização de um colete. Continuo a ter dores fortes diariamente.
Usei aparelho nos dentes durante três anos. Dez anos e o nascimento de um siso depois, tenho novamente um dente torto.
Fui vítima de agressões físicas e verbais na escola. Lidei com a tristeza e a solidão.
Fui gordinha durante anos. Quando decidi fazer dieta fiquei demasiado magra e lidei com um distúrbio alimentar.
Descobri uma insuficiência numa válvula cardíaca.
Passei pela morte traumática do meu avô e pelo longo e demorado processo legal que se seguiu.
Acompanhei o tratamento complicado e doloroso da doença do meu pai e temi pela vida dele.
Tenho infecções urinárias recorrentes e sofro muito com elas.
Questiono-me diariamente se escolhi a profissão certa e se não seria mais feliz noutra coisa.
Lido constantemente com o medo de não ser boa o suficiente: boa pessoa, boa amiga, boa irmã, boa filha e boa profissional.

Como vêem, a minha vida não é perfeita. Tenho os meus problemas, tal como toda a gente. Mas sabem que mais? Isso nunca me definirá. Nunca serei a pessoa que passou por isto ou aquilo, e nunca deixarei de ser a pessoa despreocupada e feliz.

Porque a vida é assim mesmo: todos vamos passar por momentos bons (que não serão melhores do que os dos outros por serem nossos) e por momentos maus (que não serão piores do que os dos outros por serem nossos), e vamos simplesmente continuar em frente com um pé depois do outro.


Ser feliz é uma escolha, por isso escolham-no. Não sejam amargos, não arremessem sentimentos maus ou palavras agressivas, não se magoem com ruminações que não resolvem nada. Riam, abracem, beijem, leiam, passeiem. Cozinhem. Acima de tudo, nunca deixem de valorizar o que a vida tem de bom e nunca deixem de fazer aquilo que realmente gostam.


Chili de legumes

Ingredientes (para duas pessoas):

* Uma cebola picada;
* Dois dentes de alho picados;
* Meio pimento vermelho picado;
* Um fio de azeite;
* Mistura de legumes congelados (usei feijão-verde, ervilhas e cenoura);
* Uma colher de chá de pimentão-doce;
* Uma colher de chá de paprika;
* Uma colher de chá de cominhos;
* Uma colher de chá de coentros;
* Uma pitada de sal;
* Uma pitada generosa de piri-piri;
* Uma lata de feijão vermelho;
* Molho de tomate q.b.
* Uma fatia de queijo (opcional).

Confecção:

* Refogar a cebola picada, o alho picado e o pimento vermelho num fio de azeite;

* Juntar a mistura de legumes e deixar refogar;

* Temperar com pimentão-doce, a paprika, os cominhos, os coentros, o sal e o piri-piri e mexer bem;

* Acrescentar a lata de feijão fermelho e cobrir com o molho de tomate, envolvendo bem;

* Desligar o lume e juntar uma fatia de queijo cortada em tiras (opcional).


Até amanhã! :D
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...