5 de outubro de 2016

Tapada de Mafra (parte 1)

'Ufa, a Joana acabou finalmente a sua foto-reportagem interminável das férias!' - pensam vocês.

Wroooooong. Lembram-se daqueles dias de férias que passámos em Lisboa? Fizemos uma data de planos fixes que não cheguei a partilhar (só mostrei a nossa visita ao Aquário Vasco da Gama). Vai daí, e porque o blog é mesmo uma espécie de conjunto das minhas memórias, achei que podia (e devia) partilhar aqui algumas das fotos que tirei :)

Começo com as fotos da Tapada de Mafra, que fomos visitar no dia do nosso segundo aniversário de casamento :D Há melhor forma de celebrar o amor do que visitar sítios lindos com animaizinhos à solta?

(Somos mesmo nerds, eu sei.)

A Tapada é mesmo enooooorme :D


















Há imensos programas disponíveis na Tapada de Mafra. Dá para fazer passeios de cavalo (coisa da qual não sou de todo fã, faz-me uma confusão tremenda), passeios pedestres, corridas, tiro ao alvo, passeios de comboio, passeios de carro eléctrico... Enfim, um montão de coisas. Não achámos o site assim tão intuitivo quanto isso, o melhor é mesmo irem com algum tempo e explorarem as opções lá :) Fizemos o passeio em carro eléctrico (mais ecológico, mais silencioso, mais calminho, com menos gente!) e gostámos imenso :D

Javaliiiiis bebés :D
Queeeer um porquinho?
Gamo :D






Por acaso não fazia ideia, mas como a Tapada de Mafra é completamente fechada todos os animais que lá vivem nasceram lá e irão morrer lá, e há séculos (literalmente) que isto é assim :D Achei muito giro :D E não há propriamente falta de espaço, porque a Tapada tem 17 mil hectares! :D Para controlar a população é necessário por vezes caçarem alguns animais mais velhos ou doentes, mas fazem isso com recurso a guardas florestais treinados. Eu ainda perguntei porque é que não introduziam uns predadores (sei lá, uns lobos ou uns linces?), mas a guia disse que não era lá muito viável. É pena :D

(Lamento, mas depois da nossa viagem ao Quénia ficámos a achar que não seria assim tão difícil fazer algo do género no Alentejo, por exemplo. Umas zebras, umas girafas, uns leões, uns rinocerontes, uns flamingos e tínhamos uma reserva natural protegida! Acho que vale a pena investir nisto.) :)

6 comentários:

  1. E o inverno no Alentejo? Os animais safavam-se? Ou morriam de hipotermia? :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem, no Badoca safam-se :D A ideia era simplesmente fazer uma coisa maior e com predadores ;) Além disso, no Quénia no Inverno a temperatura média é mais baixa :) Estivemos lá no Verão (na estação seca, vá) e as temperaturas eram bastante semelhantes às de cá :)

      Eliminar
  2. Lembro-me de quando era pequena num "passeio da escola" termos ido à Tapada de Mafra e acabámos por almoçar lá, fazendo um picnic. A meio do nosso almoço recebemos a visita de uns simpáticos javalis - mas a minha mãe desatou a fugir! eheh

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também dá para fazer piqueniques agora, mas só com as cestinhas deles :)

      Eliminar
  3. Que curioso, depois de ler este teu texto (e de pensar "que grande maluca, uma reserva africana no Alentejo") o post seguinte no meu leitor de feeds era este, sobre um safari na Holanda:h ttp://www.travelettes.net/from-brabant-to-africa-and-back-again/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cá temos o Badoca, que acaba por ser um conceito muito semelhante :) Fazem é falta uns predadores, lá está :D

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />