3 de agosto de 2016

O treino do sono.

Eu sou uma long sleeper. Sempre precisei de dormir nove ou dez horas para ficar minimamente funcional, e durante a gravidez dormia doze a catorze horas por dia. Assim sendo, confesso que estava bastante assustada com a ideia de ter um bebé e precisar de acordar frequentemente durante a noite.

Estava certa: sinceramente acho que as partes mais chatas de toda esta experiência da maternidade têm sido as noites. E por isso decidi pôr mãos à obra o mais rápido possível.



O Pedro ficou em casa durante um mês depois do Zé Carlos nascer. Como ele bebe leite adaptado desde o terceiro dia de vida, durante este mês fomos alternando as mamadas. Na altura ele acordava para mamar de duas em duas horas, por isso conseguíamos sempre dormir quatro horas seguidas cada um.

Durante este mês percebemos que ter o Mati no nosso quarto não estava a resultar por vários motivos.

O nosso quarto é a divisão mais quente da casa e frequentemente atinge os 25º durante a noite, o que na altura me fazia ter medo de sobreaquecer o miúdo. Como o cobria pouco, ele não dormia tão bem. Quando o passámos para o quarto dele - que é mais ameno - e comecei a ter mais segurança a cobri-lo ele passou a dormir muito melhor (e actualmente, apesar do calor, a nossa coisinha fofa dorme de pijama, enrolado numa mantinha e coberto com um lençol e um cobertor). É friorento, pronto.

Além disso, havia a questão do barulho. Sempre que nós fazíamos barulho - a conversar, a rir ou até a mudar de posição na cama - o Mati acordava. Por outro lado, sempre que ele fazia o mais pequeno barulho a dormir nós acordávamos também.

Também havia o problema do berço: o Mati mexe-se bastante a dormir (e gosta de dormir de braços abertos), por isso tinha pouco espaço no bercinho.

Foi preciso desligarmos o ruído à nossa volta e ouvirmos muito o nosso coração para tomarmos a decisão de o passar para o quarto dele. A malta desatou logo a sacar das forquilhas e das citações da Constança Cordeiro Ferreira, mas sinceramente não me podia estar a borrifar mais: ninguém gosta mais do nosso filho do que nós, e ninguém sabe melhor do que nós o que é melhor para ele.

Foi assim que passámos o Mati para o quarto dele com um mês e decidimos começar o treino do sono. Às onze ou meia-noite dávamos-lhe o banhinho e fazíamos uma massagem relaxante, o biberão era dado na sala às escuras e em silêncio e depois íamos deitá-lo no quartinho às escuras, quer ele estivesse acordado ou a dormir. Inicialmente ele rabujava um bocadinho se estivesse acordado, mas pegávamos logo nele ao colo para se sentir mais seguro e adormecia um ou dois minutos depois. Eventualmente habituou-se a ficar na caminha. Começou a fazer intervalos cada vez maiores durante a noite - primeiro acordava às quatro, depois às cinco, depois às seis, depois às sete e ultimamente já acordava às oito da manhã. Adormecia rapidamente enquanto bebia o biberão e acordava por volta do meio-dia super bem disposto. E eu dormia das onze da noite até às onze da manhã também, apenas com vinte minutos de intervalo para lhe dar o biberão. Tudo corria lindamente.

Esta semana decidimos mudar um bocadinho o sistema e começar a deitá-lo por volta das nove. Deitá-lo mais cedo dava-nos umas horinhas todos os dias para namorar e também iria fazer com que ele se habituasse a acordar mais cedo, o que seria bom quando fosse a altura de ele ir para a creche (em Janeiro). Se ele continuasse a dormir as nove horinhas seguidas acordava às seis para beber o leitinho e depois dormia até às dez, o que nos pareceu perfeito.

O problema é que o Mati não gostou muito da ideia.

E é assim que desde Sábado que o deitamos às nove e ele acorda às três, às seis e às nove para comer, volta sempre a adormecer e só acorda definitivamente por volta das onze da manhã. E eu deito-me à meia-noite, acordo às três, só consigo voltar a adormecer por volta das quatro, acordo novamente às seis, volto a adormecer às seis e meia, acordo às sete com o despertador do Pedro, volto a adormecer por volta das oito, acordo às nove, adormeço às dez e acordo às onze. Vou dormindo umas sestinhas curtas ao longo do dia, mas estou seriamente a dar tilt.

Obviamente que já pensei em desistir umas 834924562312957492 vezes, mas sei que habituar o Mati a adormecer cedo e acordar cedo era o melhor para todos e por isso vou insistindo. E contando os dias para o fim-de-semana, quando o Pedro lhe dá as mamadas da madrugada.

Eu sei que podia ser muito pior e que me queixo de barriga cheia e blá blá blá. Mas eu preciso de dormir, e não tenho culpa disso. Só me resta mesmo ter paciência, e torcer para que os intervalos de oito ou nove horas (que até já chegaram a ser de dez ou doze!) regressem.

Ser long sleeper é tramado.

8 comentários:

  1. Bom, já me sinto mais normal por te ver queixar de alguma coisa :P é tão bom ser mãe, mas há sempre coisas que temos que moldar. Com muita paciência, isso vai lá, vais ver :)

    ResponderEliminar
  2. Entendo-a bem. Sempre fui assim, a precisar de dormir muito até ter o meu filho mais velho. E, apesar das minhas decisões, teorias e leituras, ele decidiu que não cumpria nenhuma, não respeitava nenhuma regra e, em suma, quando dormia 1h seguida ou 2, de dia ou noite, era uma bênção dos céus. Hoje eu durmo 6h e fico bem. Afinal treinou-me ele a mim! E eu sou dura!!!

    ResponderEliminar
  3. O que notei com a minha irmã mais nova (temos 15 anos de diferença) é que essa mudanças deveriam ser mais graduais. Por exemplo, se o deitavam à meia-noite, começarem a deitá-lo às 23h30 e, progressivamente - visto que tens até Janeiro - ires reduzindo cada vez mais até chegar à hora pretendida.
    Não estou a dizer que é a fórmula mágica, cada criança é diferente, mas resultou com a minha irmã e só acordei duas ou três vezes durante a noite por causa dela (um anjo de menina xD ).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A questão é que como ele vai comendo mais ou menos sempre às mesmas horas, não conseguimos ser assim tão graduais. Ou seja, se ele antes comia por volta das 21h e das 24h, temos de o deitar depois da mamada das 21h em vez da das 24h :)

      Eliminar
  4. Ola Joana.

    Ontem estava a escrever um comentario mas por alguma razao deu erro e nao consegui recuperar (Fiquei com preguica de escrever de novo ;) ).

    Costumo parar alguns milesimos de segundos para me situar quando leio Ze Carlos hahahaha.

    O Liam sempre dormiu as 10 e acordava entre as 3-4, 6-7 (fica acordado 1 hora), 9 e finalmente as 11 ou 12. Tentei sem sucesso mudar para mais cedo.
    Faz duas semanas agora que comecou a dormir as 20h30 e com isso mudou e acorda as 2 e manteve os outros horarios da manha.

    Ele ainda dorme no nosso quarto no bercinho dele (Compramos 1 chicco lullago por ser um pouco maior). Ele nao faz barrulho nenhum quando dorme (tirando os resmungos quando tem muitos gases ou fazemos algum barrulho).

    Voltei ao trabalho esta semana e fico a torcer pelo dia em que ele nao vai precisar de comer de madrugada. Normalmente e rapido mas mesmo assim ficava feliz sem acordar.

    Parei de tirar cochilos durante o primeiro mes dele pq sabia o quanto me ia custar quando voltasse ao trabalho.

    Ele tal como O Matias gosta muito de dormir mas nao tem tirado o cochilo da tarde. So dorme uns 40 minutos as 5.

    E concordo, nos fazemos sempre o melhor por eles independente do que os outros possam dizer a mae (os pais) e que sabe(m).

    Bjnhos aos 2

    ResponderEliminar
  5. Ui... O sono..o sono... Só espero que o teu 'Zé Carlos' não seja como o meu que acorda todos os dias ás 3 da manhã a pedir uma 'sandis com tudo'!!!! Fora de brincadeiras o sono é complexo, eu confesso que tem sido uma das coisas que me tem perturbado mais neste segundo filho... são extremos o 1º deita-se ás 9 e dorme até mais não, o segundo deita-se o mais tarde possível e dorme 4/5h e tá feito... mas como ainda é muito pequeno isso traduz-se em grandes birras e mau feitio :( Verdade que a culpa também é nossa que não o soubemos 'educar' numa rotina mais certa logo cedo... Quanto ao dormir no próprio quarto concordo a 100%, cada caso é um caso e em alguns casos torna-se no descanso efetivo para ambas as partes! Boa Sorte :P

    ResponderEliminar
  6. A Maria acorda sempre de 2 em 2 horas para mamar durante a noite. Durante o dia, mama de hora a hora e, quando dorme uma soneca maior, é capaz de ficar 2 horas e meia sem mamar. Está no percentil 85 de peso (pudera).
    Como é a segunda já esperava isso e não me custa muito (felizmente não preciso de dormir muito, o meu namorado já precisa de dormir mais para não andar feito zombie o dia todo). O estranho é que me habituo e ando muito bem durante o dia.
    Quando a Lara começou a dormir a noite toda e eu também, sempre que ela ficava doente e acordava muitas vezes à noite custava-me horrores porque já não estava habituada. Acho que o segredo deve ser nunca dormir mais de 2 horas seguidas para não me habituar mal lol.
    Acho que se insistirem mais uns dias ele acaba por se habituar à nova rotina.
    Dou-vos os parabéns porque seguirem os melhores conselhos que podiam seguir: a vossa intuição. :) Os pais é que sabem o que é melhor para os filhos.

    ResponderEliminar
  7. Eu também preciso de umas 8 horas para ficar bem.
    Quando o meu filho nasceu era o que mais me assustava, as noites...
    E não me enganei. Foram um suplicio durante 12 meses... Ele pouco dormia seguido e eu não dormia nada... de nada...
    Por isso é que passados 5 anos ainda não tive outro!
    Ficou o trauma...

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />