21 de maio de 2016

O parto e um grande susto.

Era Quinta-feira, dia 12 de Maio. Os meus pais e a minha avó estavam cá na sua operação 'fazer miminhos à Joana porque ela partiu o braço' e fomos todos almoçar à Baía do Peixe. Comi um rodízio de marisco absolutamente delicioso. Estávamos já plenamente convencidos de que o Mati só viria para o mundo à força, na Terça-feira seguinte.

Depois de enchermos a barriguinha fui com a minha mãe e a minha avó ao centro comercial comprar guias de viagens. Ainda passámos pelo Arco do Cego para eu ver o meu irmão trajado pela primeira vez (a serenata dele foi nessa noite) e vim para casinha, onde tomei uma bela banhoca. Jantámos pizza indiana, pusemos música e dançámos, primeiro abraçadinhos e depois aos saltos. Continuávamos plenamente convencidos de que o Mati só viria para o mundo à força, na Terça-feira seguinte.



Antes de dormir decidi tomar outra banhoca e enquanto me secava tive uma contracção bastante dolorosa. Não era inédito ter contracções assim, mas esta foi mais forte do que o habitual. Eram 23.30h.

Às 00.30h tive outra contracção, e a partir daí comecei logo a ter contracções de dez em dez minutos. Doíam como o caraças. Às quatro da manhã passei a ter contracções de cinco em cinco minutos e decidi acordar o Pedro. Decidimos esperar mais um pouco e estivemos entretidos a ver sketchs antigos dos Gato Fedorento e a dar umas boas gargalhadas. Comemos (eu comi Chocapics com iogurte de ananás) e saímos para o Garcia de Orta, onde a minha amiga Joana estava de urgência.

Quando chegámos ao hospital, às 8.00h, ainda tinha apenas um dedo de dilatação. Tinha contracções regulares, mas ainda estava em fase latente do trabalho de parto. A Joana mandou-me ir passear para o Almada Fórum e regressar à tarde. Telefonei aos meus pais (que já estavam a chegar ao Porto!) e disse-lhes para regressarem, uma vez que o nosso Matias ia nascer nesse dia (coitadinha, fui mesmo inocente).

Sinceramente, esta foi a fase do trabalho de parto que mais me custou: andar de um lado para o outro no centro comercial, cheia de contracções, com vontade de me atirar para o chão com dores e a morrer de sono e de cansaço.

Quando regressei ao hospital, às 14.00h, tinha apenas dois dedos de dilatação. Continuava com contracções de cinco em cinco minutos. A Joana mandou-me ir para casa descansar um pouco (reza a lenda que eu parecia um zombie, e de facto confesso que nem me lembro bem disto). Tomei outro banho e aproveitei para dormir pequenas sestas entre contracções. Vimos alguns documentários sobre animaizinhos, os meus pais passaram por cá para dar um bocadinho de apoio moral (e trouxeram com eles uns morangos deliciosos) e jantámos.

À meia-noite dei novamente entrada no hospital, desta vez já com três dedos de dilatação. Fiz logo a sequencial (uma combinação de epidural com raquianestesia) e a partir daí tive o melhor trabalho de parto que poderia imaginar (obrigadinha senhor Fidel Pagés!). Fiquei com o Pedro na sala de dilatação e aproveitei para dormir umas boas sestinhas (ao contrário do Pedro, que ficou acordado toda a noite, coitadinho).

Por outro lado, com a administração da sequencial o meu trabalho de parto basicamente estagnou. Comecei a ter contracções de quinze em quinze ou vinte em vinte minutos, e não havia forma de as coisas se desenvolverem. Mesmo quando me rebentou a bolsa às cinco da manhã, continuámos na mesma. Afinal o Matias estava efectivamente a ser preguiçoso para nascer.

Às 9.00h passou a visita médica. Estava apenas com quatro dedos de dilatação, e uma das especialistas achou melhor introduzir oxitocina. Passei para a sala de parto e comecei a ser induzida por volta das 11.00h.

Dormi mais um bocadinho, fiz exercícios na bola e descansei bastante. Como ia levando reforços da sequencial, não tinha dores absolutamente nenhumas.

A dada altura acordei de uma das sestas com dores. Eram 13.00h. Chamei a enfermeira para levar novamente um reforço, mas quando ela me observou viu que já tinha a dilatação toda feita. Chamou a Joana (que tinha ido ela própria dormir, uma vez que tinha estado a trabalhar 24h seguidas no dia anterior). Comecei então a fazer força, primeiro sentada, depois deitada e agarrada a uma corda que estava presa no tecto, depois inclinada e agarrada às pernas, depois um bocadinho de lado - enfim, testámos um montão de posições (e mais teríamos testado se eu tivesse os dois braços operacionais). Não sentia propriamente dores, mas a pressão era imensa e a vontade de fazer força era incontrolável.

O tempo pareceu-me parado nesta altura. Ouvia a Joana e a enfermeira Cristina dizerem que estava quase e que faltava muito pouco, mas aquilo nunca mais acabava e confesso que comecei a desesperar e a dada altura só queria que o miúdo saísse dali. O Pedro foi absolutamente incrível durante todo o processo, e sinceramente não sei o que teria feito sem ele. Deu-me apoio, ajudou-me a fazer força e foi forte comigo. Foi o meu braço direito metafórico e o meu braço esquerdo literal.

Eventualmente apareceu uma especialista (a Drª Antónia) que achou que o Matias só ia conseguir nascer depois da episiotomia - sim, depois de ter passado mais de um mês a fazer massagens diárias no períneo, levei com a episiotomia na mesma. E efectivamente ela tinha razão, porque depois do corte fiz força uma vez e o Matias nasceu. Eram 13.49h do dia 14 de Maio, que posteriormente descobrimos ser mesmo o dia de S. Matias (digam lá que não é uma coincidência dos diabos?).

O Matias chorou imediatamente. Puseram-no logo em cima de mim e eu abracei-o com muita força. Cheirei-o e beijei-o muito. O meu bebé, finalmente. Não deixei a enfermeira limpá-lo e nem sequer queria deixar a Joana cortar o cordão umbilical. Chorei muito. Ri ainda mais. Agradeci a toda a gente. Disse que não tinha custado nada. Disse que estava pronta para outra.

O Pedro teve literalmente que me agarrar os braços para eu soltar o meu filho, que foi então limpo e observado. Teve um belo de um Apgar 10/10 e 3460g. Depois da expulsão da placenta e de ser suturada ficámos os três no namoro, amamentei e uma hora depois subimos para a enfermaria.

Mal cheguei levantei-me e fui tomar uma banhoca (que me soube pela vida!). Depois comecámos a receber as visitas: os meus pais, o meu irmão, a minha avó, a mãe do Pedro, o companheiro dela e a irmã. A Joana e o Bernardo também vieram visitar-me no dia seguinte.

Ficámos 48h internados e tivemos alta na Segunda-feira. Correu tudo lindamente. Adorei ter o meu parto no Garcia de Orta e recomendo vivamente: as equipas são fantásticas, todos os profissionais foram impecáveis, achei tudo muito limpinho e até a comida (que tinha lido que era horrível) me surpreendeu pela positiva (não é nada digno de uma estrela Michelin, mas come-se). Fiquei num quarto com mais duas pessoas, mas não me incomodou rigorosamente nada. Dediquei-me a namorar muito o meu bebé.

Desde então estamos os três a conhecer-nos melhor. Tivemos já um susto grande na Terça-feira que nos levou ao hospital e os pediatras chegaram a ponderar internar o Mati porque ele perdeu imenso peso (440g), estava desidratado e hipoglicémico e recusava-se a comer. Nesse dia descobrimos que eu tenho hipogaláctia (basicamente não produzo leite quase nenhum), e começámos a introduzir a fórmula. Continuo a estimular a mama com a bomba e a tentar que o Matias mame, mas confesso que a saga da amamentação se está a revelar bem mais desafiante do que aquilo que estava à espera.

Apesar deste susto enorme (quando me falaram em internar o meu filho achei que morria) o Matias está óptimo e já recuperou 320g. É um bebé calmíssimo, adora dormir, detesta mudar a fralda, gosta de tomar banhinho e acorda impreterivelmente de três em três horas para comer. E nós estamos super enamorados por esta nossa coisinha fofa :D

25 comentários:

  1. Tão bom! O que me emocionei ao ler este bonito relato! Felicidades para os papás! =)

    ResponderEliminar
  2. Uau... Que bom ler o teu relato! O meu Lucas está previsto para daqui a 7 semanas e apesar de estar bastante calma, já imagino, ou tento imaginar, como será quando ele decidir vir conhecer o mundo e os papás que já o adoram! Realmente é e será cada vez mais o maior desafio das nossas vidas! Mas, com certeza que será o mais reconfortante de sempre! Felicidades para vocês!

    ResponderEliminar
  3. O importante é que correu tudo bem :) muitos parabéns Joana, que este seja o início e a continuação de uma vida feliz. Beijinhos aos três

    ResponderEliminar
  4. Oh que delícia! :) É uma chatice isso da amamentação. Custa tanto no início mas não desistas, pode ser que dê certo. No início a minha filha também perdeu algum peso mas depois recuperou.
    Muitas felicidades para os três e, sempre que tiveres um tempinho, entre os namoros deliciosos com o teu bebé, vai-nos contando como está a correr. Daqui a um mês sou eu. :P Muitos beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Delicioso Joaninha! Aproveita muito, muito. Um beijinho grande

    ResponderEliminar
  6. Adorei ler o teu relato. Admito que me emocionei enquanto lia, talvez também porque em breve será a minha vez. Ainda bem que agora está tudo bem, sejam felizes :)
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  7. Muitos parabéns! Agora é aproveitar o melhor do mundo: o filho! Muitas felicidades!

    ResponderEliminar
  8. Parabéns Joana!!!!! vai ser uma aventura maravilhosa tenho a certeza, ser mãe é das melhores e mais loucas aventuras das nossas vidas lol..

    ResponderEliminar
  9. Oooh :) Parabéns e imensas felicidades

    ResponderEliminar
  10. Já acompanho o teu blog há algum tempo, descobri-o numa pesquisa de receitas e desde então comecei a acompanhar a tua saga no mundo da maternidade.
    Sou um bocado preguiçosa em comentar, mas quando li que tinhas tido o teu parto no Garcia de Horta e que tinha corrido tudo bem lembrei-me das palavras do emu marido "ir para o Garcia de Horta" é para morrer. E já que nos próximos tempos vou ficar aqui pela MArgem Sul é bom saber que afinal o Hospital não é assim tão mau como ele o descreve ahah
    Pode ser que qualquer dia ainda te reconheça no Almada Forum ;)

    ResponderEliminar
  11. Ohhhhhh :-) Que relato lindo!!! Mais uma vez Parabéns!!! E aproveita cada segundinho ihihih

    ResponderEliminar
  12. Fiquei toda arrepiada a ler o teu post. Que coisa mais boa! Esses sustos é que não são nada precisos, mas bem sei que fazem parte desta aventura de mães e pais. Beijinhos grandes

    ResponderEliminar
  13. Adorei ler o relato do parto!! E ainda bem que está tudo encaminhado agora!! Agora é só derreter para cima dele tamanha a fofura! :D

    ResponderEliminar
  14. Muitos, muitos parabéns, toda a felicidade do mundo e muitas e boas horas de sono para todos! Aproveita muito!

    ResponderEliminar
  15. Ohhh Joana. Que bom q o vosso Mati ja nasceu. Que aventura e nao podia ser diferente para fechar com chave de ouro 😄.
    Que bom q tudo correu bem e q depois do susto tudo esteja a correr lindamente.

    Q lindas fotos e da para ver um bocado as bochechas dele.

    Passa tao rapido... Aproveita bastante e beija muito essas bochechas.

    Boa recuperacao. Espero q o braco ja esteja melhor.

    Bjos

    ResponderEliminar
  16. Aí já sinto saudades das minhas filhas pequenas, aproveita mas aproveita muito pois o tempo passa muito rápido, parece que foi ontem e as minhas já estão com 22 anos e 6 anos.
    Muitos parabéns

    ResponderEliminar
  17. Querida Joana,
    Um beijo muito doce de parabéns. Matias, o nome mais lindo :))))

    ResponderEliminar
  18. Emocionei -me tanto quando li. Foi Lindo. :-) confesso que fiquei assustada. Tenho pavor à episitomia e achava que se praticava cada vez menos. Obrigada por este testemunho. Senti todo o amor e felicidade nas tuas palavras. Beijinho aos tres.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gisela na verdade a episiotomia faz-se cada vez menos, principalmente em alguns hospitais (o Garcia de Orta é um bom exemplo). A questão é que no meu caso era mesmo necessário, por isso não houve problema nenhum. Não a senti de todo e estou a recuperar bastante bem. Levantei-me da cama duas horas depois do parto, tomei banho e continuo a fazer a minha vida normal. Só é apenas um pouco desconfortável quando me sento, mas nada que um brufen não ajude :) Pronto, isto para desmistificar um bocadinho a questão :)

      Eliminar
  19. Estou encantada Joana :D <3 Aaiaiiaai, eu a qualquer momento posso entrar em trabalho de parto. Adorei o teu relato, fez-me sentir mais calma sabes :) Tudo de bom para a família!

    Beijinhosss

    ResponderEliminar
  20. Joana,mesmo não te conhecendo pessoalmente, fiquei muito feliz e comovida. Espero que sejam os três muito felizes! ;)

    ResponderEliminar
  21. Olá Joana,

    Tenho andado a leste do Paraíso e só agora vi o post do Matias.
    As fotos estão lindas e só desejo muita saúde e Amor para vocês os 3...
    Bjinhos grandes
    Rita

    ResponderEliminar
  22. Parabéns e muitas felicidades para os três, especialmente para o Matias.
    Beijinho.
    Paula

    ResponderEliminar
  23. Muitos parabéns! Muitas felicidades. achei o seu texto de uma doçura imensa! Beijinhos!

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />