19 de janeiro de 2016

Pregnancy Diary #45

Já encaminhei vários dos meus miúdos da consulta para a acupunctura, com resultados francamente bons. Sempre acreditei numa perspectiva holística da medicina, e nesse sentido parecia-me lógico actuar em conjunto com outros profissionais e outras terapias (confesso que não gosto muito do termo 'medicinas alternativas', creio que retira alguma da seriedade a práticas que efectivamente estão comprovadas cientificamente).

Nem sempre aconteceu o contrário comigo, confesso. Em alguns dos meus miúdos, a primeira coisa que o terapeuta fez durante a sua consulta foi sugerir retirar toda a medicação 'convencional', fosse ela medicação psiquiátrica ou não (um dos meus miúdos fazia inaladores para a asma e foi-lhe dito que deveria parar porque lhe faziam mal!), o que não deixa de ser ingrato tendo em conta que aceito perfeitamente que os pais associem medicação homeopática com a que prescrevo e em alguns casos até a recomendo (não a medicação em si porque não percebo nada do assunto, mas recomendo que recorram a quem perceba).



Gosto de pensar que a medicina no seu global está a evoluir no sentido de todos trabalharmos em conjunto. Ainda há uma visão algo tradicional da nossa parte (tive uma única aula sobre 'medicinas alternativas' na faculdade, onde basicamente nos foi ensinado que era tudo uma data de tangas), tal como certamente haverá uma visão mais diabolizada da parte dos outros profissionais em relação a nós. No entanto, acredito (ou, se calhar, gosto de acreditar) que actualmente estamos todos mais abertos à hipótese de funcionarmos como uma equipa e de usarmos o melhor que cada um terá para oferecer.

Curiosamente, e embora sugira a acupunctura a doentes meus com determinadas situações clínicas, eu própria nunca a fiz. Por outro lado, tenho alguns amigos e familiares que efectivamente fizeram com bons resultados, por isso quando os pais me perguntavam a minha opinião era honesta: há estudos científicos com bons resultados clínicos para as situações que eu observo nas consultas, e tentar não custa (só custa dinheiro, mas isso fica ao critério de cada um).



Pois, aparentemente tinha chegado a minha vez. Há semanas que a minha inflamação do trapézio tinha voltado em força (tão bom!), e se da última vez resultou entupir-me em anti-inflamatórios e fazer uns meses de fisioterapia, agora não podia fazer a primeira e não tinha a energia necessária para a segunda. Vai daí, decidi experimentar a acupunctura.

Curiosamente, no dia em que comecei à procura de locais que fizessem acupunctura na minha área de residência dormi sem dores, e desde então... Estou bem. Andei dias inteiros sem conseguir mexer o pescoço, e de repente fiquei a 100%. Caramba, que efeito dos diabos :D A acupunctura é tão eficaz que só a ideia de ir me curou :D

Estou a brincar, obviamente. De qualquer das formas, continuo a ter vontade de ir experimentar, até porque a acupunctura mostrou ter efeitos benéficos em alguns dos sintomas da gravidez: ajuda a melhorar as dores lombares e a azia, por exemplo (podem ler um bom resumo sobre o assunto aqui).

E vocês, já experimentaram? Correu bem? :)

32 comentários:

  1. Que bonito texto de se ler vindo de uma profissional médica. Quero também acreditar que os 'novos médicos' estão cada vez mais abertos a estas 'medicinas alternativas', aos medicamentos homeopáticos e se trabalhassem em equipa para o bem-estar do doente isso então era a cereja no cimo do bolo, mas para isso o caminho ainda é longo... Adorei ler-te Joana e acho que essa abertura só demonstra a excelente profissional que és na tua área. Sem dúvida que precisamos de mais médicos como tu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente tenho uma colega em medicina (3º ano) que demonstra o contrário. Mente mais fechada não há, e segundo ela diz, toda a gente que ela conhece é contra tudo o que é alternativo. Será a forma como os professores falam?

      Mas sim, Joana, és um exemplo. Já tive experiências muito más com médicos, que me fez perder a esperança de encontrar um profissional que veja além daquilo que lhe é ensinado. Tenho a certeza que és uma excelente profissional. Tu fazes-me acreditar que há médicos bons. Obrigada por isso. (Fosses tu médica de família e eu mudava-me já!) :)

      Eliminar
    2. Eu acho que os novos colegas estão decididamente abertos a abordagens complementares... Que não sejam a homeopatia. Acupunctura é aceite, MTC já vai sendo mais consensual... A homeopatia nem por sombras. É pena, sinceramente. Nestas coisas ajuda imenso que o meu orientador de internato seja alemão (e na Alemanha pelos vistos todos os médicos têm um bocadinho de formação em homeopatia) e tenha feito formação no tema (aliás, é famoso precisamente por usar medicamentos homeopáticos) :) Mas sim, todos saímos do curso com a lavagem cerebral de que são tangas. Cabe a cada um de nós desenvolver o espírito crítico e a experiência :)

      Eliminar
    3. Homeopatia é comprovada cientificamente como uma fraude. Até é injusto para as outras medicinas complementares colocá-las no mesmo pacote. :)

      Eliminar
    4. Bem, não é a minha experiência Marta :P Também não é a oitava maravilha do mundo, mas em alguns miúdos efectivamente tem um bom resultado terapêutico por razões que não conheço e não compreendo, mas aceito ;)

      Eliminar
    5. (Obviamente que não comparando com os efeitos de outras coisas, como a acupunctura. E também tenho um miúdo que teve resultados bastante razoáveis com o reiki.)

      Eliminar
    6. Joana, eu conheço 'ao vivo' uma situação de um doente oncológico infantil em que esses medicamentos homeopáticos estão a dar resultados, resultados bons que os próprios médicos admitem que seja lá o que for que os pais estejam a fazer estão no bom caminho, no entanto, esses mesmos medicamentos estão a ser dados sem consentimento dos médicos pois não concordam com isso nem aconselham, é um bocadinho de contra-senso não é? E tenho pena que assim seja. Porque se o objectivo é a cura de um doente, de uma criança, porque não haver mais abertura e até trabalharem em conjunto? Eu só vejo vantagens, mas infelizmente há muita relutância ainda neste aspecto.

      Eliminar
    7. Joana cada médico vai tendo a sua opinião baseado na sua experiência. Na minha especialidade, por uma grande variedade de factores, há terapias que resultam. Na oncologia infelizmente eles estão habituados a verem pessoas facilmente caírem em histórias tipo 'banhas da cobra', ficarem cheias de alegria e esperança e depois as coisas não resultam como se gostaria... Nenhum médico pretende que o doente fique doente, obviamente, mas há outros factores a ter em conta. Espero sinceramente que corra tudo bem, a sério :)

      Eliminar
  2. Olá Joana.
    Eu nunca fiz acupunctura, mas o meu marido "tratou" um "espigão" (não sei se será este o termo médico) que tinha no pé e chegou a um ponto em que mal conseguia andar. O médico disse-lhe que não valia a pena operar apenas fisioterapia para aliviar. Na primeira sessão de fisioterapia, o fisioterapeuta sugeriu-lhe a acupunctura pois era, no entender dele, uma solução mais duradoura e já por lá tinham passado alguns casos de sucesso. Procurou um médico especialista em acupunctura e fez umas sessões, durante uns seis meses. As sessões foram espaçando, no inicio eram 2 vezes por semana. Aparentemente passou. Já lá vão cerca de 15 anos....Portanto, só tenho bem a dizer da acupunctura.
    Bjs
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também já tive uma coisa dessas, é tão chato! Só passou com carradas de anti-inflamatórios :/ Para a próxima já sei :) Obrigada :)

      Eliminar
  3. Ja experimentei e gostei sim!! mas concordo que o pessoal das medicinas alternativas são muito radicais em relação a medicina convencional!!

    ResponderEliminar
  4. Às vezes, precisamos de recorrer a certas medicinas alternativas.
    Vou-te contar um segredo: a minha Inês quando nasceu, tinha as 2 unhas do dedos grandes dos pés, com um problema. A unha crescia sobreposta a várias camadas, que cresciam umas cima das outras. Eu falava com o pediatra e ele nunca deu assim muita importância. Só que as crianças vão crescendo e se existem alguma maldade é nas escolas,....ela chegava ao ponto de no Verão não querer andar de sandálias, porque as amiguinhas gozavam com ela. Como eu tenho um blog, começamos a criar laços de amizade com as pessoas e um dia em conversa com uma seguidora e amiga (que estarei sempre em dívida para com ela), ela falava que os malmequeres curavam certos problemas. Troca de emails e conversas, nem vais acreditar, depois de fazer o tratamento, a unha caiu literalmente. Eu e a minha Inês até choramos,...foram 6 anos de algum desconforto e vergonha e ela já poderia usar as sandálias. Sei bem que este meu relato, não é própriamente medicina alternativa, mas sim medicina natural, que resultou e bem com a minha filhota. Podes ver aqui o meu relato em pormenor: http://strawberrycandymoreira.blogspot.pt/2013/04/malmequeres-e-bemmequeres-milagrosos.html ,...às vezes, não damos importância a outras medicinas, mas o que é certo é que elas ajudam e resolvem mesmo os problemas,...
    Beijinhos,
    Espero por ti em:
    http://strawberrycandymoreira.blogspot.pt/
    www.facebook.com/omeurefugioculinario

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lá está, não sabemos tudo. E se não o sabemos, porquê negar à partida coisas que poderão ter resultado? :) Ainda bem para a tua filhota que resultou Mary, realmente a diferença é abismal :)

      Beijinhos! :)

      Eliminar
    2. Se eu soubesse que a acupunctura me ajudava no síndroma de meniere até era capaz de experimentar! Embora digam que é doloroso,...
      Beijinhos,
      Espero por ti em:
      http://strawberrycandymoreira.blogspot.pt/
      www.facebook.com/omeurefugioculinario

      Eliminar
    3. Sinceramente não encontro informação sobre isso :/

      Eliminar
  5. Fiquei super contente ao ler este texto! Muito mesmo Joana! :) Eu pergunto-me várias vezes porque não posso (quando terminar o curso) trabalhar com os profissionais de medicina alopática? Era tão bom juntar a medicina natural à medicina alopática. Os médicos em vez de maldizerem os terapeutas e ficarem preocupados em perder o seu trabalho, podiam abrir a sua mente e perceber que tudo funciona melhor em conjunto. Mas sim, há gente mázinha em ambos os lados. Tal como nós não temos capacidades para algumas coisas, vocês não tem capacidades para outras. Acho que assim a sociedade não andava tão mal :)Claro que sou suspeita por estudar MTC :-p Mas óbvio que resulta! A união faz a força, é o que eu penso :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Discordo que os médicos digam mal de outros terapeutas porque não querem perder o trabalho ;) Simplesmente somos pessoas extremamente científicas e custa acreditarmos em determinadas coisas (não estou a dizer que a medicina natural - como tu lhe chamaste - não tem bases científicas, simplesmente estão menos estudadas). Da primeira vez que vi um doente ser tratado com hipnose ia caindo para o lado, mas agora é normalíssimo para mim. No fundo há espaço para tudo :)

      Eliminar
  6. Olá Joana :)
    Eu tive na faculdade uma disciplina sobre medicinas alternativas e, após ter iniciado o curso com a ideia de que estas poderiam ser complementares à medicina tradicional, mudei de ideias tanto pelo que aprendi nessa e em outras disciplinas como pelos exemplos que tenho visto no dia a dia.
    Acho curioso que aceites tão abertamente a toma de medicamentos homeopáticos a par com os psiquiátricos já que não existem estudos sobre as possíveis interacções!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Ana :)

      Por acaso eu fiz um bocadinho o percurso inverso. Não sei qual é a tua especialidade, mas na minha já fizemos todos as pazes com a falta de estudos em geral (imagina fazer estudos sobre a medicação psiquiátrica em crianças!). No fundo praticamente tudo o que sabemos é empírico e praticamente todos os nossos estudos são retrospectivos (daí o metilfenidato ser, por exemplo, um dos fármacos em que temos mais confiança - afinal já anda há umas boas décadas no mercado). Sinto-me meia fraudulenta a admitir isto, mas é verdade: sabe-se muito pouca coisa a nível farmacológico na minha especialidade, e o que se sabe é pela experiência. Eu uso fármacos que outros colegas não usam e eles usam outros que eu não uso porque nos damos bem com eles, gostamos deles e sentimos que têm o efeito que procuramos nos nossos doentes. O resto é um bocadinho a adivinhação :P

      Em relação à homeopatia, foi como disse acima: o meu orientador de estágio tem uma formação, usa imensas vezes (ele é pediatra e pedopsiquiatra e também usa fármacos homeopáticos na pediatria) e tem resultados. Em determinadas situações (ansiedade, insónias simples) efectivamente vejo resultados. Se são efeito placebo ou não, já não me compete afirmar e sinceramente nem sequer me interessa particularmente ;)

      Eliminar
  7. Tenho muitas muitas contraturas na zona dos ombros, e dores nas costas assim muito chatas de vez em quando por causa da escoliose e de vez em quanto lá vou eu ao osteopata. Ultimamente, e no caso das contraturas ele tem usado a acupuntura comigo e alivia-me mesmo muito. Pareço uma almofada de alfinetes nas sessões mas a verdade é que as dores me passam muito mais rápido porque segundo ele, as agulhas ajudam a desfazer os nós de tensão em que os meus músculos se tornam (acho que é algo assim, não tenho a certeza). Portanto, acho que te pode ajudar sim :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também já cheguei a ir a um osteopata, mas foi há imensos anos (quase vinte!) e as coisas não correram nada bem. Mas eram outros tempos :)

      Eliminar
    2. Acho que o meu percebe do que faz porque sempre que lá vou venho muito, mas muito melhor :)

      Eliminar
  8. Olha Joana, eu so fiz acupunctura (combinada com mesoterapia) para a dor ciática, e juro, foi milagre mesmo! Depois de umas sessões não incomodou mais! Agora tenho na outra perna, passado quase 5 anos, tenho de lá voltar XD
    Fez-me o marido de uma amiga da minha mãe, que acho que tirou primeiro medicina "normal" e depois mesmo formação em medicinas alternativas, em Espanha. Tenho confiança nele, porque este tratamento resultou a 100% e porque noutra situação anterior, para um outro problema, disse-me que procurasse ajuda médica "normal", pois naquele caso a medicina "alternativa" nao iria ser 100% eficaz. Procura alguém que tenhas a certeza que tem formação e que não tirou daqueles cursos da tanga (nem que te quer dar uma tanga a ti) e vais ficar mesmo surpreendida com os resultados. Ao fim da primeira sessão para a ciática até me apetecia chorar de gratidão.
    A Alexandra (a minha irmã) fez, para o mesmo problema e para uma vertebra deslocada, e só tem coisas boas a dizer, também. Se precisares do contacto dele, é só dizeres :P aconselho vivamente!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens de falar disso à Carina, de vez em quando ela anda incomodada com isso mas é bastante céptica em relação às coisas :/ Vai sofrer muito como reumatologista :P

      Arranja-me o contacto sim :)

      Eliminar
  9. Tenho de confessar que me fartei de rir com a ideia da acupuntura resultar só por pensar no assunto. :)
    Com terapeuta holística agradeço a mente aberta principalmente nunca tendo experimentado.
    Felizmente que a abertura a outras terapias está a aumentar e penso que o melhor caminho de o conseguir é através de conhecimento pois aí será possível comprovar a aplicação da cada terapia para cada caso com confiança e tranquilidade.
    Quanto a tirar medicamentos eu pessoalmente Não costumo aconselhar sem conveniente avaliação do médico que acompanha. Também é verdade que em geral não recomendo mais do que alguma fitoterapia (mesmo assim raramente) e digo sempre para informarem o médico que os acompanha. Penso que uma parceria e não ter nenhum lado a considerar o outro como "inimigo" ajuda a ter a confiança e honestidade do paciente. Não são poucas as pessoas (eu inclusivé) que escondem dos médicos o recurso a terapias para os ajudar da recuperação só para não terem de ser criticados por isso. Criticar não resolve. Indicar prudência ou explicar porque não se deve fazer x ou y por risco de interação ajuda. Assim a pessoa percebe e evitam-se situações de ocultação que não ajudam nem o paciente, nem nenhum dos profissionais a tentar ajudá-lo.
    Eu já fiz acupuntura com excelentes resultados, mas confesso que tem de se encontrar (como em todas) profissionais de confiança. Outras terapias à base de massagem/shiatsu e afins também me ajudaram bastante em crises de ciática na gravidez. Outras terapias (mais no ramo da meditação/energéticas e fins) já me ajudaram e ajudam diariamente a nível de depressão, ansiedade e até organização mental e de vida.
    A vantagens são inúmeras e por isso recomendo experimentar quando se sentir à vontade e motivada para o fazer.:)
    Continuação de boa gravidez

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É precisamente por isso que falo com os meus doentes sobre o assunto. Um deles inclusivamente já estava medicado com fitoterapia e não tinha dito nada por vergonha. Para mim é incrivelmente útil, principalmente porque vou aprendendo também :)

      Eu não preciso de ser convencida em relação às vantagens :) Acho que num mundo ideal trabalhávamos todos em conjunto (e passo a vida a magicar um serviço de pedopsiquiatria com acupunctura e massagens em paralelo com a psicoterapia e a psicomotricidade) :)

      Eliminar
  10. É por esta e por outras que sigo o teu blog Joana!
    Porque és uma pessoa com um espírito super aberto e não te deixas levar numa simples cantiga. Na verdade, estudas e lês para que possa realmente ter a tua opinião. E isso é de louvar :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem, a vida também nos vai ensinando que as coisas não são só a preto e branco e que, acima de tudo, o que é verdade para nós hoje não o é amanhã :)

      Eliminar
  11. Vá, agora que a época de exames me deixa responder com calma:

    Fiz um mini-curso de acupunctura em dois fins de semana, dado por um médico que se especializou na área. Na minha faculdade há um mestrado de acupunctura para médicos, que é frequentado sobretudo por anestesista e MGFs.

    Desiludiu-me um bocadinho as bases científicas que me deram: estava à espera que argumentassem que aquilo funcionava porque ao pôr a agulha no sítio X tocavam no nervo Y e impediam a condução de impulsos nervosos, mas em vez disso falou-me muito em Jings e Jangs e gente que é colérica por causa do fígado ou do baço (mesmo que já tenha tirado o baço!) ou não sei quê. Um bocado atirado de choque para quem está a aprender Medicina convencional! A única explicação mais científica (e ainda assim, enfim) que deram é de que as agulhas podiam criar micro campos eletromagnéticos (sobretudo naquelas que põem com corrente elétrica).

    De resto andámos a pôr agulhas para a dor de garganta mas eu estava bem disso na altura :p e pôr agulhas para relaxar, estimulando o sistema parassimpático (era um na glabela e uma em cada parte interna do pulso, numa covinha entre o pisiforme e a ponta do cúbito). Um anestesista que estava a tirar o mestrado disse que há gente que com a agulha na glabela adormece logo, e que com o filho bebé dele costumava massajar a glabela na esperança de que o ajudasse a adormecer - acho que vais ter muitas oportunidades de fazer um teste empírico usando a coisinha fofa como amostra (já que isto mal não faz) :p
    Supostamente nas contraturas picando o ponto-gatilho as dores aliviam. Uma vez estava com o trapézio à rasca e tentei auto-picar-me (fiquei com umas agulhas do curso), mas nesse sítio não dá para afzer a mim própria :p

    De qualquer forma fiquei com poucos conhecimentos, porque se for para fazer acupunctura a sério aquilo é muito difícil: há muitos meriadianos com imensos pontos e muitos sistemas e não sei quê - por isso é que há um mestrado de dois anos e não de 4 dias :p

    Não acho é que seja uma coisa tãoooooo inócua quanto isso. Há sempre o pequenino risco de infeção (eles desinfetavam a área com algodão com álcool), se for na zona dos pulmões têm de usar agulhas mais curtas para evitar qualquer possibilidade de criarem derrames pleurais e afins, nas orelhas (picam muito aí) também se pode arranjar chatices que se estendam ao cérebro... deve ser feito por quem de facto perceba da coisa bem como do corpo humano em geral. ;)

    Quanto às outras medicinas alternativas, tenho ainda menos contacto mas nem sempre tenho grande impressão: a homeopatia tem princípios (o da "memória da água" e daquela teoria de quanto mais dissolvido mais potente é) que me parecem quase anedóticos, e tal como a fitoterapia preocupem-me que andem a "prescrever" substâncias que, sejam ou não "naturais", podem interferir com outros medicamentos ou causar problemas hepáticos ou renais - é que tu não tens de perceber de medicamentos homeopáticos, mas quem os prescreve tem se perceber muito bem as suas interações e consequências.
    Da osteopatia nunca percebi a 100% as diferenças em relação à fisioterapia, parece-me que a base não é muito diferente...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já me vou informar sobre essa questão da glabela :D Também sofro do trapézio (lá está, deve ser da medicina!) mas nunca experimentei isso. Da próxima vez vou pôr o Pedro a picar-me :P

      É claro que tem de ser feito por quem perceba. Mas isso é em todas as áreas :) As consequências são menos graves em determinadas situações (ficares com um corte de cabelo feio é melhor do que teres um derrame pleural obviamente), mas diria que isso se estende a todas as profissões ;)

      Sinceramente quando fui ao osteopata quando era miúda fiquei traumatizada. A diferença que vejo em relação à fisioterapia é a seguinte: aquilo doía para xuxu, enquanto que a fisioterapia dói mas não ao ponto de gritares de desespero :P Mas volto a dizer que isto aconteceu há vinte anos, eram outros tempos :P

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />