23 de outubro de 2014

A dieta paleo vai ao nutricionista... Por Maria João Fialho (Guest Post)

Olá! Eu sou a Maria João, sou nutricionista e com base na minha formação a Joana pediu-me para vos dar a minha opinião informada sobre a dieta do paleolítico.

Antes de mais devo esclarecer que não sou uma especialista neste tipo de dieta e não sou apologista da sua utilização - especialmente para fins de emagrecimento -, uma vez que não é uma dieta apropriada para toda a população (como por exemplo grávidas, diabéticos, doentes renais, entre outros).

Pelas minhas pesquisas fiquei a perceber que a base da dieta paleo é a ingestão de carne e peixe à vontade, frutas, frutos secos e raízes. Se falarmos em nutrientes a dieta é adequada, pois todos os nutrientes essenciais estão presentes, como as proteínas e gorduras na carne e peixe e os hidratos de carbono complexos nas raízes e simples nas frutas.

Vou já dar a minha opinião do ponto de vista nutricional e talvez umas recomendações para quem faz este tipo de dieta.

* Relativamente à carne e peixe, não existia no paleolítico a criação de gado ou viveiros, por isso a procura de alimento promovia um dispêndio de energia brutal que tinha que ser compensado com elevadas quantidades de proteína e gordura - uma realidade bem diferente da de hoje em dia e que não se enquadra nas recomendações da OMS (Organização Mundial de Saúde). A única recomendação que faço é para darem preferência às carnes magras e peixe e restringirem a carne vermelha a duas a três vezes por semana devido à gordura saturada associada.

http://cdn1.sph.harvard.edu/wp-content/uploads/sites/30/2013/04/HEPApr2013-1024x800.jpg

* Alerto para o consumo excessivo de fruta, pois alguma frutas têm um índice glicémico elevado e o seu consumo deve ser moderado. Recomendo também que o seu consumo seja o mais variado possível para que não haja défices de vitaminas.

http://www.2ndacthealth.com/wp-content/uploads/2012/05/Fruit-Nutrition.png

* Na era do paleolítico não existia agricultura, por isso o acesso a hortícolas como a couve e a alface que consumimos no nosso quotidiano não era possível, mais não seja devido ao seu consumo por parte dos herbívoros. No entanto, eu defendo o consumo regular e variado de hortícolas.

* Penso que do ponto de vista nutricional só faz sentido restringir as farinhas refinadas e não todos os cereais e farinhas, pois esse processo elimina todas as propriedades nutricionalmente interessantes e protetoras desses alimentos (como as fibras e gorduras insaturadas).

 http://realfoodandrealfitness.com/wp-content/uploads/2014/02/grains.gif

* Relativamente às gorduras, o azeite é a gordura de eleição, embora não existisse no paleolítico. As gorduras provinham essencialmente do peixe e da carne, sendo que a gordura da carne é saturada e o seu consumo como já referi deve ser leve a moderado. Se não utilizarem gorduras refinadas para tempero e confeção, uma boa opção são os frutos secos e sementes para atingir as doses recomendadas.

No entanto, a minha opinião é de que esta dieta não se adequa à realidade dos tempos de hoje. Durante a era do paleolítico o homem era um caçador-coletor, e embora já tivesse descoberto o fogo não há evidências de que o utilizava para cozinhar - por isso quem faz esta dieta de forma restrita deveria ingerir alimentos crus e evitar alimentos que tenham sofrido processos industriais como o azeite, os óleos alimentares, o sal, entre outros alimentos em que a confecção é benéfica pois permite a melhor absorção de alguns nutrientes.

Eu penso que hoje em dia existem outras 'dietas' que são nutricionalmente equilibradas e atingem os mesmos objetivos da dieta do paleolítico: consumir os alimentos da forma mais natural possível, sem aditivos e sem processos industriais. Não sou uma defensora, mas se esse é um dos motivos então a dieta macrobiótica e a dieta alcalina são uma boa opção.

http://www.informedmeateater.com/wp-content/uploads/2013/10/macrobiotic-diet-chart.jpg

Maria João Fialho é licenciada em Ciências da Nutrição pela Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica Portuguesa e encontra-se actualmente a frequentar o Mestrado em Biotecnologia e Inovação. Dá consultas na VilarClínic e na Casablanca, em Vila Nova de Gaia.

2 comentários:

  1. Olá Joana,
    Gostei imenso de ler este guest post.
    Vem muito ao encontro do que eu já pensva a respeito da dieta peleo e esclareceu-me uma série de duvidas.
    Nada hoje é igual ou sequer parecido ao que existia no paleolitico, mas podemos sempre aprender com os nossos antepassados para melhoroar a nossa vida no presente.
    Bom fim de semana e bjs.

    ResponderEliminar
  2. Esse título tem um toque de peculiaridade infantil... Agrada-me! :P
    Ainda por cima um post que começa por "olá", isto tem tudo para correr bem :D
    Este post destoa imenso do conjunto de posts que já li sobre a dieta, neste blog ou noutros. No fundo acho que é um bocadinho precipitado naquilo que admite sobre a dieta e que contraria os princípios dela para fazer restrições dentro dos grupos "permitidos"... Não sei mais do que alguém licensiado na área, claro, mas fico com a impressão de que o post não tenta perceber o intuito da dieta paleo e de que não tem ou tenta ter uma mente muito aberta a novas hipóteses, o que também é um bocadinho o intuito de quem lê sobre a dieta.
    Ainda por cima alguns dos posts "pró-paleo" são até um bocado paranóicos com associações de saúde... parte da "teoria" inclui a manipulação e interesse económico que guiam os conselhos para uma alimentação saudável.
    Ahhh a sério, isto está a ser TÃO estranho :P é bom ter uma perspetiva diferente, mas acho que a popularidade de dietas tipo paleo aumentou tanto que, e reparei agora, acho que já não lia sobre esta perspetiva desde que fiz um cartaz sobre a alimentação saudável no quinto ano :P se calhar daqui a uns anos a visão muda outra vez... Isto é demasiado complicado :P
    Então essa das carnes magras e gordura saturada... Qualquer seguidor da dieta que tenha ficado vidrado no blog esta semana ficaria com os cabelos em pé :P
    Há muitas maneiras de refutar o argumento de "os nossos antepassados comiam assim", mas também acho que destruir um argumento dez vezes não destrói toda a tese :P
    Não acho exactamente que as outras dietas cumpram o mesmo propósito, porque o propósito desta não é só cortar os alimentos mais processados. Há princípios que são bastaante diferentes em cada uma, cada dieta tem uma base que normalmente é bem diferente das outras...
    Acho que este post não é muito útil para quem siga a dieta paleo (estou farta de escrever isto), porque quem o faz normalmente tem crenças fortes e justificadas (de forma válida ou não) que quase se opõe aos princípios que aqui estão. Isto seria fazer uma mudança radical à "paleo" (acho que depois de escrever o nome 50x me dá a autoridade para usar o "diminutivo", não? Eee com isto desperdicei as letras que tinha poupado :P)... E se alguém quer seguir os conselhos nutricionais "clássicos" provavelmente não vai seguir a paleo :P mas é sempre interessante ver a articulação, até porque se tornava aborrecido ver todos os posts com o mesmo ponto de vista (ou até não! Depende da quantidade de bolachas de Nutella...)
    PS: sabias que se pesquisares no google "a dieta paleo vai ao nutricionista" este é o primeiro resultado?
    (Acho que um episódio de um programa infantil com este nome rendia uma fortuna!)

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />