27 de outubro de 2013

Bolachinhas assustadoras de canela e gengibre para o Dia das Bruxas :D

And every demon wants his pound of flesh,
But I like to keep some things to myself.
I like to keep my issues drawn,
It's always darkest before the dawn.

Shake it out, shake it out, shake it out, shake it out!
Shake it out, shake it out, shake it out, shake it out!
And it's hard to dance with a devil on your back,
So shake him off!

Florence + The Machine


Já alguma vez pensaram que iam morrer? Eu já. Duas vezes. Curiosamente, foram ambas em aviões.


Em 2008 fui com a minha família e com o Pedro à Papua. Para chegarmos ao local onde íamos ficar tivemos de apanhar sete aviões diferentes, e o último avião - de Jayapura para Wamena - era um avião pequeno a hélices.

Desde já é melhor esclarecer que eu morro de medo de andar de avião, e a única razão pela qual continuo a fazê-lo é porque a minha vontade de conhecer o mundo consegue sempre vencer o meu pânico de me meter dentro desse meio de transporte do demónio. Eu sei que é mais seguro, muitíssimo mais rápido e bem mais prático, mas simplesmente não consigo estar confortável e serena numa coisa aparentemente tão frágil a voar a milhares de metros de distância da superfície.


Quando eu vi o avião a hélices ia tendo um ataque. Quando eu ouvi que o avião voava a uma altitude tão baixa que uns anos antes um dos aviões tinha batido contra uma montanha pensei seriamente em cruzar os braços e recusar-me a sair da sala de espera do aeroporto.

Mas depois achei que os meus pais nunca nos iriam submeter a algo que achassem perigoso. Enchi-me de coragem, respirei fundo umas quarenta vezes e lá fui.


A meio da viagem ficou mau tempo, e de repente começámos todos a andar aos trambolhões (não literalmente porque tínhamos o cinto, mas pronto). O avião começou a perder altitude, e naquele momento eu juro-vos que pensei que ia morrer.

Gostava de vos dizer que me lembrei dos melhores momentos da minha vida, que tive uma qualquer epifania ou que vi uma revelação divina, mas não. Na verdade durante todos aqueles segundos em que estávamos a perder altitude eu só conseguia pensar 'vou morrer, vou morrer, vou morrer, vou morrer'.

Eventualmente o avião ficou sob controlo, e chegámos sãos e salvos ao nosso destino.


No início deste ano fomos com a Joana e o Bernardo a Edimburgo. O dia da nossa partida coincidiu exactamente com aquele temporal enorme que se sentiu por todo o país, com ventos de 140km/h que deixaram inclusivamente alguns concelhos sem luz durante dias. E agora imaginem isso tudo dentro do nosso avião, que foi o último a partir antes das autoridades encerrarem o aeroporto da Portela.

Acho que nunca hiperventilei tanto na minha vida.


Seria de esperar que tivesse aprendido, mas não - a verdade é que mal posso esperar que chegue a próxima vez que me vou meter dentro de um avião, até porque sei que quando isso acontecer vou estar a caminho do Quénia para realizar mais um sonho.


Talvez lidar com o meu medo de morrer fosse mais fácil se eu acreditasse na vida depois da morte, mas a verdade é que não acredito. Gostava, juro-vos que gostava, mas não consigo. Por isso a verdade é que não acredito minimamente em fantasmas, zombies, espíritos, vampiros, bruxas e todas essas personagens do oculto.

Mas pronto, está aí a chegar o Dia das Bruxas e eu achei que ninguém iria perceber se eu fizesse bolachas em forma de aviões, o verdadeiro símbolo do terror para mim.

Não faz mal, estas bolachas também ficaram assustadoras que chegue :D


Bolachinhas assustadoras de canela e gengibre para o Dia das Bruxas (receita adaptada do site 'Real Simple')

Ingredientes (para dezasseis bolachas):

* Uma chávena e seis colheres de sopa de farinha de trigo sem fermento;
* Meia colher de chá de gengibre em pó;
* Meia colher de chá de canela em pó;
* Meia colher de chá de bicarbonato de sódio;
* Uma pitada de sal;
* 55g de manteiga sem sal à temperatura ambiente;
* Duas colheres de sopa de açúcar branco;
* Três colheres de sopa de açúcar amarelo;
* Quatro colheres de sopa de mel;
* Um ovo pequeno;

Para o royal icing:

* Uma chávena de chá de açúcar em pó;
* Uma clara de ovo pequena.

Confecção:

* Misturar a farinha, o gengibre, a canela, o bicarbonato de sódio e o sal;

* Numa tigela à parte juntar a manteiga, o açúcar amarelo e o açúcar branco e bater com a batedeira;

* Acrescentar o mel e o ovo, continuando a bater até ficar uma mistura cremosa;

* Reduzir a velocidade da batedeira e juntar lentamente a mistura da farinha até ficar incorporada;

* Formar um disco, envolver em papel aderente e levar ao frigorífico pelo menos durante duas horas (não saltem este passo!);

* Retirar a massa e estender numa superfície enfarinhada até ficar com uma espessura de aproximadamente meio centímetro;

* Moldar as forminhas com um cortador adequado;

* Transferir a massa estendida para um tabuleiro coberto com papel vegetal e refrigerar novamente durante trinta minutos;

* Levar ao forno pré-aquecido a 180º durante quinze minutos;

* Deixar arrefecer no tabuleiro durante alguns minutos e depois transferir para uma rede de cozinha para arrefecer completamente;

 * Fazer o royal icing, misturando o açúcar em pó com a clara de ovo durante aproximadamente dois minutos ou até a mistura engrossar;

* Transferir o royal icing para um saco de pasteleiro ou uma seringa própria para decoração e decorar as bolachas a gosto;

* Deixar o royal icing secar por completo.






Se quiserem outras sugestões podem espreitar estas bolachas horripilantes fantásticas do 'Hoje para jantar...' :)

Tenham um Domingo muito feliz e nada assustador :D
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />