6 de maio de 2013

Croquetes de peru e farinheira no forno e as descobertas :)

You can stand on your own two feet,
You can lead me through the streets!
Pave the way, so we can dream dreams!
No one else can see what you made me see.

Still climbing trees,
Tripping up over fallen leaves,
But holding hands...
No one else could ever understand
What it's like between us...

Kate Nash


Eu tive o meu primeiro namorado aos 12 anos: o nome do moço era Miguel.  

O Miguel pediu-me em namoro no campo de futebol da escola, enquanto as minhas amigas espreitavam atrás do muro. Demos o nosso primeiro beijo duas semanas depois, e fartámo-nos um do outro três ou quatro meses depois disso.


Durante a minha adolescência tive um monte de paixões assolapadas - algumas correspondidas que resultaram em namoros de adolescentes, outras (a grande maioria, diga-se) não. 

Aos 16 anos tive o meu primeiro grande amor, que acabou três anos depois quando entrei na faculdade e conheci o Pedro. E o resto, como se costuma dizer, é história.


Pelo contrário, o Pedro nunca tinha tido uma namorada. Ao contrário de mim o Pedro não tinha bagagem, não tinha medos e não tinha inseguranças, e nada o impedia de saltar sem reservas para o desconhecido.

Com o Pedro descobri coisas que nunca tinha pensado sequer serem possíveis. Descobri que o amor que sentimos por alguém cresce dia após dia, ano após ano, sem qualquer tipo de limite. Descobri que quero ter um monte de filhos, logo eu que sempre tive medo de crianças. Descobri que tenho um ligeiro instinto assassino quando sou contrariada.


E descobri a farinheira. Sim, porque nem só para o Pedro tudo isto foi novidade: de repente eu apaixonei-me por alguém louco por coisas que eu nunca tinha comido na vida, como a farinheira ou a alheira. 

Desde então temos uma espécie de entendimento de cavalheiros: de vez em quando eu como farinheira ou alheira, e de vez em quando o Pedro come brócolos. 

E isto, isto é o amor.


Croquetes de peru e farinheira no forno (receita adaptada do blog 'Cinco sentidos na cozinha')

Ingredientes (para dez croquetes): 

* 200g de peito de peru picado; 
* Um quarto de farinheira sem pele; 
* Um fio de azeite;
* Um dente de alho picado;
* Uma folha de louro; 
* Uma cebola picada;
* 30g de farinha integral; 
* 150ml de leite quente; 
* Um ovo batido; 
* Uma pitada de sal;
* Uma pitada de piri-piri;
* Uma pitada de noz-moscada; 
* Pão ralado q.b.;
* Ovo batido q.b.

Confecção: 

* Picar a carne e a farinheira na picadora até ficarem desfeitas; 

* Refogar o azeite com o alho picado, a cebola picada e a folha de louro;

* Juntar a farinha e mexer bem, acrescentando depois lentamente o leite quente; 

* Continuar a mexer até que a massa comece a descolar do fundo do tacho;

* Juntar a carne picada e temperar com o sal, o piri-piri e a noz-moscada; 

* Retirar do lume e misturar um ovo batido em fio, mexendo sempre;

* Levar novamente ao lume e mexer até a carne descolar do fundo do tacho;

* Retirar e levar ao frigorífico durante duas horas; 

* Moldar bolinhas ou cilindros e passar por um ovo batido e por pão ralado; 

* Passar novamente por ovo batido e pão ralado, se desejarem uma camada mais crocante;

* Pincelar com um pouco de azeite e levar ao forno pré-aquecido a 200º durante trinta minutos.
 

Tenham uma óptima semana! :D 

35 comentários:

  1. Joana, não tive oportunidade de comentar o post de ontem que, tal como este, está lindo!
    Espero que tenhas tido um feliz dia da mãe e que hoje, amanhã e sempre tenhas dias recheados de amor, tal como esses croquetes do amor: Joana & Pedro ou peru & farinheira!

    **
    Aida

    ResponderEliminar
  2. Adoro croquetes... estes vou fazer com certeza... ponho tudo menos o piri-piri!!
    Bjocas e boa segunda ;)

    ResponderEliminar
  3. Adorei esse croquetes! Parecem-me perfeitos cá para casa...
    beijinhos e uma boa semana :)

    ResponderEliminar
  4. Ficaram bem jeitosinhos e devem ter um gosto óptimo.

    beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Além de lindas essas croquetes tem um interior maravilhoso.
    Apetece mesmo comer...
    Boa semana
    bjs

    ResponderEliminar
  6. Gostei muito da historia:)
    Croquetes com farinheira nunca experimentei, gostei da ideia... parecem deliciosos...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Adorei estes croquetes, têm um aspecto fantástico! Eu adoro farinheira :)

    Beijinhos e boa semana*

    ResponderEliminar
  8. Olá Joana! Descobri o teu blog à cerca de uma semana e estou viciada! Adoro! Adoro a tua comida, as viagens fabulosas (que me deixam com uma pontinha de inveja da boa!) o teu sentido de humor...Até já consegui fazer uma receita tirada daqui e olha que tempo não é algo que tenha em abundância!Obrigada por partilhares estes teus momentinhos connosco. Beijinhos.

    ResponderEliminar
  9. Olá, os croquetes deliciaram os meus olhos, ficaram com ótimo aspeto, vou levar para experimentar, pode ser?!

    ResponderEliminar
  10. Eu adoro farinheira! Eu se tenho um blog de cozinha devo-o ao meu namorado, porque foi ele que me despertou a paixão pela cozinha. :)

    ResponderEliminar
  11. Olá Joana,
    agora fiquei aliviada...a sério acredita!
    Outro dia sai daqui a pensar que tu e o Pedro se tinham zangado (por causa de todo aquele choro e desilusão)! Ainda bem que não foi isso!
    Tudo o resto... resolve-se e vais ver.
    Adorei o teu texto e claro esses croquetes que estão "de comer e chorar por mais".
    Bjs

    ResponderEliminar
  12. Que maravilha que isto deve ser, Joana... ainda bem que o Pedro te apresentou a farinheira, eu adoro! O que eu me ri com o teu um ligeiro instinto assassino... :D :D
    Beijinhos, uma semana linda para ti!

    ResponderEliminar
  13. Eu também adoro alheira e farinheira. Acho que ia adorar esse pratinho.
    bj

    ResponderEliminar
  14. Que belos croquetes para variar dos habituais!
    Gostei muito da sugestão!

    beijinhos


    http://fabricocaseiro.blogspot.pt/2013/05/souffles-de-morango.html

    ResponderEliminar
  15. As cedência têm de ser de parte a parte e no final sai se sempre a ganhar!!!
    Estes croquetes tem um ar tão bom e eu tou com uma fomeca....
    Bjoka
    Rita

    ResponderEliminar
  16. Belos croquetes! E viva as descobertas. Mesmo quando temos bagagem, o outro traz-nos sempre novidades!

    ResponderEliminar
  17. Oi Joana te vi lá no blog da São e vim conhecer o seu cantinho, esses croquetes me parecem deliciosos, gostei muito da sua história e viva as descobertas que são sempre bem vindas, bom início de semana bjs !!!

    ResponderEliminar
  18. Os croquetes têm óptimo aspecto.
    Mas sinceramente o que mais me fascinou neste texto foi a forma como descreveste o teu amor com o Pedro, o entendimento, o respeito e o esforço que fazem por agradar um ao outro!
    Adorei... Oh Pedro se tu lês isto, olha que tens aqui uma mulher de ouro :)

    ResponderEliminar
  19. Olá Joana,

    os croquetes estão divinais e tão saudáveis, gostei bastante, mas a verdade e que li mais vezes o texto que a receita, adoro a forma como escreves tão apaixonada e tão verdadeira.

    beijinhos e boa semana

    ResponderEliminar
  20. Joana,
    muito bom ler seus textos, vc e o Pedro são fofos, formam um
    belo casal.
    Deu água na boca esses croquetes sequinhos e tentadores....hummmm!

    Beijos, ótima semana!

    ResponderEliminar
  21. Devem ser uma delícia ;) e que belo texto a acompanhar. beijinhos

    ResponderEliminar
  22. Gosto tanto de ler as tuas "histórias"! :)

    O F. e eu já namoramos há tantos anos que a pessoa sou hoje deve-se muito a ele! E acho que o contrário também ;) Só não aprendi a gostar de filmes de terror, que ele adora...baaah...há coisas que não dá para mudar! :P

    beijinhoos*

    ResponderEliminar
  23. Olá Joana, ainda bem que tu e o Pedro estão bem!! E o amor é mesmo isso, cedências de parte a parte, sem nunca abdicarmos daquilo que é a nossa essência!
    Esses croquetes devem ser muito bons e estão lindos!!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  24. Olá Joana,

    O amor é assim mesmo, cheio de momentos bons e menos bons com muitos desentendimentos à mistura e com muitos outros que nunca se esquecerão !
    E é bom quando tudo acaba bem !

    Assim como devem ser bons e deliciosos estes teus croquetes que não me importava nada de experimentar ! :)

    Beijinhos

    Isabel

    ResponderEliminar
  25. Como se costuma dizer "o amor é lindo!" e esse tipo de "acordos silenciosos" é algo que tenho imenso com o Tó.
    Mas custa-me a querer que este prato com esses croquetes te tenha sido um "sacrifício"... acho que neste "acordo" o Pedro é que sai a perder... E eu gosto bem de brócolos! hehehe
    Beijinhos
    http://sudelicia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  26. Olá Joaninha,
    estive fora uns dias e deparo-me com várias iguarias aqui na tua cozinha :) todas elas fantásticas. Os muffins deliciosos, a homenagem muito bonita à tua mãe e estes croquetes saborosos que eu iria adorar, porque gosto muito de enchidos:)
    O amor é compreensão em toda a linha de vida, é cedências sem culpas, é partilha com alegria... namorei quase 7 anos e faço 27 anos de casamento em julho, amo mais agora o meu marido do que quando casei, coisa que pensei que não fosse possível. Isto para te dizer que todos os dias se constrói o amor, há dias bons e outros menos bons, mas com respeito, amor e diálogo tudo se ultrapassa.
    A ideia que passa é que vocês são um casal bem equilibrado e com muito amor um pelo outro e eu desejo que sejas muito feliz Joaninha.
    Bjns
    Isabel

    ResponderEliminar
  27. Joaninha,
    E é assim o amor...uma vez é amarmos mais as coisas deles, outras vezes é eles amarem mais as nossas :)
    ...mas o Pedro tem um bónus, já que os seus gostos alimentares são muito específicos e tu conseguiste transformar o menos saudável em algo melhor :)
    Beijinhos grandes

    ResponderEliminar
  28. Gostei tanto da tua história. Oh. :)

    Mas esses croquetes... ai ai ai!

    ResponderEliminar
  29. Bom dia Joana,
    Que Romântico...
    Tens toda a razão, o amor é saber estar e ser independente do que nos passa na vida!
    É saber dar aos outros todo o que temos de melhor
    É saber que não existe o impossível nem mesmo o imparável...
    Um Ligeiro Instinto assassino... axo que também tenho disso quando contrariada! :)

    Bjinho

    Katia
    http://entretachosebimby.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  30. Que maravilha de croquetes, gostei muito da dica.
    Kiss, Susana
    Nota: Ver o passatempo a decorrer no meu blog:
    http://tertuliadasusy.blogspot.pt/p/passatempos.html

    ResponderEliminar
  31. "de vez em quando eu como farinheira ou alheira, e de vez em quando o Pedro come bróculos. E isto, isto é o amor." :)...

    Não tão literalmente, mas sim, é mesmo isso! ;)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  32. Bom dia Joana! Já experimentei estes croquetes e são maravilhosos, como não gosto de farinheira, substituí por alheira...Beijinhos.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />