16 de junho de 2018

Svalbard 2018 #6

E aqui vão mais algumas fotos de Svalbard :D

O tempo começou a piorar consideravelmente em Ny-Alesund, por isso fomos para o pub (na foto!) :D



E depois de uma cervejinha voltámos para o barco para a nossa última noite :D Na foto podem ver o percurso que fizemos :D
De volta a Longyearbyen, onde encontrámos o Nuno (o Nuno e a mulher são os únicos portugueses que vivem em Longyearbyen, e eu conheci-o porque a irmã dele lê o blog e pôs-nos em contacto! Olá Dulce e muito obrigada!) :D Fomos à procura das pegadas do urso polar que passou pela cidade uns dias antes :)
Cá está ele :D (com o meu pé ao lado em comparação!) :D

As pegadas do urso polar a sair da água :)

Antiga mina :)

O Global Seed Vault, basicamente a razão pela qual tudo isto começou :D :D :D (não dá para visitar) :(
Antiga mina com vista para Longyearbyen :D
As escadas do antigo hospital são o sítio onde o sol bate pela primeira vez na cidade depois dos meses de Inverno (durante os quais é de noite durante 24h!). Vai daí, no dia em que o sol aparece pela primeira vez, as pessoas reúnem-se aqui e fazem uma festa :D
Jantar no Coal Miner's Cabins: legumes grelhados e brownie com frutos vermelhos, crumble e gelado de baunilha :D
Neve fofinha :D
E começa a saga dos trenós de cães. Passo a explicar. Andar de trenós de cães é tipo uma thing no Árctico, e historicamente era o meio de locomoção mais utilizado e mais prático. O Pedro queria mesmo fazer isto e andou a tentar convencer-me durante séculos (até me fez ver o Balto, filme que confesso ter achado bem giro), mas eu não concordo nada com este tipo de coisas (que considero exploração animal) e simplesmente não queria fazer. No entanto, quando lá chegámos percebi que isto é uma situação um bocadinho à parte. Os cães adoram estar ao ar livre (e estão preparados para isso, porque são Huskies), deliram com correr e são naturalmente bons a interagir com humanos, a conduzir e a orientar, por isso confesso que me pareceu... Não sei, mais natural talvez. Mesmo assim ainda estava reticente, mas como o Pedro queria meeeesmo fazer isto e não ia fazer se eu não fosse (são precisas duas pessoas), lá fui. Na foto, podem ver o nosso trenó.
Fomos nós que fomos buscar os cães às suas casinhas e que os prendemos nos trenós. Já experimentaram tentar agarrar um cão de trinta ou quarenta quilos que está aos saltos de histeria porque vai correr? Não é agradável.
Na subida!
Durante a subida as coisas correram mal. Os nossos cães eram super rápidos, e mesmo com o travão a fundo o trenó não parava porque eles eram bem fortes (e queriam mesmo correr). Durante a subida o trenó desequilibrou-se, guinou para a direita e caiu, e os cães continuaram alegremente a correr. Dentro do trenó ia eu, que fiquei com o braço preso debaixo do trenó (que, recordem-se, continuou a andar) e com a máquina fotográfica a bater no chão. Moral da história: fiquei com um hematoma gigante no braço que ainda cá está (e não o ter partido ou não ter deslocado o ombro foi basicamente um milagre dos céus) e parti o encaixe da lente da máquina fotográfica. Obviamente que fiquei de rastos. Só me apetecia parar aquela bodega ali mesmo, mas não fazia muito sentido regressarmos a pé por isso continuámos. Entretanto na descida o trenó virou-se novamente, desta vez de uma forma ainda mais dramática, mas felizmente não me magoei. Curiosamente ia a filmar com a GoPro, e o vídeo dessa queda faz os meus amigos chorarem com as gargalhadas. Enfim, no fim ficou tudo bem: o braço continua cá e o problema da lente resolveu-se colando-a com quantidades monumentais de fita-cola (entretanto já comprei uma lente nova). Mas nunca mais ninguém me apanha num trenó de cães, isso vos garanto! (Até porque não gostei assim tanto, mesmo quando não estava a cair).

A afogar a tristeza num cheesecake de Oreo delicioso :D
O nosso quarto no Radisson Blu Polar Hotel :D
Cada quarto tinha uma homenagem a um explorador do Árctico, e o nosso era sobre o chef :D :D :D
A jantar no restaurante do hotel: o Pedro pediu lombo de rena com salsicha de rena (também é uma thing lá, até é agradável)
Batatinhas boas
Eu comi um peixe que estava uma delícia :D
Sobremesa com muitos nomes (ou como disse o Pedro, demorou mais tempo a empregada a dizer o que era do que eu demorei a comer!). Basicamente é um bolo de chocolate com bagas, crocante de não sei quê e gelado de sabores cítricos do Outono (o que quer que isso seja, mas era bom)
Mousse de limão com curd de limão, bagas, flor de sal do mar de Longyearbyen e gelado de café

O meu pequeno-almoço: iogurte grego, granola, avelãs, sementes e mel :D
E lá fomos nós para o nosso hiking de seis horas até Sarkofagen (uma das nossas partes preferidas da viagem!) :D
E pronto, mostro-vos as fotos de Sarkofagen na próxima publicação! :D

2 comentários:

  1. Fantástico!! Fui vivendo contigo o que relataste, e fiquei com muiiiiita vontade de lá ir..:))
    Beijinho

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />