3 de junho de 2016

A saga triste da amamentação.

Nunca tive grandes expectativas em relação à amamentação. Era obviamente algo que queria fazer pelos benefícios que iria trazer ao meu bebé, mas confesso que nunca romantizei muito o acto em si.

Pus o Matias a mamar uns quarenta minutos depois de nascer e percebi logo que tinha ali um desafio: ele não pegava bem por causa da forma do meu mamilo. Chamei a enfermeira, ela fez uma prega no meu mamilo (doeu como o caraças) e eventualmente ele lá pegou... Durante uns cinco minutos. Depois adormeceu e assim ficou durante quatro horas seguidas.

Os dois dias seguintes passaram-se neste registo. O Matias dormia imenso. Algumas enfermeiras diziam para o acordar, mas quando o fazia ele ficava tão rabugento que não mamava na mesma. Outras diziam para eu o deixar dormir, mas quando o fazia ele dormia seis ou sete horas seguidas sem mamar. Quando tinha fome, demorava imenso tempo a pegar na mama. Quando eventualmente pegava, mamava apenas durante uns cinco minutos e depois desistia ou adormecia. E eu tentei relativizar a questão. Pensei que era uma questão de adaptação, que ainda estávamos a habituar-nos um ao outro e que estávamos ambos a aprender a funcionar em equipa.



No dia em que viemos para casa o Matias mamou à meia-noite e depois disso passou toda a noite a chorar e a recusar-se a mamar. Passou-nos tudo pela cabeça: que ele estava a estranhar o berço, que estava com cólicas, que o tínhamos estimulado demasiado durante o dia, que estava com dores... Só não nos ocorreu que fosse fome. Afinal, ele recusava a mama.

De manhã fomos ao centro de saúde. De lá, fomos mandados para Santa Maria. O Matias estava muito mais magro, desidratado, hipoglicémico e prostrado, e tinha as análises tão alteradas que se ponderou seriamente interná-lo.

Foi, sem qualquer sombra de dúvida, o pior dia da minha vida.

Ainda no hospital iniciámos a fórmula e sugeriram-me que fosse comprar a bomba e tentasse tirar leite para perceber como estaria a situação. E eis que, uma hora a tirar leite depois, tinha no copo... Quatro gotinhas. True story.

Desde então o Matias continua a ser alimentado com fórmula e tem estado a recuperar bem o peso (demasiado bem até, porque já parece um leitãozinho!). Inicialmente tirava o meu leite com a bomba (na loucura ainda consegui tirar 30ml durante uma hora, embora o miúdo já mamasse 90ml...), eventualmente comecei a pô-lo à mama mas sem grandes resultados. Quatro dias depois, deixei de ter leite por completo.

E eu, que nunca romantizei a amamentação e que nunca me identifiquei com aqueles relatos heróicos de malta que continua a insistir no assunto depois de mastites e mamilos a sangrar, fiquei absolutamente destroçada.

Os comentários à minha volta também não ajudaram, e como se eu não estivesse já a sentir-me suficientemente inútil ainda tive que levar com bitaites do género 'coitadinho do menino, a tua mãe deixou-te a passar fominha não foi?' ou 'porque é que o metes na mama, não vês que não tens leite?'. Enfim. Respirar e repetir o mantra *as pessoas não fazem por mal* *as pessoas não fazem por mal* *as pessoas não fazem por mal* *as pessoas não fazem por mal* *as pessoas não fazem por mal*.

E pronto, aqui estamos. A minha tentativa de amamentar o miúdo com leite materno foi por água abaixo. Sinto-me muito mal com isso. Acho que não estava de todo preparada para as dificuldades que teria de enfrentar para amamentar. O Pedro tenta animar-me com o facto de poder voltar a beber gin tónico, mas confesso que até perdi a vontade (eu, que passei quase um ano a suspirar por gin!).

Decididamente preciso de fazer o luto às minhas mamas. E perdoá-las. E pensar que para a próxima pelo menos vou estar mais preparada. E ultrapassar aquela que é até agora a única parte menos boa de toda esta experiência. E beber gin.

53 comentários:

  1. Olá , passei pelo mesmo, sem tirar nem pôr, desce os ditos comentários no Hospital Santa Maria,... beijinho e tudo a correr bem.


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por acaso fiquei a achar que o apoio a nível de amamentação nos hospitais é francamente escasso :/ Por outro lado, as enfermeiras do meu centro de saúde têm sido impecáveis e até chegaram a vir cá a casa ajudar-me!

      Eliminar
    2. NOs hospitais esborracham as mamas, apertam-nos até gretarem basicamente e são frias ao ponto de nem uma palavrinha de conforto nos darem, digo eu...

      Eliminar
  2. Olá Joana, aconteceu-me exatamente o mesmo. Népia de leite, mesmo a tirar com a bomba.
    Ouvir que deixamos o bebé passar fome, ou que todas as mulheres têm leite é muito pior que a greta que tive por insistir com a miuda para mamar.
    Desconsidera os comentários e aproveita o teu bebé. Beijinhos pra vocês

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi mesmo uma situação trágica, estar ali com a bomba e no fim ver um fundinho de leite (nem isso!). Enfim :/

      Eliminar
  3. Passei por algo muito semelhante. É complicado principalmente quando não é uma escolha nossa, mas não fique zangada consigo não vale a pena. Só lhe faz mais mal. Pense que quer o melhor para o seu filho, acima de tudo. Ainda bem que hoje já existem as fórmulas, há opções. Também eu gostava de ter amamentado, mas não foi possível, o importante é que eles estejam bem, pense assim. Continua a ser essencial na vida do seu filho. A mãe é mais do que o leite.
    Eu sei que precisa de tempo, que é complicado, mexe com muita coisa num momento que é tão delicado, mas acredite ver o seu filho bem vai dar-lhe força.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tudo o que diz é verdade, e racionalmente eu sei disso. Mas depois é complicado gerir estas emoções todas. Enfim, eu chego lá eventualmente :)

      Eliminar
    2. Chega sim! :) É só preciso dar tempo ao tempo. Eu sei o quão complicado é, e como o parte foi recente ainda mais complicado é. Isto de ser mãe é complicado. É maravilhoso mas complicado.

      Não tenho uma visão romântica da amamentação, nem questiono a sua importância, gostava que tivesse sido possível, se voltar a ser mãe tento de novo, mas temos de ter calma, respirar fundo, não ficarmos zangadas com nós mesmas. Amamentar não é fácil e nem sempre é possível. Cada caso é um caso.

      Acho que quem não passou às vezes nem se apercebe do quanto é um assunto delicado. Joana seja sua amiga e cuide de si. :)

      Eliminar
  4. Oh pá, a tua história é uma cópia da minha primeira filha. Aconteceu-me exactamente o mesmo. Como ela adormecia pensávamos sempre que ela estava satisfeita. Até que um noite ela esgoelou-se toda, e decidimos dar-lhe o biberão. É uma sensação horrível quando lhe damos o biberão e percebemos que afinal aquele tempo todo estava cheia de fome. Nunca vou esquecer. Com o 2º já não se passou assim, tentei amamentar mas quando ele também não pegava bem na mama passei logo para o biberão. Muito menos stress para os dois. Felicidades.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito. O Mati estava tão cansadito que quando lhe demos o primeiro biberão nem reagiu :/ Mas agora já bebe como gente grande :D

      Eliminar
  5. Os obcecados da amamentação dizem que não há mulheres "com pouco leite", mas também é essa a minha experiência e também me senti a maior inútil e mesmo não querendo amamentar até ele ir para a universidade também me senti destroçada por ter durado apenas uns nanosegundos...
    E no meu caso o meu filho foi mesmo internado, mas na neonatologia continuaram a insistir que o meu leite chegava enquanto ele continuava cada vez mais prostrado e magro... Foram dias horríveis!
    Comento este post para que não te sintas sozinha...
    E há um sem fim de gente que dá palpites e para quem só existem mães se houver mamas com leite e isso é tudo uma grande treta... És a melhor mãe que o Matias podia ter (e ele não quer saber de onde vem o leite :D )!
    Um beijinho enorme

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os meus amigos já levaram todos com o recado para pararem de dizer às pessoas (principalmente os que são internos de medicina geral e familiar) que 'não há mulheres com pouco leite' ;) Lamento imenso pela tua experiência Magui :( Deve ter sido horrível :(

      Fizeste-me sorrir com a parte do 'ele não quer saber de onde vem o leite' :) Tens toda a razão :D

      Eliminar
  6. Para te animar.. o meu filho mais velho mamou(ou não) durante 15 dias!!! Ele chorava.. ele mal dormia.. só estava bem no meu colo.. enfim posso te dizer que aqueles 15 dias foram para esquecer! Fomos à consulta e ele ainda nem o peso com que tinha nascido tinha atingido!!! Demos imediatamente um biberão de LA e ele bebeu com tanta sofreguidão que só me apetecia chorar e pensar na fome que ele deve ter tido!!
    A mais nova assim que nasceu mamou como se nada fosse.. e assim se manteve até aos 22 meses!!!
    O que eu noto... e tu na volta mais notar se um dia tiveres outro.. é a informação.. o aconselhamento.. a tranquilidade do 2.º... isso ajuda muito. Todas conseguimos amamentar.. umas mais tempo que outras.. mas todas conseguimos.. com ajuda e calma.
    Não te martirizes.. pensa apenas.. ele agora come e dorme estamos os dois bem!
    Um beijinho e parabéns

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, cada filho é diferente. Para a próxima sei que vou estar muito mais alertada para estas questões :) Já levo os mamilos de silicone para o hospital, talvez comece logo a tirar leite para estimular... Enfim, o que interessa é que está tudo bem de facto :)

      Eliminar
  7. Passei pelo mesmo, estou solidária contigo. Para fazer o luto das minhas não deixei ninguém dar-lhe o biberão, chamem-me egoísta mas no meu consciente a amamentação era o momento que ele era só meu e tirarem-me isso depois de deixar de ter leite até me vinham as lágrimas aos olhos e depois havia esses comentários, que apesar de não serem por mal, acertavam no ponto fraco. Expliquei ao Fábio e ele entendeu e nunca me pediu para lhe dar o biberão, quando me senti preparada para passar essa tarefa disse-lhe, foi aí que o luto acabou Lolol

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por acaso eu acho muito bonito ver o Pedro dar-lhe o biberão também :D Mas percebo, às vezes temos aqueles momentos em que queremos os filhos só para nós :D :D :D

      Eliminar
    2. Não deixei ninguém para além do pai. Nem mae, nem sogra...

      Eliminar
  8. Também passei pelo mesmo da minha mais velha...desde a bomba até ao "desespero". Desisti e passei ao biberão. No meu mais novo alguém me disse na maternidade para experimentar com tetinas de silicone no peito. Mamou até aos 9 meses do leite materno.
    Portanto também compreendo...
    Felicidades ....
    Bjs Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também experimentei os mamilos de silicone e até correu bem. Mas depois deixei mesmo de produzir leite e assim nos mantemos até agora :/

      Eliminar
  9. Ola joana, o meu bebe era exactamente igual ao teu! Nao pegou na mama ao inicio, e adormecia facilmente na mama...so que no hospital faziam lhe o teste à glicemia e os valores estavam sempre optimos, mesmo mamando pouquissimo...resultado o pediatra nao me deu alta enquanto o rapaz nao me pegou na mama...valeu me o esforço e dedicação das enfermeiras que estiveram sempre de volta de mim para que ele agarrasse no peito e mamasse, vim para casa com ele a mamar, mas a verdade é que estava sempre uma hora com ele no peito quando era hora de comer, era cansativo, mas via o meu filho a engordar todos os meses 1kg ou mais que valeu a pena o esforço...mas que foi desgastante foi e louvo a tua persistencia porque tambem passei pelo mesmo, mas a verdade é que nem todas as maes conseguem ter leite para amamentar e aqui o importante é que o bebe fique satisfeito, quer seja com o leite materno ou não e pensa como o Pedro...assim podes beber a vontade sem culpas :) eu consegui ate aos 8 meses e meio e foi ele que quis fazer o desmame naturalmente...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por acaso nesse aspecto sinto que as coisas podiam ter corrido muito melhor. Não tive grande apoio a nível hospitalar, só no centro de saúde depois do episódio da urgência :/

      Eliminar
  10. Joana...nem tive subida ou descida de leite, nem uma gotinha, nem o clostro....nada de nada. Nasceu e bebeu logo LA!!! Felizmente não ouvi comentários de qualquer espécie!!! FORÇA!!!

    ResponderEliminar
  11. Fazer o "luto" e beber gin parece-me uma excelente ideia...eu passei por uma situação parecida mas com o segundo...depois de ter amamentado o primeiro em exclusivo até aos seis meses e depois até aos 16...tendo leite para dar e vender...com o segundo por achar que tinha que ser assim também, martirizei-me a mim e a ele que não conseguia mamar muito bem até quase aos quatro meses...depois mandei tudo às urtigas, inclusivamente as pessoas que não sabem estar caladas...e sem stress, passei a sentir-me melhor mãe...e ele também cresce...

    ResponderEliminar
  12. Querida Joana, estou a rever-me na situação há 15 anos atrás... a última criança na família tinha sido eu, o meu filho nasceu com 4.470 kg e uma bocarra enorme que chorava dia e noite, e eu também chorava que nem uma madalena. A nossa diferença é que eu sonhava amamentar muito, acho bonito! Mamou 11 dias apenas. Há 5 anos tive uma menina que mamou 15 dias e, qual o problema? Nenhum, não fui feita para dar leite. O nosso problema é, e as defesas, e a saúde no futuro?? Pois aí será como Deus quiser, os meus filhos hoje com 15 e 5 anos brotam saúde e alegria e agora penso que a minha inexperiência e as dúvidas que tive foram infundadas. Aproveita, relaxa, mima muito o Matias, dá biberão com fartura a esse bão!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E aqueles estudos todos que li durante o curso e que relacionam o aleitamento materno com a mais variada quantidade de coisas, como se o miúdo alimentado à mama fosse para a NASA e assim estivesse a condená-lo ao fracasso? :P

      Eliminar
  13. Olá Joana, percebo muito bem o que sentes... devemos ser muitas assim (se é que isso pode consolar de alguma forma). A minha filha também perdeu muito peso inicialmente e só muito mais tarde é que percebi que era fome e que não tinhamos atinado ainda com a amamentação. Passei um bocado bem exdrúxulo durante 1 mês e meio mas depois as coisas melhoraram. Ouvi de tudo mas o que ouvi mais foi "não amamentes" ou "deixa de amamentar", "deixa-te disso, não amamentes mais, assim nem consegues perceber quanto é que ela mama", "o teu leite pode ser fraco, pode não alimentar a criança como deve de ser", "credo isso dói tanto, mas porque é que te submetes a isso? Dá-lhe fórmula e pronto.". Não sei bem porquê mas, principalmente na geração dos meus pais e sogros, o que ouvia mais era isto. Cometi muitos erros e não percebia nada daquilo mas, para bem da minha sanidade mental, deixei o meu mau feitio fluir e deixei bem claro que dispensava grandemente opiniões alheias. As pessoas que se poupassem porque, teimosa como sou, haveria de fazer como achasse melhor e pronto, de modo que podiam remeter-se ao silêncio.
    O que interessa é que o teu bebé esteja bem e tu também que vivam estes momentos com toda a alegria que eles merecem. E... aproveita para beber gin. Quando deixei de amamentar ainda aproveitei uma semana ou duas para beber um bocadinho de vinho tinto e sangria (tinha tanta vontade). Mas, fiquei tanto tempo sem beber, que bebia meio copo e já me sentia tonta e disparatada. :D Vá fiquei económica.
    Depois decidimos engravidar novamente e já não bebo álcool há anos... Creio que daqui a uns 2 ou 3 anos terei o prazer de comer um belo sushi acompanhado de sangria branca bem fresquinha. :P Também gosto de fazer planos a longo prazo. :D
    Muitas felicidades e muita força.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Inicialmente só ouvia comentários a incitar-me a amamentar (e ainda bem, note-se), mas depois vieram esses. Eu até encaixo bem as opiniões alheias (leia-se ignoro), mas este tema é mesmo sensível.

      Os planos a longo prazo são os melhores :D Assinado: pessoa que já anda a planear a viagem à Lapónia quando o miúdo tiver cinco anos porque acha que é nessa fase que ele devia ver o pai Natal :P

      Eliminar
  14. Deixa lá, não é por isso que és melhor ou pior mãe. A minha mãe, de mim, só amamentou no primeiro dia. Para além de quase não ter leite, os mamilos gretaram de tal forma que ainda hoje ela diz que lhe custou muito mais isso que os partos naturais dos meus irmãos. Passei para fórmula mas eu não gostava de nenhum (ainda hoje não gosto de leite lol). Conclusão: com sete dias de vida, o pediatra disse à minha mãe para me dar sopa (eu tinha de ser alimentada e com leite a coisa não ia a lado nenhum). E assim foi, com sete dias comecei a comer sopa. Hoje, com 30 anos, sou uma pessoa saudável, nunca tive grandes problemas de saúde - nunca parti um único ossinho e eu sou daquelas pessoas que passa a vida a cair e a ir contra as coisas - e sou bastante ligada à minha mãe. Não sou mãe, mas sou filha e não posso ter tido melhor mãe que a minha, que só me amamentou um dia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O teu comentário fez-me pensar que outra das coisas que a malta costuma dizer (nunca me disseram a mim, mas já ouvi por aí) é que se os bebés têm fome vão acabar por comer. O que está errado, como se pôde ver pela minha experiência e pela tua :) Nunca conheci ninguém com uma história assim, até é caricato :)

      Eliminar
  15. Olá Joana,
    Já relatei aqui o meu caso, que também foi semelhante ao teu. Eu até tinha leite, mas a minha princesa nunca conseguiu fazer bem a pega, fiquei com os mamilos em sangue. Acabei por ficar sem leite ao fim de alguns dias, porque também não consegui tirar com a bomba, pois doía-me imenso e não saía quase nada. Sofri imenso nesses dias, mas hoje ela está óptima e bem gorducha :).
    Na altura, também ouvi comentários idiotas, mas, curiosamente, só de médicos e enfermeiras, o que não ajudou em nada a melhorar a situações. A pérola do nenonatologista "Com os milhões de bébés que já nasceram neste mundo, porque é que é só a sua que não consegue mamar?". Felizmente, a minha família e amigos nunca fez esse tipo de comentários. A minha mãe passou o mesmo comigo, mas conseguiu dar a volta com os mamilos de borracha, que havia na altura...os de silicone a mim não ajudaram, bem pelo contrário. Depois de passar por isso e ler nos blogues e sites de maternidade é que percebi que muitas mamãs passam pelo mesmo e senti-me um bocadinho menos sozinha e incompetente. Cada caso é um caso, lá está. Não nos podemos culpabilizar até à exaustão por isso.
    O importante é aproveitares todos os momentos com o teu filhote :D!!! Ele está bem, é o que importa :)!!!
    Beijinho grande

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esse comentário do neonatologista é uma violência O.o

      Eliminar
  16. Joana, também me aconteceu exactamente o mesmo nos dois primeiros filhos, a minha primeira filha chegou a bolsar sangue..enfim, desisti passado uma semana. No 2º, em que eu já estava a ver o filme todo, apesar dos palpites das senhoras enfermeiras que teimavam que eu devia insistir, só quis foi chegar a casa para lhe passar a dar o biberão e foi uma paz. No terceiro fui eu que insisti e insisti e insisti e consegui, mas com muito sofrimento à mistura, que ele mamasse até aos 14 meses. Mau mau, foi o primeiro mês, a partir daí começou a normalizar. No 4º e último :)foi muito mais pacífico, mamou até aos 16 meses e tudo correu lindamente. Mas sabes uma coisa? Ele tem agora 4 anos, tem tido sempre imensas complicações respiratórias decorrentes das viroses e constipações e fez na semana passada análises ao sangue pela primeira vez. Tem o índice das alergias altíssimo e as defesas em baixo...coisa que nunca aconteceu com nenhum dos outros.Portanto, não vale a pena ir atrás de mil e um estudos e teorias, o que vale é ouvir a nossa intuição e ouvir o que o nosso bébé nos está a dizer, e isso o nosso coração ouve, se não houver demasiado ruído em volta. O resto é só o resto e não vamos conseguir controlar o futuro, por mais que gostássemos de o fazer. Aproveite muito cada minuto porque passa num instante. Não é menos mãe quem faz uma cesariana como não é menos mãe quem não amamenta. Beijinhos e felicidades :)

    ResponderEliminar
  17. Eu tinha exatamente o mesmo problema com a forma do Mamilo, mas na altura o meu obstetra falou-me logo nos mamilos de silicone porque achou que seria dificil era fazer a pega. Levei os mamilos de silicone comigo para o hospital, quando ele nasceu a enfermeira tentou e foi da mesma opinião (seria muito dificil ele pegar). Comecei logo com os mamilo de silicone e foi tiro e queda. amamentei até aos 8 meses.

    Tenho quase a certeza que se não me tivessem falado dessa solução eu iria desistir, ela não ia pegar, não ia conseguir mamar e eu mandava tudo às urtigas.

    ResponderEliminar
  18. Olá Joana! Este é o primeiro comentário que te faço, depois de vários anos a seguir o teu blog! Ainda tive a esperança de termos bebés ao mesmo tempo, mas não aconteceu. A minha bebé já tem 10 meses! :)
    Comigo aconteceu exactamente o mesmo que tu. Tirei com a bomba 4 meses, depois de várias semanas no início a tirar só 30ml... Foi um bocado frustrante, mas pelo menos tentei até ao fim. Depois de muito insistir lá conseguiu beber só meu aos 4 meses e depois como regressei ao trabalho fui deixando de tirar.
    Que continue tudo a correr bem convosco!
    (fazer férias com bebés não são entrave nenhuma! Desde que faças comidinha para o bebé. Nós levamos a nossa bebé a cabo verde com 6 meses. Com ela levamos o babycook pk não sabíamos se o hotel tinha comida para bebés. Fomos ao restaurante pedir legumes e todos os dias iam ao quarto levar!)
    Ana Cunha

    ResponderEliminar
  19. Olá Joana! Este é o primeiro comentário que te faço, depois de vários anos a seguir o teu blog! Ainda tive a esperança de termos bebés ao mesmo tempo, mas não aconteceu. A minha bebé já tem 10 meses! :)
    Comigo aconteceu exactamente o mesmo que tu. Tirei com a bomba 4 meses, depois de várias semanas no início a tirar só 30ml... Foi um bocado frustrante, mas pelo menos tentei até ao fim. Depois de muito insistir lá conseguiu beber só meu aos 4 meses e depois como regressei ao trabalho fui deixando de tirar.
    Que continue tudo a correr bem convosco!
    (fazer férias com bebés não são entrave nenhuma! Desde que faças comidinha para o bebé. Nós levamos a nossa bebé a cabo verde com 6 meses. Com ela levamos o babycook pk não sabíamos se o hotel tinha comida para bebés. Fomos ao restaurante pedir legumes e todos os dias iam ao quarto levar!)
    Ana Cunha

    ResponderEliminar
  20. Olá, Joana, cá estou eu outra vez... A minha neta mamou até aos seis meses e, ao contrário do Matias, sempre recusou biberão ( e tb chucha). A mãe foi submetida a uma cirurgia qdo ela tinha seis meses e ficou sem poder amamentar. Biberão, nem vê-lo! Falamos com a médica e a alternativa foi... Leite à colher! De modo que passou uns bons meses a beber um biberão de leite... à colher! E sobrevivemos! O segredo de ter filhos, cuidá-los, educá-los , está em desdramatizar! 😊

    ResponderEliminar
  21. Olá , Joana, cá estou eu outra vez! A minha neta mamou até aos seis meses e , ao contrário do Matias, sempre recusou biberão ( e chucha) . A mãe , qdo ela tinha seis meses, foi sujeita a uma cirurgia, pelo que teve que deixar de amamentar. A solução foi dar-lhe leite .... à colher! Durante meses, bebeu cada biberão de leite à colher! E sobrevivemos! O segredo de educar filhos, cuidá-los, amá-los está em Desdramatizar!��

    ResponderEliminar
  22. Oh joana :( o importante é que o Matias esta bem e alimentado! Ja bem bastava no tempo dos nossos bisavos em que não havia nenhum deste controlo nem leites adaptados.
    Beijinho*

    ResponderEliminar
  23. Ola Joana, compreendo-te bem, pois também eu tenho sofrido imenso com o facto de ter pouco leite, e o pior de tudo é mesmo essa sensação de que somos "culpadas" disso, que mesmo sabendo que é um grande disparate, por vezes sinto-me assim...para além disso tenho tido sempre os mamilos gretados e fiz uma mastite com abcesso, o qual teve que ser lancetado (das coisas mais dolorosas por que já passei). Já tive que dar LA, e ela também mamou como se não houvesse amanhã, senti-me super mal a pensar que ela pode ter tido muita fome, sofri tanto para amamentar e mesmo assim continuo com pouco leite. Também me senti um pouco revoltada com os comentários, mas principalmente com essa história de que não há mulheres com pouco leite e de que quanto mais estimularmos mais leite temos, a verdade é que a minha filha pega bem na mama, sempre pegou e mesmo assim, não tenho mais leite! Também estive imenso tempo com a bomba a tentar retirar e o resultado: 30mL!!Da minha primeira filha tive tanto leite que quando tomava banho parecia que tinha uns repuxos nos peitos, agora é assim, vai-se lá saber porquê...o que me dá força é conhecer muitos casos de crianças saudáveis alimentadas com LA, sem dúvida que é o melhor o LM, mas não é o fim do mundo, e termos saúde e tranquilidade nesta fase inicial também é muito importante para nós e para os nossos filhotes! Muita força e aproveita bem esta fase, eles crescem depressa demais! Mts bjs

    ResponderEliminar
  24. Já ouvi vários relatos de mães que, infelizmente, não conseguiram amamentar. Sei que, se acontecer comigo, ficarei muito triste, por isso entendo como te sentes. Mas o que importa é que fizeste tudo o que estava ao teu alcance... Ele está bem alimentado e o susto já passou, e isso é o mais importante.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  25. O Matias está bem, logo a mãe dele também está :)

    Vai lá beber gin, só não demasiado que depois o pobre do Pedro tinha duas "crianças" para aturar :p beijinhos!

    ResponderEliminar
  26. A minha mãe também não tinha leite e eu e a minha irmã crescemos bem :-) Não te culpabilizes por uma situação que não podes controlar e não depende de ti.
    Adorei a expressão "luto às minhas mamas". Ah ah

    ResponderEliminar
  27. Não sou mãe nem percebo muito deste tema, mas pelo que li nos comentários posso dizer que os profissionais de saúde e as pessoas em geral deviam ser mais sensíveis. As mães já se sentem mal pela situação, não são obrigadas a ouvir comentários ridículos. Não se pode generalizar e dizer que o nosso caso é o único em que algo correu mal. Como se pode ver por esta caixa de comentários, o que não faltam são exemplos de episódios menos positivos.

    ResponderEliminar
  28. Este é um assunto com o qual já tenho perdido algum tempo em pesquisas - que no fundo não me levam a lado nenhum.
    Estou grávida e daqui a umas semanas vou ter a minha bebé. Sempre pensei em amamentar (até estou a fazer o desmame de uma medicação). Contudo estou com um grande medo de não o conseguir: as minhas mamas nunca me doeram e não estão significativamente maiores - parece que não acontece nada neste departamento.
    Resta-me esperar que as coisas corram bem e ficar calma se as coisas não correrem como o esperado - fundamentalismos não levam a lado nenhum e só nos resta "descomplicar".

    Beijinhos e força com o gin ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nao sou a Joana mas queria comentar sobre as mamas vs leite.

      Meu filho tem 5 semanas. As minhas mamas nao mudaram nada durante a gravidez e nao Tive dores. O meu plano nao era amamentar e entre outras razoes pensei q o facto de nao terem mudado era sinal de q na teria leite. Mas tive e tenho muito leite por isso acho q nao tem muito a ver.

      (Desculpa a falta de acentos. Teclado ingles)

      Bjnho

      Eliminar
  29. hoje decidi comentar, porque comigo foi tal e qual, acho que com virgulas e tudo :-). Mas pronto, aconteceu, só amamentei uma semana e depois secou completamente (nem sabia que podia acontecer assim tão rapido). No segundo filho tentei novamente, com uma pressão enorme na maternidade, e cheguei a casa e nicles outra vez.Mas aí já estava mentalizada. Mas olha tenho 2 rapagões lindos que são a minha vida. Também ouvi coisas fantasticas, mas pronto....o que vale é que só o sorriso deles vale para esquecer isso.

    ResponderEliminar
  30. Porque é que não internaram o Matias?

    (há alguns hospitais "especializados" em aleitamento materno... pelos vistos não é o caso do HGO e HSM).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por acaso ambos os hospitais incitam bastante o aleitamento materno. Lá porque o meu caso correu menos bem, não quer dizer que possamos ou devamos fazer esse tipo de generalizações.

      E não vejo porque deveria discutir as decisões clínicas feitas em relação ao meu filho, muito menos aqui.

      Eliminar
    2. "Por acaso fiquei a achar que o apoio a nível de amamentação nos hospitais é francamente escasso :/ Por outro lado, as enfermeiras do meu centro de saúde têm sido impecáveis e até chegaram a vir cá a casa ajudar-me!"

      Incitar o aleitamento materno não é apoiar no aleitamento materno.

      (não estou interessada em discutir decisões clinicas acerca de ninguém... Uma resposta como "não tinha criterios que o exigissem", ou "não quisemos", ou uma outra resposta qualquer, poderia ser dada sem recorrer à exposição do diário clinico do Matias :) )

      Eliminar
  31. A minha mae teve tres filhas e nao conseguiu amamentar nenhuma. Diz que nao pegavamos bem a mama e que nao tinha leite. Mas acho que nunca se culpabilizou por isso. É algo que acontece com frequencia. A minha mae é a melhor mae do Mundo e nos somos adultas saudaveis. Nao te sintas triste, porque nao poderias ter feito nada. O importante é que o Matias esteja saudavel. Tenho certeza que seras a melhor mae que ele poderia ter. Beijinhos

    ResponderEliminar
  32. Cada caso é um caso. Que ninguém julgue ninguém. Há 19 anos fui mãe e o dar de mamar foi um desafio e teve de haver uma habituação, mas muito depressa "encaixamos" e dar de mamar é das melhores sensações que conheço.

    Nada de dramas, todos e todas fazemos o melhor que sabemos, que podemos, que julgamos ser melhor! Não tens de te sentir mal, mas as tuas circunstâncias são as tuas e que ninguém venha dar palpites e censurar, disfarçados de bons e bem intencionados conselhos.

    Muitas felicidades para vós, tudo a correr bem e um beijinho

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />