6 de março de 2016

Pregnancy Diary #86

Já recebi alguns mails a pedir dicas sobre viajar enquanto se está grávida.

Sinceramente não me parece que seja a melhor pessoa para falar sobre o assunto porque não viajei assim tanto até agora, mas desde que vi bloggers a publicitar produtos médicos já acredito em tudo e até me sinto uma doutorada nisto nas viagens durante a gravidez (pronto, desculpem, eu prometo que a partir de agora me calo com isto - mas fiquei mesmo aborrecida com a tremenda falta de responsabilidade e ética e a gravidez deixa-me desfrontalizada).

Ora, viajar enquanto grávida é perfeitamente possível e pode ser feito sem qualquer risco. No entanto, e como é óbvio, é preciso ter algum cuidado.



Viajar de avião

Antes de mais, e no caso de uma gravidez normal, não há qualquer contra-indicação em viajar de avião até às 36 semanas de gestação (32 no caso de gravidez gemelar). No entanto, a maioria das companhias aéreas pede uma declaração médica a partir das 28 semanas - e creio que há algumas que não permitem viajar a partir das 34.

Antes de viajarem, há algumas coisas a ter em conta. A primeira, na minha opinião, é saber como são os cuidados de saúde no local que vão visitar e, se necessário, fazer um seguro de viagem. Quando fui para Nova Iorque optei pela World Nomads e fiquei satisfeita com os procedimentos (não sei se é um bom seguro ou não porque felizmente não precisei de o usar, mas já tinha lido boas opiniões sobre eles). Depois, o melhor é fazerem um levantamento dos hospitais mais próximos do local onde vão ficar hospedadas. Por fim, nunca se esqueçam de perguntar ao vosso médico assistente se estão autorizadas a viajar e se há algum cuidado específico a seguir no vosso caso.

(Se viajarem para a Europa podem sempre fazer o Cartão Europeu de Seguro de Doença, que também cobre os cuidados da grávida.)

Nunca se esqueçam de levar muuuuita água para o avião. Eu levei um litro e meio para as cinco ou seis horas de viagem até Nova Iorque, e sinceramente teria bebido ainda mais se tivesse levado. O ideal é ficarem num sítio junto ao corredor, para conseguirem ir com facilidade à casa-de-banho e fazer pequenos passeios.

No meu caso, tentei estar constantemente a mexer os pés e as pernas. Levantava-me frequentemente, dava uns passeios, ia à casa-de-banho, fazia alongamentos, etc. Senti-me bastante confortável durante a viagem. O cinto do avião não me incomodava porque ainda estava de dez semanas de gestação, mas o ideal é ser colocado abaixo da barriga para um maior conforto. Também levei comidinha para o avião, o que é sempre boa ideia :)

Evitem beber bebidas com gás ou ingerir alimentos que vos façam ficar mais aflitas nesse sentido. A gravidez em si já aumenta a produção de gases, o avião também... Enfim, digamos que não é um cenário agradável :D

Viajar de carro ou de comboio

No fundo, aplicam-se as mesmas directrizes. Explorar bem o local onde vão previamente, saber onde são os hospitais e se há urgência obstétrica, levar muita água para a viagem e vestir roupinha confortável. Parar frequentemente (no caso do carro) para esticar as pernas e dar pequenos passeios também é muito importante.

No meu caso, viajar de carro (creio ainda não ter viajado de comboio) tornou-se rapidamente muito desconfortável. Não tenho posição, doem-me as pernas, fico rabugenta, um filme. Tenho optado por baixar o banco (fico aí a uns 45 graus) e ajuda bastante :)

Cuidados a ter nos locais

Viajar grávida é diferente de viajar sem estar grávida, por isso planeiem de acordo com isso. Façam passeios mais curtos, com mais pausas para descansar e comer e mais tempo para dormir.

Em Nova Iorque tentávamos sempre acabar o nosso programa diário por volta das cinco da tarde, hora em que eu ia para o hotel e a Joana e o Bernardo se perdiam nas compras. Assim eu descansava antes do jantar e não os empatava :) Dormíamos sempre bastante também, entre oito e nove horas por dia.

A mim ajudou-me bastante levar o creme frio para as pernas cansadas (a dada altura todos nós nos besuntávamos com aquilo antes de dormir, o que deixava o quarto com um cheiro super intenso a menta). Na altura não precisei, mas sei de pessoas a quem também ajuda tomar medicação específica para as cãimbras.

Em relação à comida, não sou de todo a pessoa mais indicada para mandar bitaites. Sempre comi de tudo sem grandes preocupações em casa, e não deixei de o fazer noutros locais. Como em Nova Iorque sentíamos imensa dificuldade em encontrar fruta fresca, mal esbarrei num café ao lado do nosso hotel que fazia smoothies na hora comecei a entupir-me daquilo ao pequeno-almoço, e na verdade não sabia se a fruta estava bem lavada e lá lá lá.

(Pausa para ir buscar um queque porque falar daqueles smoothies do céu abriu-me o apetite.)

Cada um tem as suas paranóias, e a comida não é a minha. No entanto, é perfeitamente possível comerem com segurança e diversidade na grande maioria dos sítios, desde que sigam os cuidados que normalmente têm no vosso local de origem. É boa ideia andarem sempre com comida convosco e pararem com frequência para comer :)

Andem também com garrafas de água e carreguem os vossos companheiros de viagem com elas (na dúvida, o 'estou-grávida-beicinho' costuma derreter até o mais frio dos corações). Tentem não andar com muito peso convosco, e abusem dos bengaleiros dos museus para deixarem toda a tralha de que não precisem.

Não se inibam de pedir informações a alguém. No aeroporto passámos por uma espécie de máquina gigante de raios-x, e antes de passar perguntei à segurança (que por acaso foi incrivelmente querida) se poderia passar ali estando grávida. Se estiverem a sentir-se mal por alguma razão, peçam sempre ajuda e não se esqueçam que deitar no chão e levantar as pernas continuam a ser uma das formas mais eficazes de subir a tensão arterial :)

Eu evito visitar locais fechados, barulhentos e com uma má ventilação (como, por exemplo, bares e discotecas). Lá está, eu disse que cada um tinha as suas paranóias, e a minha é esta (juntamente com o álcool) :)

No fundo, não há razão para uma viagem ser menos divertida ou relaxada porque estão grávidas. É apenas uma questão de se adaptarem um pouco :)

Travelling while pregnant - Pregnancy Travel Tips:

Creio ter coberto a maioria das dúvidas que me colocam, mas se tiverem mais alguma é só dizer :) Daqui a uns meses espero poder já fazer uma publicação com dicas para viajar com bebés pequenos :D :D :D

10 comentários:

  1. Até ia comentar o post anterior, mas não consegui, não sei se desativaste essa opção naquele post em específico ou é algum erro do meu PC. Mas é gravíssimo o que mencionas, como é que há pessoas que por alguns trocos podem colocar em risco a vida de outras pessoas (sim é um risco para a vida das pessoas que se deixem influenciar por essa publicidade e adoptem essas práticas). Quanto a este post, é muito útil e ponderado, como só tu sabes descrever. É muito bom podermos continuar a viajar grávida e com os nossos nenucos pequenos, temos é que ter em conta toda uma preparação pré-viagem que não teríamos que ter aquando das viagem só de adultos. Gostei das dicas. Beijinhos***

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desactivei a opção no post, foi mais um desabafo do que outra coisa ;)

      Sim, é perfeitamente possível viajar grávida ou com bebés pequenos. Há que ter os cuidados necessários, mas é possível :)

      Beijinhos e boa semana :D

      Eliminar
  2. Conheces isto, Joana? :) Achei que ias achar graça. Um beijinho,
    Inês

    ResponderEliminar
  3. É por isso que gosto imenso de vir aqui ao teu blog. A maneira como escreves é tão simples e nada de palavras "caras", ficamos a entender tão bem as coisas. Só espero que com a chegada do teu princípe, que não desapareças da blogsfera e do teu maravilhoso blog :)
    Beijinhos,
    Espero por ti em:
    http://strawberrycandymoreira.blogspot.pt/
    http://www.facebook.com/omeurefugioculinario

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada :D

      Também espero continuar a ter tempo (e vontade!) ;)

      Beijinhos :)

      Eliminar
  4. http://lifestyle.sapo.pt/familia/especiais/cronicas-teresa-serrano - e, feita parva, esqueci-me do link.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ups, os pastéis de nata também nunca me souberam tão bem! :D :D :D

      Está muito giro, obrigada por teres partilhado :) Identifico-me perfeitamente com a maioria destas coisas :P

      Eliminar
  5. Olá Joana!

    Eu tenho uma amiga que está grávida de seis meses (quase sete) e que vai para as Maldivas para a semana que vem... Já a tentámos elucidar que aquele local não é bem a Europa ou os EUA e que a assistência médica pode não ser a melhor, mas ela insiste em ir...
    Estarei a pensar de forma errada e a ser um pouco paranóica?

    Beijinho, Catarina

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem, não era de facto algo que eu faria. Não porque as Maldivas sejam propriamente um local 'perigoso', mas porque a viagem de avião é puxada e, acima de tudo, o acesso aos cuidados de saúde é complicado (e os que há não são propriamente a melhor coisa de sempre). Há hotéis nas Maldivas que têm médicos disponíveis, mas nunca é a mesma coisa do que estar perto de um hospital... Mas cada um faz as suas opções, e certamente que a tua amiga está a ter em conta esses factores :) Ela, mais do que ninguém, quer o melhor para ela e para o seu bebé :)

      Eliminar
    2. Compreendo o que dizes e essa é a opinião que partilho... obrigada pela tua resposta! :)
      Beijinho

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />