24 de agosto de 2015

Cookies de avelã e chocolate (paleo, sem glúten, sem açúcar) para uma viagem :)

Onde não há prazos nem obrigações, não há debates nem Euromilhões.
Onde o sol eleva e a frescura acata, sem consulta ao homeopata.
Onde a cura é sem vacina e a cardina é sem pesar,
Por lagoas e colinas vê-se a lágrima a secar.
Dá o vento na cara, e nada nos pára, nada nos pára.

Mergulhar mãos no volante e adiante, para qualquer lugar.
Vidro aberto, rádio alto, no asfalto sem apoquentar.
Saborear o mar, as serras, cobrir-me de pó e geada,
Roer o osso desta terra na vida de estrada.

Diabo na Cruz




Desde o início que o Pedro foi muito honesto comigo - ele gosta de viajar, mas não tanto como eu. Gosta de conhecer locais novos, mas não sente aquela urgência de fazer as malas e partir pelo mundo que eu tenho cravada na alma. Por isso, fizemos um acordo: todos os anos fazemos duas viagens juntos e as viagens restantes eu faço sozinha, com os meus amigos ou com a minha família.


Depois da nossa viagem ao Brasil e de uma mini-passagem por Vila Real em congresso, este ano tínhamos decidido fazer uma pequena road trip pelo Douro. Vai daí, mergulhámos as mãos no volante num fim-de-semana quente de Agosto e fomos conhecer mais do nosso lindo país.

 

Foram apenas três dias, mas pareceram muitos mais. Tudo parecia movimentar-se em câmara lenta, a acompanhar o ritmo do rio e da vida no campo. E nós deixámo-nos perder no meio das vinhas, do cheiro a enchidos, das amoras silvestres, das pernas arranhadas pelas silvas e das vistas sem fim para o rio e os montes.


'Era uma vez dois bonecos de Lego. Partiram à descoberta do mundo lá fora, e pelo caminho encontraram-se um ao outro.' - pode ler-se nos nossos convites de casamento, numa referência romântica a uma história que o Pedro me escreveu um dia. E é isto que sentimos quando viajamos juntos: a descoberta do mundo, mas também um do outro.


Connosco na viagem vieram também estas cookies de avelã, indispensáveis para encher a barriga e a alma nas longas horas de estrada. E também elas têm o seu papel na história de mais uma descoberta :)


Cookies de avelã e chocolate (paleo, sem glúten, sem açúcar) (receita adaptada do blog 'Ambitious Kitchen')

Ingredientes (para dez cookies):

* Meia chávena de manteiga de avelã caseira (receita aqui);
* Três colheres de sopa de mel;
* Um ovo;
* Uma colher de chá de essência de baunilha caseira (receita aqui);
* Um quarto de colher de chá de bicarbonato de sódio;
* Uma pitada de sal;
* 100g de pepitas de chocolate;
* Oito colheres de sopa de polvilho doce.

Confecção:

* Misturar a manteiga de avelã, o mel, o ovo e a essência de baunilha e acrescentar o bicarbonato, o sal, as pepitas de chocolate e o polvilho doce;

* Refrigerar a massa durante cerca de vinte minutos e, com o auxílio de uma colher de sopa, formar bolachas sobre um tabuleiro coberto com papel vegetal;

* Levar ao forno pré-aquecido a 180º durante quinze minutos;

* Deixar arrefecer sobre uma grade.





Logo começo a mostrar-vos as fotos! :D

4 comentários:

  1. Acho que não há muita gente que goste tanto de viajar como tu (ou que o saiba) :) e mesmo assim 2 vezes por ano é bastante - talvez não para uma devoradora de viagens, mas para uma pessoa normal :P
    «Road trip» soa muito bem, a aventura de BD :P
    Foste capaz de romantizar o cheiro a enchidos, não acredito ;) a descrição lembrou-me no percurso inicial das minhas corridas - cheio de videiras, frutos pendentes (nomeadamente uvas :P) e cheiro a churrasco (nomeadamente salsichas grelhadas OU peixe, que ainda é pior). A sério, acho que há por aí alguém que tem um churrasco permanente. :P
    (Mas não há rio, a não ser que uma ponte de 1 metro toda podre a passar por um pedaço de água conte :P que pena!)
    Deve ter sido muito bonito :) tem tudo para isso! E a descrição ajuda à opinião :)
    Lembro-me dessa linha dos convites! É giro :) não sabia que tinha uma história por trás (literalmente!) :)
    Essas «cookies» (acho piada a que tenhas usado mesmo a palavra «cookies», a palavra tem-se popularizado na resistência à tradução :) e acho que ainda soa melhor, nalguns casos! Nas de Natal não, tem mesmo de ser «bolachinhas» :D) estão mesmo apetitosas! Massivas e bonitinhas :) e a fugir para o gigantesco, característica essencial de bolachas que se prezem :D
    (Não fiquem tristes, mini oreos, também são adoráveis :P)
    São as pepitas da Vahiné? Só conheço essas que tenham brancas :) devia haver à venda só brancas, fica giro :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sou mesmo viciada em viajar :D :D :D

      São as pepitas da Vahiné sim :D Depois da Feira do Livro fiquei com imensas cá em casa e passado um ano ainda ando a gastar o stock :P

      Eliminar
  2. As tuas cookies tem sempre um aspecto fenomenal! Beijinhos

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />