8 de julho de 2015

Lombinho de porco no tacho com molho de laranja e açafrão e um truque revelado :)

'I have not failed. I've just found 10000 ways that won't work.'

- Thomas Edison




Quem por aqui passa pergunta-me por vezes qual foi o segredo para eu ter conseguido transformar-me de uma naba que nem sabia cozinhar um bife para uma miúda com um blog, um livro e uma data de receitinhas na cartola.

E, na verdade, não há propriamente uma resposta simples.


Há sensivelmente oito anos que comecei a cozinhar. Desde então li, pesquisei, aprendi, testei, experimentei, inventei, criei, acertei, falhei e cresci. E diverti-me muito pelo caminho.

No entanto, creio que uma das dicas mais importantes para quem quer consolidar o seu conhecimento culinário é esta: ter uma bibliografia sólida.

Antes de terem confiança para adaptar e inventar receitas, é normal que se sintam mais confortáveis a seguir as receitas que vão encontrando nas mais variadas fontes. Vai daí, é importante basearem-se em bibliografia de qualidade, com resultados concretos e comprovados.


Eu tenho os meus truques. Adoro a Saveurs, esse pecadinho francês que chega à minha caixa de correio todos os meses e que devoro em dois minutos. Sigo bons blogs. Estudo bem as fotos, a lista de ingredientes e os métodos de confecção antes de me atirar de cabeça para algo novo. Leio comentários de outras pessoas que testaram a receita, e aprendo com as suas alterações e críticas construtivas. Analiso bem o que fiz quando algo corre mal.


Sem uma boa bibliografia, aprender a cozinhar bem é tão difícil como escrever um livro sem dominar primeiro as letras do alfabeto. E, por isso, quando a inspiração tira uns dias de férias e a barriga pede comidinha, não há nada como voltar às origens e folhear a Saveurs.


Uma boa base, os ingredientes todos disponíveis, uma confecção interessante e algumas ideias para pôr em prática. E assim surgiu esta receita e a resposta à vossa pergunta: a naba que nem sabia cozinhar um bife tenta aprender com os melhores :)


Lombinho de porco no tacho com molho de laranja e açafrão (receita adaptada da revista Saveurs de Março de 2015)

Ingredientes (para quatro pessoas):

* Um fio de azeite;
* Meia cebola picada;
* Dois dentes de alho picados;
* 400g de lombinho de porco cortado em cubos;
* 50g de chouriça cortada em cubos;
* Uma colher de chá de açafrão;
* Uma colher de chá de caril;
* Uma colher de chá de piri-piri;
* Uma colher de chá de paprika;
* Uma pitada de sal;
* Sumo de meia laranja;
* Duas colheres de sopa de molho de tomate.

Confecção:

* Refogar a cebola picada e o alho picado num fio de azeite;

* Juntar os cubinhos de porco e a chouriça e deixar refogar;

* Temperar com o açafrão, o caril, o piri-piri, a paprika e o sal;

* Juntar o sumo de laranja e o molho de tomate e deixar cozinhar;

* Servi com batatas assadas na Actifry. 


Até amanhã! :D

10 comentários:

  1. Numa coisa tens razão, se ao começar nos basearmos em receitas fiáveis a coisa corre melhor. No entanto há que ter em conta que, mesmo assim, a coisa pode não correr como deve ser! O jeito não se aprende nos livros! Há quem nasce com jeito e há quem tem de ganhar o jeito! Acho que para começar, se possível, e se tivermos uma mãe ou um pai com mão para a cozinha, é por aí que devemos começar. Vê-los cozinhar, aprender com eles, absorver os seus ensinamentos, acho que é uma boa escola! E depois, claro, complementar com pesquisa, experiências, etc. Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei se é tanto uma questão de jeito. Cozinhar aprende-se e pratica-se, não é propriamente uma coisa inata. Acho que está mais próximo da ciência do que propriamente da arte :) Mas isso é a minha opinião, vale o que vale ;)

      Eliminar
  2. Essa carninha ficou com óptimo aspecto.

    Beijinhos,
    Clarinha
    http://receitasetruquesdaclarinha.blogspot.pt/2015/07/bolo-de-melao-e-coco.html

    ResponderEliminar
  3. Ficou muito apetitosa, e é paleo! :)

    ResponderEliminar
  4. As batatas estão engraçadas, fazem lembrar um bocadinho percevejos em movimento aleatório (não na parte nojenta/não comestível!). :P
    Nunca há respostas simples :P
    Acho que a tua paixão pela Saveurs é o equivalente da minha paixão (passada :P) pela Visão Júnior :P
    Acaba por ser importante escolher as fontes. Eu admito que escolho um bocado à sorte... Tenho, claro, blogs de referência, mas normalmente até procuro conforme a receita que me lembro de fazer e escolho a que tem mais alegações de perfeição. Nalguns blogs é o post que me faz fazer a receita (hm, o teu) :) se calhar é por isso que não sou um génio culinário! :P
    Há alguns blogs que dizem mil vezes para se ler e reler a receita antes de fazer... Não sabia que alguém fazia mesmo isso :P MAS pelos vistos resulta, portanto não é uma má dica :)
    Também leio os comentários! Só que na maioria é metade «MELHOR COISA DE SEMPRE» e metade «grande porcaria» :P
    Mas há quanto tempo lês a Saveurs? Não lhe dês os créditos todos, que não é a bibliografia que faz tudo :D eu acho que o mais importante é a escolha das receitas e um certo «jeito» (no sentido de haver pessoas que têm tendência para aldrabar, etc, claro que podem melhorar ao longo do tempo) mas tu és mais experiente :)
    Não fales de nabos e de experiências culinárias ao mesmo tempo, fico enjoada só de pensar :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Leio a Saveurs há um ano, por isso nem tudo é mérito dela. Mas tenho aprendido imenso, isso é inegável :D

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />