13 de julho de 2015

Crepes paleo (sem glúten, sem açúcar) para um desastre musical!

Colder crying on your shoulder.
Hold her, and tell her every thing's gonna be fine.
Surely, you've been going too early.
Hurry 'cause no one's gonna be stopped.

But if you sing, sing, sing, sing, sing, sing.
For the love you bring won't mean a thing,
Unless you sing, sing, sing, sing, sing, sing.

Travis




Desde que comecei a ter aulas de canto, actuei em público duas vezes: a primeira na festa do meu casamento e a segunda no espectáculo de Inverno da minha escola de canto, na Aula Magna. Ambas correram razoavelmente bem.

Há duas semanas, chegou a altura de fazer a minha audição de Verão na escola.


Estava relativamente calma. Sabia que não estaria propriamente relaxada como no casamento e que não me sentiria particularmente apoiada como na Aula Magna, mas sentia-me preparada para o desafio. Já estava perfeitamente confortável a cantar a música que escolhi, a Big Spender do musical Sweet Charity, que nem sequer é uma música assim tão exigente quanto isso.

E estava toda calma e super zen. Até ao momento em que abri a boca para cantar.


Seguiram-se três minutos tão horríveis que seguramente entram no ranking dos piores três minutos da minha vida.

(Vá, e daí talvez não. Parecendo que não, já estive em dois aviões a cair.)

O som estava estranho. A voz não saía. O ar não entrava. O tempo não passava. As notas não estavam no sítio. Foi um horror.


Depois disso vim a choramingar no carro. Porque sou demasiado exigente comigo própria, porque não sei gerir as minhas expectativas, porque não me preparei o suficiente e porque foi um desastre. Dramatizei este mundo e o outro, e o Pedro ouviu pacientemente e no fim perguntou:

‘Queres ouvir a tua gravação?’

E eu ouvi-me. E percebi que não foi perfeito, mas não foi assim tão mau. Na verdade, foi bastante aceitável até.


Também aconteceu o mesmo com estes crepes. Depois de várias tentativas absolutamente desastrosas para fazer crepes paleo, as minhas expectativas diziam-me que nunca iria conseguir fazer algo minimamente comestível. Mas consegui.

Mais do que aceitáveis, estes crepes ficaram uma verdadeira delícia. E só precisei de afinar as minhas expectativas, respirar fundo e aceitar que nem sempre as coisas correm como nós queremos.


Crepes paleo (sem glúten, sem açúcar) (receita adaptada do blog 'Empowered Sustenance')

Ingredientes (para dez crepes):

* Meia chávena de polvilho doce;
* Quatro ovos;
* Quatro colheres de sopa de óleo de coco derretido;
* Uma pitada de sal;
* Três quartos de chávena de leite de coco;
* Coberturas a gosto (usei banana, chocolate derretido e coco ralado).

Confecção:

* Juntar todos os ingredientes e bater com uma vara de arames;

* Aquecer a máquina de fazer crepes e colocar uma concha da massa, usando a espátula para espalhar bem (se usarem uma frigideira simplesmente inclinem para os lados para que a massa se espalhe);

* Esperar cerca de um minuto e virar o crepe com cuidado;

* Deixar cozinhar do lado oposto, retirar e repetir até acabar a massa!



Tenham uma óptima semana! :D

19 comentários:

  1. Esses crepes devem ser muito bons! Adoro crepes doces! As coisas nem sempre correm como desejamos! Diria até que, quando precisamos que corram bem, é que correm mal! Mas nem tudo é perfeito, senão seria uma chatice! Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, também são estas situações que nos permitem aprender e melhorar :)

      Eliminar
  2. Adoro crepes e esses ficaram perfeitos.
    Nem sempre como glutén mas tenho de pesquisar mais pois cada vez ouço mais que nos faz mal comer alimentos que contêm glutén.


    Beijinhos,
    Clarinha

    http://receitasetruquesdaclarinha.blogspot.pt/2015/07/tarte-de-courgette.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não tenho nada contra o glúten, mas o Pedro segue a alimentação paleo e então vamos testando umas receitinhas diferentes :)

      Beijinhos! :)

      Eliminar
  3. Olá Joana!
    Mais uma receita deliciosa! A minha lista de "receitas da Joana a fazer" está a aumentar a um ritmo alucinante...hehehe!
    Beijinhos que vou "marmitar" pois com estas receitas maravilhosas fiquei com apetite e fome ;)
    Ana França

    ResponderEliminar
  4. Boa tarde Joana,
    O leite de coco que usa qual é? Obrigada

    ResponderEliminar
  5. Óla.
    Onde compra o Óleo de Côco?
    3/4 equivale a quantas colheres de sopa?
    Obrigada :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Compro no Continente :)

      3/4 de chávena são 190ml, aí umas 12 colheres de sopa :)

      Eliminar
  6. Ola, uma chavena , aqui nesta receita equivale a quanto? Obrigada

    ResponderEliminar
  7. O leite de coco a que se refere, é mesmo "leite de coco" ou aquelas bebidas de coco de pacotes de 1l (ex Alpro)?

    ResponderEliminar
  8. Odeio côco.com o que é que posso substituir

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O leite de coco pode ser substituído por outro leite qualquer: de amêndoa, de arroz, de aveia ou até leite de vaca. O óleo de coco pode ser substituído por manteiga derretida ou outros óleos :)

      Eliminar
  9. Olá! Onde compra o polvilho? Que ótima receita!

    ResponderEliminar
  10. Olá! Tenho uma dúvida! As chávenas variam de casa para casa... Quantos gramas de polvilho e de leite usa nesta receita +/-?
    Muito obrigada!
    PS: acabei de descobrir o blog e já está nos meus marcadores do browser ;) Adorei

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />