14 de janeiro de 2015

Bife à Gordon Ramsay para uma lição vinda de um sítio inesperado.

But hold on to what you believe in the light,
When the darkness has robbed you of all your sight,
So hold on to what you believed in the light.

Mumford & Sons

 

A saga da tensão pré-menstrual continua. Todos os meses lá sou eu catapultada para esse mundo horrendo cheio de mudanças de humor, irritações várias, choraminguices pelas razões mais idiotas, desejos de lambarices, pêlos por todo o lado, mamocas doridas, cefaleias enormes e dores de barriga do demónio, sem falar das dezenas de borbulhas.

Há algumas semanas atrás estava particularmente totó com isto, e depois de uma situação aborrecida em que me senti inferior (ou em que fui inferiorizada, nem sei, é sempre difícil confiar no meu julgamento racional nestas alturas) lá vim para casa choramingar que era uma grande porcaria.


O Pedro abraçou-me com força, limpou-me as lágrimas e protegeu-me de todos os pensamentos idiotas. E depois eu comecei a choramingar porque era uma fraquinha que choramingava sempre quando estava com TPM.

A sério, às vezes nem eu própria tenho paciência para me aturar.


O Pedro decidiu agir, e abriu um vídeo de exercícios que tinha visto uns dias antes. Neste, um senhor musculado dizia que não fazia sentido irmos para o ginásio compararmo-nos com os outros, porque tal iria sempre trazer-nos sentimentos erróneos de inferioridade - em vez disso, devíamos pensar em nós próprios no mês anterior e perguntarmo-nos:

- Será que estou uma pessoa melhor?

Nunca pensei que um vídeo com um senhor de tronco nu a falar de pull ups e chin ups me ensinasse tanto sobre a vida, confesso.


De facto, é inegável que não resistimos a comparar-nos com os outros. E independentemente de ficarmos tristes porque somos piores do que eles, ficarmos motivados para sermos tão bons como eles ou ficarmos satisfeitos por sermos melhores do que eles, o foco da nossa atenção estará sempre no local errado: fora de nós.

Isto fez-me parar de choramingar neste dia? Não. Mas fez-me pensar muito no dia seguinte, já sem a parvoíce induzida pelas hormonas.

- Será que estou uma pessoa melhor? Será que a Joana do passado olharia para mim com satisfação e orgulho? Será que me encontro onde me propus chegar?

Sim.


Por isso não vale a pena pensarem que nunca terão a vida, a casa, a relação, a personalidade ou o aspecto da pessoa x, y ou z. Tenham simplesmente a vossa vida, a vossa casa, a vossa relação, a vossa personalidade e o vosso aspecto.

E quando quiserem ser melhores, aprendam com os melhores. Façam bifes seguindo os conselhos do Gordon Ramsay e não esperem que estes fiquem como os dele à primeira, à segunda ou até à centésima vez.

Em vez disso, esperem que os bifes desta vez fiquem melhores do que os bifes da vez anterior. E se isso acontecer, então é porque estão no caminho certo. Nos bifes e na vida.


Bife à Gordon Ramsay (receita adaptada de 'Steps on How To Cook a Steak with Gordon Ramsay')

Ingredientes (para uma pessoa):

* Um fio de azeite;
* Um bife do lombo;
* Uma colher de sopa de manteiga;
* Uma pitada de sal grosso.

Confecção:

* Aquecer uma frigideira em lume alto e quando estiver bem quente colocar um fio de azeite;

* Baixar ligeiramente o lume, esfregar o bife com sal grosso e colocar na frigideira;

* Deixar cozinhar durante dois a três minutos de um lado e virar;

* Esperar um minuto e acrescentar uma colher de sopa de manteiga;

* Se o bife tiver gordura de um dos lados, segurem-no com uma pinça e espalmem a gordura contra o fundo durante uns segundos;

* Servir regado com o molho.


Até amanhã! :D

22 comentários:

  1. Parecem-me muito bons conselhos (para o bife e para a vida :)

    ResponderEliminar
  2. Como eu te entendo! Também eu às vezes me sinto insuportável para mim própria nesses momentos, imagino para os outros (ou será que é tudo imaginação e hormonas?). Resolveste bem a questão com esse bife maravilhos, mesmo que não seja igual ao do Gordons.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu acho que é uma mistura de imaginação e hormonas Carla :)

      Beijinhos :D

      Eliminar
  3. Realmente por vezes as lições de vida vem das coisas mais estapafúrdias! Mas acredita que não estás sozinha! Tenho a certeza que serão poucas as mulheres que não ficarão hiper sensíveis durante a TPM! A mim dá-me para chorar muito ou para rir muito! Dá-me para comer muito ou não comer nada! Dá-me para ter muito sono ou para não ter sono nenhum! Vá-se lá perceber! Mas olha que com um bifinho desses muita coisa melhoraria!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A mim só me dá mesmo para chorar, para rir nunca deu ;) Mas pronto, não há muito a fazer não é? :)

      Beijinhos e tem um bom resto de semana :D

      Eliminar
  4. Que belo prato!
    Beijinhos,
    http://sudelicia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Bem quanto ao bife... é assim que gosto deles, aliás, adoro!!!
    Quanto a TPM... acho que todas sofremos so mesmo mal, no meu caso as vezes as mudanças de humor duram mais do que deviam... É um dos faros de sermos mulheres :) Claro que tem o seu lado bom... quando me salta a tampa e fico meio encavacada pois saltou qnd nao devia.... há sempre a desculpa... " tpam... que chato pah"... estando ou não :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vendo por esse lado tens razão, até dá jeito :D

      Beijinhos e boa Sexta-feira :D

      Eliminar
  6. Ui, que aspecto... faz mesmo o meu género!

    ResponderEliminar
  7. É o horror :P Pelo menos, pelo lado positivo, dá uns bons assuntos para posts :P maas parece que estás a contar uma história dos "Arrepios" ("minus" as descrições exageradamente-gráficas-tentativa-de-realismo-falhada-que-envolve-sempre-as-palavras-rechonchudo-rabo-de-cavalo-e-gravilha). Se não escrevesses os posts com antecedência aposto que *algum* blog ia ter uma fase deprimente mensal :P nem os éclairs resultam? Como podes dizer que um comprimido é mais eficaz do que éclairs? Blasfémia.
    É uma pena que não possas controlar as influências negativas nessas alturas, como uma espécie de justiça que equilibra as desgraças de modo a que o seu peso neto (eu gosto imenso de dizer "peso neto", é engraçado) seja sempre o mesmo e regular. Quer dizer, nem sei bem, acho que não preferia ter, em vez de alturas de euforia e alturas de choraminguice, um nível de felicidade/infelicidade constante e regular, mesmo que a satisfação fosse a média da que houvesse no primeiro. Assim não tinha piada. Eu vou evitar mencionar outra vez o Super Mário.
    "Um senhor musculado" :P Tens uma maneira engraçada de relatar acontecimentos, como uma espécie de crónica misturada com conto intantil.
    (É um elogio.)
    A comparação está sempre e irritantemente presente, e em tudo. É impossível, vivendo sempre rodeado de gente (e toda a gente vive, por mais anti-social que seja ou tente ser), alguém não fazer isso, até porque o mundo está cheio de competição em tudo... É impossível não nos compararmos quando o sucesso é tão relativo (ou relativizado), quando para conseguir um emprego se está a combater, para se ser um bom profissional se tem de ser o (ou dos) melhor (ou melhores), para se estar em forma se tem de estar tão em forma como outros e mais em forma do que a maioria... Os adversários estão em todo o lado, e a comparação também. Se toda a gente abafasse depois de correr 1km em 5 minutos quem corresse 10km seria extraordinário... *inserir provérbio sobre cegos e olhos aqui*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mesmo assim acho que há fases deprimentes aqui de vez em quando :P Depende muito do meu estado de espírito :)

      Eliminar
  8. ...Claro que pode/deve/devia haver um equilíbrio entre a comparação e a valorização individual, mas eu acho que vai sempre dar ao mesmo, porque não nos julgamos sem um ponto de comparação. Não que tu tenhas dito o contrário, eu é que me distraio e começo a fazer reflexões estranhas, prolongadas e com um nível de adequação ao tema (esse odiado critério que fazia com que metade da turma tivesse 0 nas composições de inglês por insistirem em levar textos já escritos com temas aleatórios e a ajuda do google... Quando a ideia de fazer um texto em inglês era assustadora :P) tão forte como o do meu "widget" de conteúdos relacionados (a culpa não é minha, aquilo dizia que se a semelhança de resultados pretendida fosse alta podia não haver nenhum post que se adequasse às circunstâncias, e eu não gostei nada da ideia de ter conteúdos relacionados não existentes (e chatos, não existentes e chatos). Mas ainda vivo com a atroz dúvida - será que o título que vem antes dos posts escolhidos se mantém mesmo sem resultados para exibir? Terror.).
    O senhor musculado dá lições de psicologia online ou está na moda reflectir enquanto se faz flexões cronometradas? :P
    (Eu acho que atirava o computador pelo ar, mas eu tenho mau humor a fazer exercício.)
    "Chin ups" até parece adequado para uma lição de moral, mas acho que isto é a inspiração barata de rede social a manipular-me :)
    Ainda bem que estás feliz com o sítio onde chegaste :D difícil era não estares, mas eu não sou tu por isso não poderia saber :P
    Eu não sou fã de carne semi-crua e torna-se difícil elogiá-la, MAS para o género o aspecto parece basicamente perfeito (grau absoluto!) :) se visse isso numa qualquer publicação sob a designação de "gourmet" não me surpreendia nada.
    (E aposto que muita gente também "aprende com os melhores" através de receitas do blog :) pode haver quem seja melhor do que tu, mas de certeza que também há quem te admire e aprenda contigo! Incluindo à distância.)
    Então fizeste bifes assim várias vezes? Que giro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas sim, tens razão. Às vezes eu paro para pensar: é um facto que sou médica, entrei numa especialidade muito gira, tenho um blog, tenho um livro, devia sentir-me super bem sucedida certo? NOT. Sinto-me normal, acabei de me inscrever numa pós-graduação (porque sou maluquinha, obviamente) e ando a ver doutoramentos. E no meio disto tudo a questão da valorização pessoal é importante, mas até que ponto é que isso é independente da valorização pelos teus pares? É interessante pensar nisso :)

      Eliminar
  9. A foto com o bife semi cortado faz-me lembrar aquelas sandes irritantes em que se corta o pão mas não até ao fundo, para deixar uma base que segure tudo o que se põe dentro (i.e. recheios exagerados OU pessoas estranhas que acham que cortar o pão todo é uma violação da ordem natural).E uns panos que a minha mãe usava para fazer lenços para a cabeça, porque ela cortava-os em 3 fitas com aproximadamente a mesma largura que entrelaçava para fazer tranças, e essas fitas tinham um início comum e unificado por cortar no fim, porque senão as tranças iam ficar idiotas/não ligadas. Pronto, isso parece "imitar" o procedimento, só que sem a parte de entrelaçar. A mentalidade mundial não está preparada para aceitar tranças de bife.
    (Também me faz lembrar umas bonequinhas cabeça de berlinde com pano enrolado e preso com uma tentativa de costura a fingir que é totalmente um vestido que eu fazia. O cabelo - sim, porque tinham cabelo, como qualquer produto de qualidadeque não seja alimentar - mas vou passar essa parte porque eram horrorosas.)
    A palavra "bifes" tem imensa piada. A piada de um texto é directamente proporcional ao número de vezes que a palavra "bife" é usada (a menos que se seja o Ricardo Araújo Pereira, nesse caso o enunciado lei se mantém-se, retirando-se apenas a palavra "bife". O que é uma pena, porque a palavra "bife" é adorável.).
    Não sei porquê, mas sabes aquele desenho com um sol feito só com os contornos pintados como que a borrona (a minha professora de EVT não gostava da palavra borrona, apesar de infelizmente a maioria das pessoas lhe fazer jus, e obrigava-nos a dizer "marcador", mas "marcador" é uma palavra muito menos atractiva)? O prato faz-me lembrar isso. IMENSO. Não bastava o ovo, ainda tens de pôr os 3 tracinhos de bife.
    Este post é um depósito de coisas engraçadas.
    "Lombo" (a palavra lombo também tem imensa piada, ainda por cima agora é "hot topic". Não sei porque é que podem existir piadas ou tentativas delas quando a expressão "bife de lombo" existe.)
    "Esfregar o bife com sal grosso" (haha :P)
    "Espalmem a gordura contra o fundo"
    A minha teoria sobre a essência da vida baseia-se na existência de 3 níveis de "passadez" da carne: passada/completamente cozinhada/deliciosamente seca, meio crua/vermelho vivo e muito crua/vermelho escuro e grave com cor de sangue e chacina. Os teus bifes parecem ter uma articulação ideal delas :) parecem estar cozinhados na medida certa e exactamente como era suposto!
    Pedacinho de bife adorável graciosamente mergulhado na gema. Que foto hilariante. E bonita. Hilariante e bonita.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda este fim-de-semana repetimos o bife, mas com ovo e batatas fritas na Actifry. Tão. Bom :D

      Eliminar
  10. PS: sinto a necessidade de te informar de QUE moi fez o bolo de chocolate com leite de chocolate e isso (não sei que nome teria ou se teria um que não "bolo de chocolate", já que não há nenhum post :P). Acho que foi a terceira vez e ficou melhor das outras, já que foi a única em que tinha todos os ingredientes, não me esqueci de nenhum e não o cozi durante uma hora e meia. Apesar de ser essa a tentação, que aquilo parece nunca está bem cozido e não desanda da fase de ser sumo de chocolate. Tive de contrariar todos os meus instintos para o deixar húmido (bolo de chocolate pesado e cozido até ao tutano não é a minha ideia de perfeição), mas consegui (estou tão orgulhosa de mim). Está muito melhor do que das últimas vezes. Está bastaante húmido, "vou só buscar uma colher" húmido, mas isso não é necessariamente mau. As coisas com farinha e chocolate são difíceis de "check for doneness" (gosto desta expressão) e frustrantes (talvez como tentar adivinhar se o bife está muito cru ou já passado o suficiente), mas ficou bom :D e com um aspecto delicioso. :) agora engrossou imenso e é tipo uma piscina de mousse de chocolate com pedaços de bolo submersos. E eu que pensava que não gostava de pescar ;) (mas comecemos por uma piscina, não quero pôr a carroça à frente dos bois...)
    PS2: na segunda foto há um bróculo (muito mais giro do que "pedaço (ou mesmo raminho! - dito baixinho para a minha avó não ouvir, já chega a pena suspensa por ter acordado cedo a um Domingo) de bróculos", lamento) que é depressivo e está prostrado no chão. Ou então é uma avestruz. OHMEUDEUS. Comeste-o mesmo? Não acredito que comeste um bróculo-avestruz.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De vez em quando também faço para levar para o hospital e concordo que é difícil perceber quando é que está pronto. Mas também é verdade que mesmo que fique um bocadinho menos cozido fica uma maravilha na mesma :D É mesmo um bolo de chocolate delicioso, tenho muita pena de não poder mostrar a receita aqui ;)

      Eliminar
  11. Ainda está para chegar o dia em que eu consiga fazer bifes assim com tão bom aspecto! Mas ainda não desisti :D
    Adorei a receita e o texto, para não variar :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo uma questão de treino :D E vê o vídeo, ajuda bastante :)

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />