17 de dezembro de 2014

Tartes de uva e noz pecan para uma mudança de clube.

'You're always free to change your mind and choose a different future, or a different past.'

Richard Bach


Eu nunca liguei muito a futebol. Nunca fui particularmente aficcionada pelo tema, não estava actualizada em relação às contratações mais recentes, não sabia o nome da grande maioria dos jogadores e não apreciava por aí além ver jogos ao vivo. 

No entanto, sou portista. Sempre fui portista. Nunca tive qualquer tipo de dúvida existencial sobre o facto de ser portista. Sempre tive orgulho no meu clube, que defendia com unhas e dentes quando os meus amigos benfiquistas implicavam comigo.


O Pedro é sportinguista. Sempre foi sportinguista. Nunca teve qualquer tipo de dúvida existencial sobre o facto de ser sportinguista. Sempre teve orgulho no seu clube, que defendia com unhas e dentes quando eu pessoas malvadas gozavam e diziam que eles nunca ganhavam nada.

Quando o Pedro entrou na minha vida, o Sporting veio com ele. E depois de me apaixonar por todos os centímetros cúbicos do meu amor bom, comecei a apaixonar-me também pelo clube dele.

Raios.


Pois é, a dada altura dei por mim incrivelmente actualizada sobre tudo o que envolvesse o Sporting. Sabia sempre quando e com quem iam jogar, e fui inclusivamente a alguns jogos este ano. Não ficámos por uma modalidade, e fomos também apoiar o futsal. E no último dos jogos que vimos, enquanto gritávamos e saltávamos abraçados pelo facto do Sporting ter marcado um golo decisivo que lhe permitiu passar para a fase seguinte da UEFA Futsal Cup, a dúvida atingiu-me com força.

Será que me tornei sportinguista?


Demorei algum tempo a conseguir assimilar tudo isto, mas a verdade é esta: temo que me tenha tornado sportinguista. Comecei a vibrar com as vitórias do clube e a ficar triste com as derrotas. Deixei de chamar masoquista ao Pedro quando ele fica a torcer até ao último minuto, cheio de esperança no coração. Deixei de gozar com ele e de dizer que o Sporting é uma equipa fraquinha que nunca ganha nada. 

Lamento imenso meus conterrâneos do norte, mas creio ter passado para o lado negro da força. Ou, neste caso, para o verde.


O mesmo aconteceu com as uvas. Não gosto de uvas. Nunca gostei de uvas. Nunva tive qualquer tipo de dúvida existencial sobre o facto de não gostar de uvas. Até ao dia em que a geleia de uva e canela apareceu na minha vida.

Juntou-se a vontade de me deliciar com ela e a necessidade de gastar as folhas de massa fina para tartes que ainda restavam e a magia aconteceu. E eu aqui fiquei, com uma deliciosa tarte de uva e noz pecan na mão e uma dúvida no coração:

Serei uma vira-casacas?


Tartes de uva e noz pecan

Ingredientes (para quatro tartes):

* Oito folhas de massa fina para tartes (usei da Buitoni);
* Quatro colheres de chá de geleia de uva e canela;
* Quatro colheres de chá de nozes pecan;
* Uma gema batida com uma colher de sopa de água;
* Açúcar em pó para polvilhar.

Confecção:

* Colocar uma colher de chá de nozes pecan sobre uma folha de massa e cobrir com uma colher de chá de geleia de uva e canela;

* Cobrir com outra folha de massa e pressionar os bordos com um garfo para juntar;

* Pincelar com a gema e colocar sobre um tabuleiro coberto com papel vegetal;

* Levar ao forno pré-aquecido a 180º durante quinze a vinte minutos;

* Polvilhar com o açúcar em pó e desfrutar.



Até amanhã! :D

14 comentários:

  1. E acho que fizeste uma boa mudança... ;)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. ahahahahah Joana :-)

    Adorei o relato... Mudar de clube não faz de ti uma vira-casacas :-) E passar a gostar de uvas também não...
    Não que concorde muito contigo nessa mudança de clube, ou não fosse eu Portista mas pronto, os gostos vão-se alterando com a idade e se és mais feliz assim sendo dos verdinhos... Que seja!!!
    As tuas rodelinhas parecem-me muito boas!!! Eu até bem à pouco tempo não conhecia a noz pecan... Até que comprei um pacote de cereais, tipo grânola no Pingo Doce que é à base de flocos de aveia, castanha do pará, noz pecã, avelãs, amêndoa e desde aí que sou viciada nesses cereais, são mesmo bons... E esses frutos secos são maravilhosos! Por isso imagino que essas tuas tartes sejam uma mistura mesmo boa...

    Beijinhos*** Boa quarta-feira!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lamento Joana, mas se calhar vou deixar de pertencer ao clube... Mas pronto, os gostos vão mudando :D

      No Continente agora há saquinhos só com nozes pecan a 4€. Não é barato, mas pronto :D

      Beijinhos e bom resto de Quarta-feira :D

      Eliminar
  3. Nesse caso, é bom virar casacas! :-) Os gostos mudam e às vezes apercebemo-nos que afinal há coisas que achávamos que não gostávamos mas gostamos. E ainda bem!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, ainda bem! Assim vamos aumentando o leque de potenciais escolhas :D

      Beijinhos :D

      Eliminar
  4. Oh pá como portista acho que sim que és vira casacas :p afinal usavas a camisola azul e branca e agora usas a verde e branca.
    Quanto às uvas acho que só aprendeste a gostar de algo bom :) não viraste a casaca.

    Mas olha se é para seres feliz vira lá a casaca, embora ache que com o porto ficavas feliz muito mais vezes..

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha que este ano diga-se que não tinha muitas razões para ficar feliz de nenhuma das formas :D

      Beijinhos :D

      Eliminar
  5. Adorei e assim se faz uma sobremesa bem rápida.

    ResponderEliminar
  6. Também nunca liguei muito ao futebol... Há algum tempo via a maioria dos jogos importantes e até vibrava com aquilo, mas agora prefiro fazer outras coisas com o meu tempo livre, até porque ser fã de futebol é uma coisa que precisa de muito tempo :P Os jogos são compridos e há muitos, parecendo que não... E há coisas para ver que acho mais interessantes :) Mas consigo perceber o fascínio. Só não ligo praticamente nada. Ver jogos ao vivo continua a ser giro, apesar de tudo :P
    Deve ser um bocado complicado, se não ligas muito e começas a ver jogos de outra equipa é fácil começar a torcer por ela :P se não for contra o Porto vais estar a torcer porquê? :P Acho que me lembro de teres dito que eras do Porto mas também ias torcendo pelo Sporting e que era uma equipa «carism´tica» ou assim :P
    ...E de certa maneira isto das equipas é idiota - é um passatempo e não tem nada de mal (em si) MAS é um bocado aleatório. Treinadores mudam, jogadores mudam, uniformes mudam. Vamos torcer por uma equipa em particular só por causa do nome e origem? :P É como ler livros portugueses e ouvir música portuguesa só por estarmos em Portugal. Até percebo, mas não acho que faça muito sentido ou que seja um bom critério. Ainda por cima TODA a gente escolhe o clube porque os pais ou os amigos são desse clube, é umas espécie de fanatismo contagioso. Mas também não sei se, excluindo esse critério, haveria mais algum...
    Apaixonaste-te por amor? Expressão engraçada :)
    Uau, deixaste de gozar com o Sporting? É obra :)
    Nunca pensei que fosse assim tanto uma questão de região - eu sou do Norte e não sou do Porto. Aliás, a maioria das pessoas que conheço (obviamente do Norte também, que eu não vou socializar para Faro) é benfiquista. Depois também há, claaro, um monte de Srs. «O Braga é a nossa cidade e devíamos apoiá-la» :P
    Eu também sou do Benfica, até. Estás a ver a contradição com o resto do comentário? haha :P Não ligo a jogos nem nada, mas pronto, estou habituada. Não me consigo ver de outra equipa e, mesmo sem acompanhar, fico contente quando o Benfica ganha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por acaso seria curioso perceber como escolhemos os nossos clubes. Há casos de miúdos cujos pais são de um determinado clube mas eles são de outro, como será que isso acontece? :)

      Eliminar
  7. Eu até gosto mais do Sporting que do Porto. É tipo uma escala... Benfica - Braga - Sporting - Porto. E não, não estou a confundir com uma gradação de cores. Portanto até podes melhorar gradualmente e atingir o Benfica... Se bem que duvido que chegues a ter alguma razão para ser do Benfica, era um bocado estranho :)
    Até mostra reflexão da tua parte dizeres isso - acho que a maioria das pessoas tem uma obsessividade adormecida que nem deixa ponderar a mudança, como se fosse parte da identidade de cada um. Eu não sei se era capaz de me admitir «sem equipa», apesar de não ligar (como, já agora, disse mil vezes neste comentário). Parece uma violação da realidade :P eu nunca gostei dos miúdos que mudavam de equipa consoante os amigos com que estavam (estão no mesmo grupo dos «o que é que jantaste? OHMEUDEUS, eu também!»).
    Quando às uvas... Já é menos grave ;) Não é como se deixasses de gostar de limão ou assim (isso já não seria desculpável :P). Depois de ver estas fotos acho que não há vestígios de rancor por passares a gostar de uva (frase estúpida). Podias era ter feito «turn overs» de uva, para se adequar ainda mais ao tema :D
    (estou a brincar, não podias nada. Isto está perfeito!)
    (nem sei se «turn overs» está razoavelmente relacionado com «vira casacas». Está? :P)
    Aqui já gostaste mais dos discos de massa da Buitoni? Devias, porque têm um aspecto angelical! É impressionante, acho que consigo ouvir anjinhos a cantar :P é das comidas mais bonitas que já vi, e tem uma simplicidade e pureza que outras coisas (doces) não têm, que dá um toque especial. Nem devia ter uma palavra como «bordos» na receita. :P
    A que está aberta continua muito gira, só que mais parecida a um monstro de boca aberta a rastejar para fora do prato. Eu fugia sem tirar foto, parece que morde :P OU domesticava-a. Era TÃO fofo ter uma tartezinha dessas como animal de estimação... Estou mesmo a vê-la a saltitar por casa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca, o Benfica para mim está no fundo da cadeia alimentar! :D

      Por acaso desta vez gostei mais dos discos. Acho que combinaram melhor nestas tartes do que nas outras. Mas não me parece que volte a comprá-los, de qualquer das formas ;)

      Beijinhos :D

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />