20 de outubro de 2014

Queques de frutos vermelhos paleo (sem açúcar) e a minha experiência paleo! :)

'Worst-case scenario: You spend a month without some foods you like. 
Best-case scenario: You discover you are able to live healthier and better than you ever thought possible.'

Robb Wolf, The Paleo Solution: The Original Human Diet


Quando li sobre a dieta paleo pela primeira vez achei aquilo a maior parvoíce de todos os tempos. Sempre me irritaram argumentos como 'devíamos viver como viviam os nossos antepassados' (que morriam de peste e de neurossífilis e tomavam um banho por ano) ou 'os outros animais não comem estas coisas e não bebem leite' (mas também não têm escolas, hospitais e saneamento básico). Achei tudo aquilo uma ideia muito estranha, mas como não me compete julgar as opiniões dos outros simplesmente encolhi os ombros e pensei 'estes romanos são loucos'.

Parecem queimados, mas na verdade a massa era tão escura que isto é apenas o aspecto deles mais tostadinhos :)
Até que a dieta paleo passou a aparecer consistentemente nos artigos científicos que líamos, bem como o papel prejudicial do excesso de hidratos de carbono na nossa saúde cardiovascular. Mal o Pedro encontrou artigos que relacionavam a dieta paleo com a melhoria do acne decidiu converter-se durante algumas semanas, e confesso que vi ali uma oportunidade para fazer algo engraçado no blog: uma semana de estudo em nós próprios ao estilo do 'Super Size Me' (mas mais saudável, vá).

Vai daí, passei uma semana inteira a seguir religiosamente a dieta paleo. Comecei a um Sábado para evitar os efeitos do sugar craving durante um dia de trabalho, terminei na Sexta quando me presenteei com uma bela feijoada de tamboril e camarão ao jantar.


Apesar dos meus preconceitos prévios, a verdade é que actualmente a dieta paleo está bastante bem fundamentada a nível cientifico (como vão poder comprovar com o guest post do Pedro), e por isso foi relativamente fácil segui-la sem ficar com medo que me achassem tolinha. A semana foi divertida, inventei receitas novas e originais e senti-me sempre bem, e quando chegou a Sexta-feira confesso que senti alguma vontade de continuar a experiência.


Não o fiz de um modo restrito. Não pretendo incluir-me em nenhum grupo específico e não gosto de rótulos alimentares, por isso tornar-me 'paleo' parece-me demasiado drástico para alguém que sempre gostou de comer um pouco de tudo. Apesar disso, aprendi muito com esta experiência e não tenho dúvidas que alguns destes conhecimentos serão aplicados a partir de agora (até porque o Pedro continua a fazer alimentação paleo, por isso muitas vezes partilhamos as refeições dele!) :)


Deixo-vos com uma receita bem sucedida e surpreendente: queques de frutos vermelhos paleo. Sem glúten e sem açúcares refinados, mas cheios de sabor. Saudáveis e deliciosos. Naturais como a alimentação dos nossos antepassados, mas sem aquelas chatices todas da peste e da neurossífilis :D


Queques de frutos vermelhos paleo (receita adaptada do blog 'Bravo for Paleo')

Ingredientes (para seis queques):

* Uma chávena mais cinco colheres de sopa de farinha de amêndoa (amêndoa moída);
* Uma pitada de sal;
* Meia colher de chá de bicarbonato;
* Dois ovos;
* Duas colheres de sopa de mel;
* Uma colher de chá de essência de baunilha natural;
* Duas colheres de sopa de manteiga;
* Duas colheres de sopa de leite de amêndoa;
* Meia chávena de frutos vermelhos;
* Uma colher de chá de canela.

Confecção:

* Juntar a farinha de amêndoa, o sal e o bicarbonato e misturar bem;

* Noutra tigela bater bem os ovos com o mel e juntar a baunilha, a manteiga derretida e o leite de amêndoa, misturando bem;

* Misturar cuidadosamente os ingredientes líquidos com os ingredientes secos e envolver os frutos vermelhos e a canela;

* Colocar em forminhas e levar ao forno pré-aquecido a 180º durante vinte minutos.

  

Espero que gostem! :D

7 comentários:

  1. - Apesar de não conhecer muito dessa dieta, acho que a receita é muito boa e dá vontade de experimentar!

    ResponderEliminar
  2. A mim nunca me pareceu "a maior parvoíce de todos os tempos", mas como já disse pareceu-me exagerado, extremo e fundamentalista. O problema é que nós também pensamos assim por causa daquilo a que estamos habituados - Pequeno almoço? Hidratos de carbono com hidratos de carbono. Almoço? Hidratos de carbono com um bocado de proteína (e às vezes uma quantidade estranha de fontes de hidratos, tipo batata, arroz, pão e com um bocado de sorte ainda pão ralado alambado - estou a trabalhar para tornar esta palavra real - em óleo - yaay, gordura :P). Lanche? Hidratos de carbono. É incrível, a maioria das pessoas come basicamente isso :P nos lanches ainda é pior, como se pode comprovar pela vasta gama de coisas não relacionadas com farináceos (adoro esta palavra!) vendidas em cafés. Nunca vejo ninguém incluir mais nada, não tentam incorporar uma fonte de gordura nem uma fonte de proteína, é tipo bolachas/pão/tostas/bolos com fruta/iogurte com imenso açúcar e quase nada de proteína/produtos magros cheios de adoçantes. Desde que comecei a preocupar-me mais com comer mais gordura/proteína (quantas vezes já repeti estas palavras?) até comecei a ter muito menos fome :)
    Não tenho conhecimentos médicos como tu, mas à medida que fui lendo mais sobre a dieta também me foi parecendo menos absurda, devido aos argumentos e a não achar assim tão difícil (pooorque, isso mesmo, me fui ambientando cada vez mais com a redução das referidas combinações portuguesas de HC+HC+HC). Acho que os argumentos que disseste são só de pessoas com uma visão superficial que gostam da dieta porque podem comer dois bifes ao almoço. Mas siiim, são tão irritantes! Disseste exactamente o que eu penso :P estou sempre a reclamar com isso do "os nossos antepassados faziam assim" :P, até porque a dieta nunca poderia ser completamente fiel ao estilo de vida de há imensos anos... E com todas as outras coisas não comestíveis que apareceram entretanto ninguém quer cortar :P De qualquer das maneiras acho que realmente ninguém procura a saúde deles...
    Eu até concordo com alguns argumentos anti-leite, MAS não com o do "os outros animais". Têm sempre de haver essas comparações? O que eu costumo preferir é a resposta do saneamento básico ;)
    Não tinha ouvido falar dos efeitos quanto ao acne :)
    Isto é muito mais giro que o Super Size Me! Já disse que a ideia é extremamente gira? :D
    Fiquei curiosa com esse guest post ;)
    Não vale a pena ficares triste por acabar, podes repetir sempre que quiseres :) mas tens permissão para ficar triste por não poderes fazer uma semana com um tema tão giro no blog, pelo menos que seja novidade :P
    (Mas estou disposta a ser surpreendida!)
    Ahh então ele continua! :)
    (Mas... Oh não... E os teus muffins? E bolachas de sésamo? E bolachas de chocolate? E mais coisas com chocolate? Nãão!)
    Os queques parecem muito fofos e adoro o aspeto dos frutos vermelhos semi-derretidos/esmagados e coloridos no meio! E olha que a concorrência de nível de beleza para coisas que eu já vi em formas brancas semelhantes a essas é alto ;)
    (Pronto, eu calo-me com isto!)
    Por acaso tenho farinha de amêndoa que comprei há bastantes meses para fazer panquecas paleo, que têm sido adiadas imensas vezes por preguiça :P como não disseste que não era bom, como fizeste com o pão, presumo que sejam bons :) portanto vou manter a receita na lista até o pacote de amêndoa em pó abandonado no armário me inspire!
    (Na verdade eu não faço nada com ele porque a embalagem está escrita em francês, portanto é demasiado chique e é injusto que eu a desfigure com uma tesoura de cozinha velha e demasiado grande para essas coisas mas que é a única das 4 que corta e que não está sempre a desaparecer e reaparecer misteriosamente na caixinha de costura da minha avó. Tenho a certeza de que no mundo das embalagens de amêndoa em pó há um best-seller sobre isso. Com um título-cliché. E uma história idiota. Escrito pelo Ken Follet-Amêndoa.)

    ResponderEliminar
  3. Olá Joana! Fiz hoje e a malta adorou! Só que em vez de serem queques o pessoal chamou lhes de queque-pudim pq infelizmente ficaram muito muito húmidos, nem parece bem cozido e até se desfaziam muito facilmente de tão molhado... Não sei mas a farinha de amendoa teima em fazer me isto em todas as receitas q a uso (panquecas, bolos,...) ficam sempre assim... Não sei o que fiz mal :S
    Se me puderes ajudar agradecia! :D
    Beijinhos!
    PS: de quanto é a tua chávena de medida?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Ana!

      Já respondi no facebook, mas aqui vai para o caso de mais alguém ter a mesma dúvida :) Normalmente faço a farinha de amêndoa em casa e nunca me tinha acontecido. Ficam mais húmidos do que o habitual com a farinha de trigo, mas não tão húmidos que se desfaçam :) Será da qualidade da farinha?

      A minha chávena tem 250ml :)

      Beijinhos e desculpa não poder ajudar mais :(

      Eliminar
  4. Nossa Joana, alguém com quem eu possa me identificar!!! Adorei a receita, vou fazer pro lanchinho do meu filho na escola.
    A propósito, eu reconheci o "esses romanos são uns loucos". Asterix for ever!!!

    Beijos!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Asterix é fantástico :D

      Se experimentares depois conta como correu! :D

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />