21 de outubro de 2014

Nutella caseira paleo (sem açúcar) para uma criança apaixonada por... Tulicreme! :D

When I was young
It seemed that life was so wonderful,
A miracle, oh it was beautiful, magical.
And all the birds in the trees
Well they'd be singing so happily,
Joyfully, playfully watching me.

But then they send me away
To teach me how to be sensible,
Logical, responsible, practical.
And then they showed me a world
Where I could be so dependable,
Clinical, intellectual, cynical.

There are times when all the world's asleep,
The questions run too deep for such a simple mind.
Won't you please, please tell me what we've learned?
I know it sounds absurd please tell me who I am...

Supertramp


Quando eu era criança não havia ainda a cultura dos docinhos, por isso cresci a comer coisas estranhas como açordas variadas, farinha de pau e sopa de miolos de vaca, e só comia guloseimas no Natal, no meu aniversário ou nas festinhas dos meus amigos.

Compreensivelmente, fazia uma festa dos diabos sempre que podia comer um doce fora das situações previamente descritas. Devia ser a única criança da história que adorava ir ao médico (nunca me vou esquecer dos queques da pastelaria em frente ao meu oftalmologista), gritava de alegria quando ia fazer análises (nham nham croissants mistos da confeitaria na rua da igreja) e adorava passar longas tardes a visitar familiares (mesmo aqueles que me apertavam dolorosamente as bochechas).


De todos os meus familiares, a que eu gostava mais de visitar era a minha tia Mila: ela tinha sempre Tulicreme guardado no frigorífico e costumava fazer-me umas sandinhas absolutamente deliciosas a transbordar deste creme de chocolate. E aquilo sabia-me de tal forma bem que me lembro que fiquei vagamente desapontada da primeira vez que comi Nutella porque esperava que fosse semelhante a Tulicreme.

Manteiga de avelãs
Entretanto o tempo passou. Eu cresci, e infelizmente com a minha mudança para Lisboa deixei de visitar a minha tia Mila. A Nutella passou a fazer parte da minha lista de compras, das minhas receitas e da minha vida, e nunca mais comi Tulicreme.

Há duas semanas fui visitar a minha tia. Tudo nela continua igual, eu estou incrivelmente diferente. Cresci. Sou médica, tenho um blog e um livro, sou casada e sou de Lisboa. Mas dentro do meu coração ainda bateu silenciosamente aquela expectativa infantil: será que aí vinha uma deliciosa sandes de Tulicreme?

Não veio. Parece que crescer tem destes aborrecimentos.


À falta de melhor, tentei combater o desconsolo comendo Nutella caseira. E tal como há uns anos fiquei vagamente desapontada. Porque a Nutella sabe bem, mas nada sabe tão bem como as memórias felizes da infância :)


Nutella paleo (receita adaptada do blog 'Nem acredito que é saudável!')

Ingredientes:

* Uma chávena de chá de avelãs;
* Quatro colheres de sopa de cacau em pó;
* Duas colheres de sopa de manteiga;
* Três colheres de sopa de leite de amêndoas (ou de avelãs);
* Duas colheres de sopa de mel;
* Uma pitada de sal;
* Meia colher de chá de essência de baunilha natural.

Confecção:

* Levar as avelãs ao forno durante quinze minutos e esfregar com um pano para retirar a pele;

* Picar durante cinco minutos até se formar manteiga de avelã;

* Juntar os ingredientes restantes e passar tudo novamente até obter um creme suave;

* Colocar mais mel ou leite, se necessário;

* Conservar no frigorífico.



Até amanhã! :D

7 comentários:

  1. tenho de experimentar esta receita :)

    kisses***

    ResponderEliminar
  2. Oh, as doces memórias da infância... nada consegue superá-las!

    ResponderEliminar
  3. Olá Joana :-)

    Daqui escreve-te uma viciada em tulicreme... Nutella como, mas em 1º lugar lá em cima no top está sempre o tulicreme :-) :-) :-)
    Mas essa nutella
    Mas essa nutella paleo tem cá um aspectinho saudável e do melhor!!!
    E essa manteiga de avelãs??? Receitinha há??? Ou escapou-me alguma coisa???

    Beijinhos***
    Joana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Joana a manteiga de avelãs é a primeira parte da confecção: basicamente trituras as avelãs sem pele até obteres uma pasta :) É deliciosa :D

      Beijinhos! :D

      Eliminar
  4. Eu nunca comi muitos doces - o meu irmão teve uma infância com muito mais açúcar do que eu, assim como a maioria dos outros miúdos. Achava algumas coisas muito estranhas, como ver pães secos e duros com um creme castanho nos lanches, não era lá muito apetitoso... Era tulicreme :P sempre associei a algo que uma avó de aldeia põe para os netinhos "coitadinhos, gostam tanto" mas que não sabe muito bem. Também não provei Nutella muito cedo e não me lembro de quando o fiz, mas acho que é muuito melhor que tulicreme. Primeiro porque tulicreme é uma palavra horrível (e a Nutella é italiana E da Ferrero, tudo o que é da Ferrero é melhor com excepção dos brinquedos-nojentos-tentativa-de-incorporar-o-pacote-em-coisas-fixes dos ovos kinder de Verão); segundo porque Nutella sabe a avelãs e cacau (e açúcar, não esquecer do açúcar) e é muito boa, enquanto que o tulicreme... Não sei, comprei uma vez e fiquei desencorajada com a textura desagradável, nem me lembro se provei ou do sabor sequer :P
    (Ah, e porque pelos vistos o tulicreme tem uma versão sem avelãs. Não sei qual é essa ideia de creme de chocolate sem avelã. Modernices.)
    Com estas coisas que se liga à infância não importa o sabor real - eu nunca vou gostar de Nestum porque cresci com Cerelac (teoria do "nunca comi muitos doces" vai ao ar em 3,2,...), uma sandes de manteiga de amendoim e compota nunca me vai saber tão bem como a um ex-miúdo americano e a Nutella nunca te vai saber ao tulicreme da tia Mila. E o tulicreme nunca te vai saber ao tulicreme da tia Mila.
    Familiares que apertam dolorosamente as bochechas, isso é tão desconfortável! :P
    Mas nunca gostei de ir ao médico por causa disso, até porque a coisa mais horrível que há é estar numa sala de espera a esperar (não me digas :P).
    Um ritual estranho das consultas no dentista era ir ao McDonald's a seguir :P haha para não ser alguma coisa com muito açúcar ;)
    (Agora lembrei-me de uns croissants deliciosos que se vendem perto do sítio onde fazia análises... :P esses sabem melhor por não se comer há 12h ou assim :P)
    Com "ela tinha sempre Tulicreme guardado no frigorífico" deitaste por terra a coisa do "tulicreme > Nutella". Como se ainda fosse preciso. ;)
    (A sério, coisas cremosas do género têm de ficar longe do frigorífico! E esta é a história de como nunca encontrei manteiga de amendoim no pingo doce e uma das senhoras que arrumam as coisas (pelo menos até serem importunadas por idiotas com falta de sentido de orientação e demasiado habituados a ir ao Leclerc) achou que eu era palerma)
    Tenho uma dúvida - por que é que haverias de querer que a Nutella soubesse a tulicreme (repara bem no uso de maiúsculas)? Para isso por que é que não compravas antes tulicreme? :P

    ResponderEliminar

  5. E também não percebi por que é que deixaste de comprar tulicreme e passaste a comprar Nutella, se sempre gostaste mais do primeiro. Nem falas de um ataque súbito de inteligência em que te apercebes do quão melhor Nutella é.
    (Tendo relido esse parágrafo começo a achar que com o "cresci" querias deixar subentendido que com a maturidade os teus gostos foram apurados :P)
    Haha :P tinha imensa piada se a tua tia te oferecesse um pão com tulicreme!
    "Desconsolo", não gosto nada dessa palavra :P
    Até é um bocado injusto que digas que ficaste desapontada... Olha bem para essa Nutella :P
    (Por falar em Nutella, tenta adivinhar quem é que bateu um recorde qualquer e comeu 300 GRAMAS de Nutella numa hora à colher. Do frasco. O meu irmão. Agora tenta adivinhar quem é que teve de ir ao supermercado buscar um frasco extra quando o primeiro acabou (estava a meio. E não imaginas o quão decadente é ter dois frascos de Nutella raspados até ao fundinho em cima da mesa.))
    Eu acho que a Nutella caseira é uma coisa que nunca vai ser muito parecida com a Nutella de venda, porque aquela textura e quantidade de açúcar são inatingíveis. Mas acaba por ficar uma coisa com um sabor muito bom, um gosto forte a avelãs, um tom forte a cacau (na "normal" mal se sente) e é bastante menos enjoativo (a normal é muito boa, não digo que não, mas enjoa MUITO rápido). Eu raramente como, mas adorei quando fiz a versão caseira :)
    Tem manteiga, que estranho :P
    Fixei muito bem a expressão/o padrão da parte de cima da Nutella. Parece esta cara: 1.bp.blogspot.com/_X0p59wSx7F0/S-xdSJSW0RI/AAAAAAAAA3k/UgGA7MdPxuE/s1600/h1.JPG , que por sua vez imita muito bem algumas expressões dos monstros das caixas (alguém teve um Sábado divertido! ;))
    Já agora... O meu processador, depois de 5x com a lâmina presa, 5 idas à fnac, 5 "mete o pé e puxa com mais força que isto sai", alguns "é da sujidade"s embaraçosos (CLARO que está nojento, peço desculpa pelo regurgitar de papa de banana podre e preta, mas não pude desmontá-lo porque a porcaria da lámina estava presa) e mais umas indignantes mensagens "o seu produto está pronto porque não tinha avaria" foi reconhecido como permanentemente empenado e uma vergonha para a classe dos processadores. Agora tenho de comprar outro, e estava a pensar em comprar uma liquidificadora mais barata, de preferência que triturasse bem - as funções essenciais são manteigas de oleaginosas (nut butters soa tão melhor :P) e gelado de banana. :P sou simples! E se fizesse manteiga de coco era um bónus óptimo :) eu sei que não vais saber a capacidade das liquidificadoras do mercado e que o parágrafo sobre o meu processador era escusado, MAS como os teus batidos e Nutella parecem tão cremosos gostava de saber qual é a que usas :)

    PS: a história do processador NÃO é completamente aleatória e não relacionada com o post - o processador é francês, a Nutella é italiana e francês é parecido com italiano - no "charme" ;))

    ResponderEliminar
  6. Quantas gramas de avelã, aproximadamente? Amei a receita!

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />