12 de agosto de 2014

Iogurtes de erva-príncipe para algo que me irrita.

Road trippin' with my two favorite allies.
Fully loaded we got snacks and supplies.
It's time to leave this town, it's time to steal away.
Let's go get lost, anywhere in the U.S.A.

Let's go get lost,
Let's go get lost.

Red Hot Chili Peppers 


Eu gosto de pensar que sou uma pessoa relativamente relaxada. Tenho os meus momentos vá, mas regra geral acho que não me passo dos carretos com facilidade.

Mas há algumas coisas que me irritam profundamente, e esta é uma delas - eu detesto snobs das viagens.

Passo a explicar: há pessoas que acham que são mais viajantes do que outras porque calcorrearam a Índia durante dois meses de mochila às costas a comer escaravelhos, a apanhar gastroenterites e a dormir no chão de hostéis manhosos cheios de ratazanas. Mesmo que essa tenha sido a única viagem das suas vidas, acham que são melhores ou mais interessantes do que:

* Pessoas que foram à Índia com uma viagem marcada por uma agência de viagens e fizeram questão de dormir em hotéis bons.

* Pessoas que nunca foram à Índia, mas conhecem Portugal, Espanha e/ou outros países da Europa.

Não, para os snobs das viagens isso é tudo muito aborrecido. Giro é visitar a Ásia e a América Central, o resto nem conta como viagem a sério.

Acho que é notório o quanto isto me irrita.


Eu amo viajar, e felizmente a vida tem-me permitido fazê-lo. E garanto-vos que me deixa igualmente entusiasmada visitar o Quénia, a Malásia ou a Costa Rica e o Alentejo, Sevilha ou Londres. É tudo uma questão de postura: quem gosta verdadeiramente de viajar, com toda a sua alma, terá sempre no coração um entusiasmo vibrante no que toca a conhecer coisas novas - mesmo que sejam apenas a dez minutos de casa.


E deixa-me fora de mim que as pessoas perguntem onde vamos passar a lua-de-mel e fiquem em choque quando digo quase histérica que vamos fazer uma road trip por França e Espanha, como se esta não fosse uma viagem válida.

'E o México?' - perguntam. Já conheço. E as Maldivas? Idem. Tal como a Indonésia, a Tailândia, São Tomé e Príncipe, Cuba ou a República Dominicana.

Sabem o que é que eu não conheço? França e Espanha. E por isso mal posso esperar por fazer a viagem que preenche o nosso coração há meses, e confesso que sinto sérias dificuldades a conter o meu entusiasmo.


Nunca deixem que ninguém diminua as vossas experiências. Independentemente de só conhecerem Portugal ou de até já terem um currículo de viagens jeitoso, o que importa é nunca perderem a capacidade de ficarem maravilhados com o que vos rodeia e sonharem com o próximo destino.

E agora para me acalmar vou beber um chá. E como está calor e não me apetece muito beber coisas quentinhas, aqui vai a versão em iogurte :)


Iogurtes de erva-príncipe

Ingredientes (para sete iogurtes):

* Um litro de leite fresco meio-gordo;
* Três colheres de sopa de leite em pó magro;
* Três colheres de sopa de açúcar branco;
* Um punhado de erva-príncipe;
* Um iogurte natural.

Confecção:

* Numa panela colocar o leite, o leite em pó, o açúcar e a erva-príncipe e mexer com uma vara de arames;

* Levar ao lume até ferver e deixar arrefecer;

* Quando estiver morno juntar o iogurte, misturando com a vara de arames;

* Levar à iogurteira durante cerca de dez horas;

* Transferir para o frigorífico durante pelo menos quatro horas.

Até amanhã! :D

16 comentários:

  1. É essa capacidade de te deslumbrares com tudo à tua volta que eu adoro!
    Só quem nunca foi ou pesquisou sobre as cidades lindas que há em espanha e frança, entre muitos castelos, vilas medievais, vinhas fantásticas, é que pode achar que é um destino aborrecido. Aborrecidos são os nazis das viagens ;)

    BJS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E mesmo assim o vale do Loire vai ter de ficar para uma próxima oportunidade ;)

      E os picos da Europa :D

      E o Rio de Janeiro :D

      Eliminar
  2. Lol o que eu me ri com este post! Percebo perfeitamente o que dizes! Eu também adoro viajar, e felizmente já conhecia uma série de países, mas não fico menos entusiasmada com uma simples viagem à porta de casa! O que me importa é ir! Conhecer, falar com os residentes, comer (tudo qto possível) da comida típica, imaginar se conseguiria viver lá ou não, enfim uma série de coisas que tanto me sabe bem a 10km como a 100km, 1000km, 10000km ou por aí fora! Olha, sabes o que te digo? Diverte-te mas é! :-D beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Os meus pais foram de lua de mel a Torres Vedras. Ao que consta, foi muito divertido :P Tudo depende da postura, é verdade. A tua lua de mel parece-me a lua de mel perfeita ^^
    Chá nos iogurtes??? O.O As tuas receitas nunca deixam de me surpreender :)

    ResponderEliminar
  4. Também eu adoro viajar e tento que faça parte integrante da minha vida. É sem duvida uma das melhores coisas que se pode fazer!!

    Há passatempo a decorrer no meu blog para Portugal e Espanha, é fácil participar. Convido a ver:

    http://pratocaseiro.blogspot.pt/2014/08/passatempo-receita-mais-fresca-deste.html

    ResponderEliminar
  5. Opá identifiquei-me MIL com este post! Eu fiz uma missão de voluntariado durante um mês inteirinho no Brasil. Passei todo aquele tempo em condições que não foram de todo as melhores e muito menos as mais agradáveis, vivi na favela e por isso experienciei aquele mundo. Não é melhor nem pior, é diferente. Ia para fazer mais, para trabalhar, para crescer... Foi isso que fiz. Repito, não é melhor nem pior, é diferente. Também fui ao Egipto e fiz um cruzeiro no Nilo com tudo pago e a passar tardes na piscina e manhãs a visitar tudo o que era ruína. Também fui a marrocos de mochila as costas e comi coisas muito estranhas que me deixaram a barriga as voltas. Também fui ao México e ganhei um tédio de morte por só haver piscina e praia. Também fui ao Porto e paguei imenso para andar de eléctrico.... E bom, foi TUDO maravilhoso. TUDO. Sem excepção. Foram experiências que me mostraram mais, que me abriram horizontes e me fizeram olhar o mundo com outros olhos. Por isso por favor não me venham dizer que eu tenho que ir para a Índia de mala as costas para conhecer bem aquele país. Porque todos os sítios onde eu tive eu conheci, explorei e cresci e isso sim é o importante. Adequar uma viagem as nossas expectativas, realidades e necessidades isso é que é importante. Se um ano é de mala as costas que nos apetece, muito bem. Se noutro ano é numa viagem com horas marcadas e guias atrás de nós siga. O importante é ir com o coração leve e despreocupado.
    Mas é o que eu digo... Há uns anos atrás era super fino ir-se em excursão! "Uah!!! Que fino. Tudo pago e sem preocupações." De preferência 15 dias e a fazer amizades com os outros casais. Agora? Agora não é giro se não se apanha pelo menos 3 sustos e uma valente doença. É o 8 e o 80.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A sério que isto me irrita à brava. Estou inscrita num determinado grupo do facebook para viajantes com mais de 2000 membros e sempre que alguém coloca uma dúvida sobre Laos ou o Cambodja tem 20 ou 30 respostas. Eu perguntei coisas sobre o parque natural de Cévennes em França - zero respostas. O meu amigo Bernardo perguntou sobre o vale do Loire (que é liiiiindo) - zero respostas. Mas que snobs ;)

      Enfim, o que interessa é ir e o resto é conversa :D

      Eliminar
    2. Eu no outro dia comentei que estava a pensar ir a Turquia num grupo organizado e juro que senti chamas a sair dos olhos de algumas pessoas! Aahaha

      Eliminar
  6. Olá, Joana!
    Achei muito engraçado este post e por isso não pude deixar de comentar. Eu tinha 19 anos, a um mês do 20, na primeira vez que fui a Lisboa. Foi a maior experiência que tinha tido até então, fiquei maravilhada por ir à capital sozinha, numa viagem de autocarro de cerca de 4 horas, ahah. Parecia que tinha percorrido o mundo, tal era o entusiasmo. E ver o Mosteiro e a Torre de Belém pela primeira vez foi tão mágico quanto se estivesse noutro país. Depois disso, fui a Lagos e esta foi, então, a viagem mais longa que fiz - também no autocarro, eheh. Por isso o lugar para onde vamos não importa, importa sim é o que sentimos em relação a onde vamos. :D E sim, orgulhosamente expus algumas fotografias do sítio mais longe para onde fui, como se à China eu tivesse ido! :p

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu, que fui à Serra da Estrela pela primeira vez já com o Pedro e já com 20 anos? É sempre lindo, enche a alma e o coração... É preciso é ter o espírito certo! ;)

      Um grande beijinho :)

      Eliminar
    2. Ui ui, Serra da Estrela preciso de conhecer :) Nunca vi neve!
      Beijinho! :D

      Eliminar
  7. Beijinhos e continuação de boas viagens! :D
    (O iogurte parece óptimo!).

    ResponderEliminar
  8. Olá Joana!

    Encontrei o teu blogue há algum tempo (umas semanitas), mas ainda não tinha comentado, porque acho sempre que estou a invadir a casa e a vida de alguém ^^ ( e esta é mesmo a 1ª vez e o 1º blogue que comento)! Adoro todos os teus posts (já li montes deles) e as tuas receitas, principalmente as mais gulosas, como eu :) e acho delicioso o facto de cada post contar sempre uma história. Este post foi aquele em que pensei: tenho mesmo de comentar!!! Porque tenho exatamente a mesma opinião em relação às viagens e porque tem uma receita de iogurte. Eu adoro iogurtes e as tuas receitas de iogurte têm sempre um aspeto divinal, mas, não tendo eu uma iogurteira, ainda não me "obriguei" a tentar. O manual do forno diz que sim, que há um programa para fazer iogurtes, eu tenho sérias dúvidas. A cada receita tua de iogurte, a vontade de me aventurar nos iogurtes aumenta e, mais dia menos dia, vou saltar de cabeça e talvez (ou mesmo muito provavelmente) venha aqui pedir conselhos. Em relação à lua-de-mel e às viagens, subscrevo inteiramente as tuas palavras. A minha lua-de-mel foi na Covilhã-Serra da Estrela e, na altura, algumas pessoas disseram-me: "Huuum, lua-de-mel na Covilhã?! Mas não tens praia, não tens calor [sim, casei em dezembro eheh, fazia muito frio aqui pelas terras lusitanas]. A Covilhã não tem nada de especial!". Mas teve e tem tudo de especial, sim: tinha a pessoa que amo ao meu lado. O importante nas viagens são as pessoas com quem estamos ou nós mesmos (sim, podemos ir sozinhos, porque não?), são as experiências novas (e as revisitadas), é o sentimento de liberdade e de felicidade, independentemente de estarmos no nosso lindo país, na nossa vizinha Espanha ou no outro lado do mundo. As pessoas que criticam (ou menosprezam) as viagens das outras, por acharem que não foram suficientemente aventureiras ou interessantes, demonstram uma enorme falta de humildade e de humanidade. Mas não gostava de ir a mais lugares? Gostava. Mas tento aproveitar ao máximo os lugares onde vou, dentro das minhas possibilidades, e sou feliz assim. Desculpa o testamento...entusiasmei-me :p!

    Espero que o casamento e a lua-de-mel sejam tudo aquilo com que sonhaste e que sejas muito feliz :)!
    Beijinhos
    Vânia Alves

    P.S.: Como novata que sou, nesta coisa de comentar em blogues, tentei já publicar um comentário que não aparece(u). Se aparecerem dois comentários, assim muito parecidos, ignora um deles ;).

    ResponderEliminar
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  10. olá, eu quase não viajei nesta vida. após a formatura, fui duas vezes ao estrangeiro, mas nada particularmente interessante pra mim. agora que estou grávida e decidi não ter festa para poder viajar, existem vários palpiteiros de plantão. que eu deveria de novo ir aos eua comprar o enxoval e etc. credo, se tiver que ir aos eua de novo e perder a oportunidade de conhecer algo que realmente vale à pena pra mim, acho que morro de frustracao. e um dos meus sonhos é ir pra espanha, como você ;) boa viagem!

    ResponderEliminar
  11. Olá!

    eu vivo em Madrid. Se passar por cá e quiser conhecer recantos escondidos, apite!

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />