7 de julho de 2014

Muffins de baunilha com nectarina para uma professora amarga.

Do you, do you really enjoy
Living a life that's so hateful?
'Cause there's a hole where your soul should be,
You're losing control a bit,
And it's really distasteful.

Lily Allen


A minha escola secundária era religiosa e por isso as aulas de educação moral eram obrigatórias.

No início não era assim tão mau: aprendíamos coisas giras sobre as vidas dos diferentes santos, passávamos aulas inteiras a conversar fazer trabalhos de grupo e víamos filmes com personagens boas e justas (como o Patch Adams).

Até que, numa tentativa de modernizar a questão, a escola decidiu mudar de professora e colocar a nossa nova professora de moral a ensinar-nos educação sexual. 


De repente as nossas aulas engraçadas (ou, pelo menos, suportáveis) transformaram-se numa hora interminável onde víamos fotos de genitais cheios de lesões a deitar pus das mais variadas cores, estudávamos ao pormenor todas as doenças sexualmente transmissíveis existentes e as suas consequências dramáticas e aprendíamos como usar o método do calendário, o único método contraceptivo que a escola admitia que nos fosse ensinado.  E pelo meio ainda víamos filmes altamente perturbadores com adolescentes grávidas, mães psicóticas e violações em grupo.


Um dia, depois de vermos um filme sobre uma adolescente que era violada pelo namorado da melhor amiga, eis que a dita professora nos ensinou o seguinte:

Quando iam a uma festa as raparigas não deviam beber - depois podiam ser vítimas de violação e indirectamente a culpa seria delas. Além disso, aquando de uma violação era impossível que uma rapariga engravidasse porque libertava hormonas que impediam a fecundação. Se ocorresse uma violação e a rapariga engravidasse era porque de certa forma ela tinha provocado o violador ou teria concedido em ser violada. 

Vou dar-vos alguns momentos para se libertarem da sensação de nojo que certamente se apoderou das vossas entranhas. 


Garanto-vos que isto aconteceu em 2006, e não em 1960. E é assustador pensar que muito provavelmente continuará a acontecer em 2060. Porque a ignorância atroz e o preconceito irão sempre existir, e cabe-nos a nós lutar contra eles. 

Como fazemos isso? Estamos informados. Somos sinceros com os miúdos. Damos abertura para que façam qualquer pergunta, sem reservas ou vergonhas. Permitimos o acesso à informação correcta. Falamos de todos os métodos contraceptivos existentes, das suas vantagens e das suas desvantagens. Esclarecemos a importância da prática de sexo seguro, mas também a importância de esperar pela pessoa certa. Marcamos uma consulta no médico de família, se preferirmos que seja ele a explicar alguns dos detalhes mais técnicos sobre a contracepção. Desfazemos mitos. Avisamos sobre a gravidez e as doenças sexualmente transmissíveis e mostramos as suas consequências. Ensinamos valores como o respeito pelo outro e pela sua liberdade pessoal. E nunca desculpamos uma violação com argumentos ridículos, arcaicos e injustos como o facto de alguém estar com roupas provocantes ou alcoolizado. 


Acima de tudo, não deixamos que sejam as pessoas amargas com a vida a ensinar coisas tão importantes como essas aos nossos adultos de amanhã. Porque, bem lá no fundo, essas pessoas ressabiadas e preconceituosas só estão é com falta de queques. E de outras coisas com uma sonoridade muitíssimo parecida. 


Muffins de baunilha com nectarina 

Ingredientes (para dez muffins):

* 190g de farinha de trigo;
* Duas colheres de chá de fermento;
* Uma pitada de sal;
* Um ovo;
* 150g de açúcar;
* 80ml de leite meio-gordo;
* 80ml de óleo vegetal;
* Uma colher de chá e meia de essência de baunilha;
* 150g de nectarina descascada e partida aos cubinhos (uma nectarina pequena);

Confecção:

* Numa tigela grande juntar a farinha, o fermento e o sal;

* Noutra tigela bater bem o ovo e juntar o açúcar, batendo bem até que se forme um creme mais claro; 

* Acrescentar o leite, o óleo e a essência de baunilha, batendo bem entre cada ingrediente;

* Misturar os ingredientes líquidos com os ingredientes secos e mexer suavemente apenas até a mistura ficar ligada;

* Juntar os cubinhos de nectarina e envolver;

* Colocar a massa em forminhas para muffins e levar ao forno pré-aquecido a 220º durante sete minutos; 

* Sem abrir a porta do forno, baixar a temperatura para os 190º e deixar cozinhar durante mais quinze minutos. 

Tenham uma óptima Muffin Monday :)

11 comentários:

  1. Realmente.... Essa tua professora devia ter uns recalcamentos quaisquer.
    É por essas e por outras, que os jovens são o que são; não sei o que é pior, se a falta de informação se informação errada!
    Quanto aos mufins: um must-try, definitivamente!!!

    Beijinhos e boa semana!

    ResponderEliminar
  2. Diz-me que isto não aconteceu XD
    Se na altura tivesses uns queques destes, podias ter-lhe dado um ou dois, podia ser que mulher ficasse mais docinha (ou então se engasgasse com um, se tivesses sorte...).
    Que tristeza.

    ResponderEliminar
  3. Olá Joana :-)

    Ahahahahah :-) Gostei especialmente da parte em que as pessoas ressabiadas definitivamente teem falta de queques :-)
    Mas é por causa dessas mentalidades que nalguns assuntos não há evolução e é triste :-(
    Estes queques parecem muito fofinhos, com ingredientes fáceis e rápidos de fazer...

    Beijinhos e uma boa semana***

    ResponderEliminar
  4. Oh Joana, este post provocou-me duas, aliás, três sensações bem diferentes:

    1ª- WTF???? se a rapariga violada engravidar é porque de alguma forma gostou??? WTF??? Que raio de colegio era esse??? A minha mente continua em estado de choque com tamanha "estupideza"!

    2ª - Falta de queques??? Um grande LOL é o que merece esse comentario! Sem duvida que deve ser esse o problema

    3ª - Mas que bem pensado queques de nectarina... Humm, olha e posso dar-te um ideia, nesta altura do ano há muitas ameixas vermelhas, que tal uma receita com ameixas, ou já tens algumas e eu não vi?

    Mas sabes tens razão quanto à educação sexual... é algo tão importante e depois há pessoas sem qualquer tipo de formação e com tantos preconceitos a ensinar adolescentes que se torna assustador!

    ResponderEliminar
  5. Uah! É impossível ler este post e não ficar um bocadinho aterrorizada! :S Mas bom, temos os queques ahah

    ResponderEliminar
  6. Ahahahahahahahahah! Adorei a punch line! ;-) Concordo absolutamente.

    ResponderEliminar
  7. Joana o que eu me ri com isto: "Porque, bem lá no fundo, essas pessoas ressabiadas e preconceituosas só estão é com falta de queques. E de outras coisas com uma sonoridade muitíssimo parecida." :D

    Não poderia estar mais de acordo com tudo o que escreveste, e cada vez gosto mais de ler aqui o teu cantinho, pois há sempre qual quer coisa que vou guardar na memória :)

    Ai meu Deusssss e estes queques maravilhosos?! adoro! :)

    Beijinhos

    http://miascuisinemf.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  8. Bem.. chocante... e completamente inacreditável! Valem-nos os teus queques Joana ;)
    Beijinhos,
    http://sudelicia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  9. Uau... O problema não é só da época. E mesmo que haja acesso facilitado a informação há quem prefira viver com crenças antiquadas.
    É mesmo chocante... Sinceramente a maioria dos professores de moral parece-me fundamentalista e antiquada, e até um bocado com a mania de que são profundos/ponderados. Um dizia que uma das 2 únicas maneiras de abortar era através de uma pílula horrível que obrigava ao internamento durante dias; a mãe podia não sobreviver, tinha as piores dores que alguma vez sentiu, podia-se esvair em sangue a partir do útero e ter danos internos graves, não havia maneira de controlar as dores insuportáveis e só podia ser feita uma vez na vida, após o que a mulher nunca mais poderia ter filhos. A outra era sugar através de uma máquina o bebé, que sentia cada um dos ossos a partir-se, ficava sem ar, era apertado e ficava a sufocar, gesticulava e se debatia e tentava gritar mas não conseguia por não ter ar, mesmo que só tivesse uns dias de "existência". E mesmo deste modo havia severas consequências para a mãe, de que já não me lembro pormenorizadamente.
    Também houve umas histórias macabras sobre a existência de clonagem de vilões da história mundial nos submundos americanos, mas nem vou falar sobre isso.
    Já tive alguns professores maus (não no sentido de severos, mais no sentido de maus profissionais - não me cabe a mim avaliar, mas já testemunhei algumas situações muito desagradáveis), mas acho que nenhum tão revoltante como a tua. Quem dera que na altura já fizesses queques (será que também resultava com o Dr. Cocó?), não? :)
    Adorei a última frase! Haha :)
    Nem quero falar mais uma vez desses muffins, que ridiculamente bons! Talvez saltasse a nectarina, só para não estragar a pureza e simplicidade desses bonitinhos - apesar de saber que seriam bons de qualquer das maneiras. Também é porque não costumo comprar nectarinas, gosto delas verdes e acabam sempre por ficar moles demais para o meu gosto. Assim posso fazer a qualquer altura ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por acaso nunca tive razões de queixa com professores de moral, à excepção dessa mesmo (que ainda por cima foi nossa professora durante dois anos!) ;)

      Honestamente acho que a questão do aborto acaba por ser mais 'compreensível'. Ou seja, era uma tentativa de chocar os miúdos (talvez mais as miúdas) para que tivessem medo antes de iniciar a sua vida sexual, com medo de uma possível gravidez e consequente hipótese de aborto. Não sendo correcto, não me parece horrível. Conheço uma pessoa que descobriu que o filho andava a fumar e levou-o a um centro de apoio a toxicodependentes para ele ver o aspecto de alguém viciado em drogas, por isso acho que estás a ver que há métodos educacionais muito questionáveis (embora inegavelmente eficazes). Mas a questão da violação é totalmente não produtiva, porque ninguém consegue evitar ser violado. Enfim. Isto foi só um best of dos tesourinhos deprimentes, a senhora tinha umas ideias muito interessantes sobre muita coisa (e infelizmente não se inibia de as partilhar).

      Gostas de nectarinas verdes? Sai já deste blog! Aqui só aceitamos malta que tem bom gosto e que gosta de nectarinas madurinhas, quase a desfazer-se (tenho ali umas a amadurecerem de propósito para fazer iogurtes) ;)

      Beijinhos :)

      Eliminar
  10. Uau... alguém ensinou educação sexual a essa senhora???
    Noooossa senhora, quanta ignorância :-)
    E tive que ler isto à procura de uns queques, heheheheh :-)
    Beijo
    Cláudia

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />