12 de março de 2014

Pastéis de nata (a saga).

'For an idea that does not first seem insane, there is no hope.'

Albert Einstein


Eu sou especialista em ter ideias verdadeiramente peregrinas - vocês sabem, aquelas ideias completamente loucas e irreflectidas que nos fazem todo o sentido uma vez que pensamos nelas, mas que para os outros parecem com razão absolutamente irrealizáveis.

Foi assim com a pavlova, uma ideia que me ocorreu de repente e que, ao contrário do que seria de esperar, não poderia ter corrido melhor. Foi também assim com estes pastéis de nata.


Não sei muito bem como me ocorreu esta ideia, mas sei que naquele dia cheguei a casa e pus logo mãos à obra. Vi um vídeo sobre a técnica da massa folhada, respirei fundo, enchi-me de confiança e atirei-me de cabeça para aquela que foi possivelmente a receita mais trabalhosa de sempre. Decididamente, devia ter dado ouvidos ao Pedro.


Na primeira fornada a massa folhada ficou muito grossa e não cozeu. Seis pastéis de nata para o lixo. Na segunda fornada o recheio ficou líquido (e a massa folhada também não cozeu!). Seis pastéis de nata para o lixo. Na terceira fornada a massa cozeu, mas não folhou - ficou parecida com massa quebrada. Na quarta fornada este acontecimento misterioso repetiu-se. Encolhi os ombros e levei os doze pastéis para o hospital, onde foram muito elogiados e apreciados.


Na semana seguinte voltei ao ataque, desta vez com uma massa folhada de outra marca. Na quinta fornada a massa folhou, mas fechou-se sobre si própria e ficou estranha (visualmente falando). Os pastéis ficaram bons, mas não pareciam de todo pastéis de nata.

Não nego que fiquei destroçada. Nunca tinha encontrado uma receita que não conseguisse fazer ao fim de duas ou três tentativas, e confesso que todo este episódio estava a arruinar a minha auto-estima culinária.

E porque também é uma demonstração de força sabermos quando devemos desistir, decidi fazer isso mesmo: desisti.


O problema é que nessa noite não sonhei com outra coisa - passei literalmente toda a noite a sonhar com recheios, massas folhadas e tudo o que podia ser melhorado.

E por isso no dia seguinte meti novamente mãos à obra, absolutamente convencida de que iria ser a última vez que fazia aquela receita inventada pelo demónio. E foi. Não porque desisti, mas porque à sexta foi mesmo de vez.

Finalmente.

Agora vou passar meses sem conseguir ver um pastel de nata à minha frente.


Pastéis de nata (receita adaptada do blog 'Cozinha[daduxa]')

Ingredientes (para 24 pastéis de nata):

* 600g de massa folhada;
* 500ml de leite;
* Casca de um limão (para a próxima coloco de dois);
* Dois paus de canela;
* 60g de farinha integral peneirada (podem usar farinha normal);
* 220g de açúcar;
* 250ml de água;
* Sete gemas.

Confecção:

* Dissolver a farinha num pouquinho do leite;

* Levar o leite restante ao lume juntamente com a casca de limão e os paus de canela;

* Quando ferver juntar a farinha dissolvida no leite e mexer bem;

* Deixar ferver novamente, desligar o lume e reservar;

* Numa panela à parte juntar o açúcar e a água e levar ao lume;

* Deixar ferver durante exactamente três minutos, desligar e juntar em fio ao leite, misturando bem;

* Coar a mistura e deixar arrefecer até ficar à temperatura ambiente;

* Estender a massa folhada num rectângulo e enrolar, formando um rolo;

* Cortar em rodelas com aproximadamente 1.5cm de espessura;

* Colocar as rodelas dentro das forminhas untadas e com os polegares fazer pressão no centro da massa, espalhando-a até aos bordos até que a massa fique fininha no fundo e mais grossa dos lados;

* Quando o creme ficar frio juntar as gemas e mexer bem com uma vara de arames;

* Colocar o creme nas forminhas e levar ao forno pré-aquecido a 250º durante dezassete a vinte minutos;

* Desenformar e servir polvilhados com açúcar em pó ou canela.


São bons? São. Sabem a pastéis de nata? Indiscutivelmente. São melhores do que os de compra? São melhores do que aqueles do supermercado, mas não são melhores do que aqueles que se compram em algumas pastelarias que (ainda) têm fabrico próprio - o recheio é delicioso, mas a massa folhada não fica tão estaladiça como a dos pastéis de nata mesmo bons.

Independentemente disso, foi uma experiência nova e valeu a pena por isso :)


Espero que gostem :D 

Até amanhã! :D

8 comentários:

  1. Eu adorei e foi à 6ª tentativa mas valeu a pena.
    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Pasteis de nata têm mesmo a sua técnica, e nunca fiz, acho que é preciso coragem!
    Olha...mas valeu a pena, ficaram mesmo bonitas! :)
    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  3. Também tive essa saga recentemente e cheguei a uma receita da qual gosto, mas que também ainda não acho perfeita. Talvez fiquemos com essa ideia porque são nossos e queremos sempre melhorar... Acho que somos os nossos maiores críticos! Cá em casa, os meus foram só à 2ª tentativa e também foram elogiados por saberem a "nata verdadeira" (?)! Mas os pastéis de nata têm muito que se lhe diga...
    O importante é mesmo não desistir e (depois da pausa para desenjoar) voltar a tentar novamente. Vamos tentar tantas vezes que pelo menos quando formos velhinhas vamos ter uma receita fantástica para servir ao lanche aos nossos netinhos!! :P
    Os teus pastéis, não os provei, mas de aspecto estão perfeitos :) Provava um!

    ResponderEliminar
  4. É pá, fiquei com tanta pena desses pastéis deitados para o lixo! (tenho uma angústia com o desperdício e parte-me o coração deitar comida fora...). Mas ainda bem que insististe porque ficaram bem bonitos!

    ResponderEliminar
  5. Como disse uma vez o Jamie Oliver num programa: "a vida é demasiado curta para fazerem a vossa própria massa folhada" :P
    Ficaram lindissimos, vou levar a receita comigo!

    ResponderEliminar
  6. Excelente! A persistência é uma virtude. Ficaram óptimos!
    Bjinhos

    ResponderEliminar
  7. Eu gosto da ideia de melhorar uma receita, pensar em substituições e repetir... Para tentar encontrar a receita perfeita. Mas tantas vezes também não :P
    É muito chato desistir... Não te julgaria se o fizesses (acho que eu desistia na seguna (primeira?) fornada e ia ali à padaria que tem as melhores natas do mundo comprar meia dúzia... E depois culpava a difusão de receitas tradicionais em Portugal :P os americanos têm uma para cada marca ou doce ou barra ou molho, por que é que nós não podemos? Só há aqueles sites manhosos :( Apesar de ainda haver algumas receitas que parecem boas em blogs!)
    Ainda bem que houve um final feliz :D acabaram por ficar com muito bom aspeto (e realmente parecidas com natas!) :)

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />