4 de fevereiro de 2014

Creme de espinafres e (mais) uma epifania!

'Give me grace to accept with serenity the things that cannot be changed,
Courage to change the things which should be changed,
And the wisdom to distinguish the one from the other.'

Reinhold Niebuhr


A minha primeira semana de trabalho foi extremamente complicada: depois de ter passado os últimos seis meses em casa a estudar, ter repentinamente de equilibrar estar dez horas por dia fora com cozinhar, tratar da casa, estar com os amigos, ter tempo para namorar e manter a minha sanidade mental não se revelou nada fácil. Juntem a isto alguns problemas pessoais e familiares, e aqui têm a mais eficaz receita para a desgraça.


Para vos ser muito sincera eu estava completamente esgotada. Ainda me sentia imensamente cansada (física e psicologicamente) de todas as emoções fortes dos meses anteriores, estava irremediavelmente insegura em relação às minhas capacidades técnicas e fiquei absolutamente aterrorizada com a minha falta de motivação para fazer o que tanto desejei nos últimos seis anos: ser, finalmente, médica.

Perguntava-me todos os dias se teria cometido um grande erro, se estaria no lugar certo e se seria boa o suficiente. Sentia que não era ali que pertencia, que estava perdida e que não sabia o que fazer.


Num desses dias extremamente deprimentes o Pedro ficou de banco e eu fiquei sozinha em casa toda a noite. Vai daí vesti o pijama, vi três episódios de 'Masters of Sex' seguidos, tratei da minha quintinha virtual no Hay Day e depois telefonei à minha mãe a pseudo-choramingar e a pedir disfarçadamente por colinho.

A minha mãe disse-me que tudo ia ficar bem. Disse que era só uma fase, que a adaptação a um sítio novo era sempre complicada e que começar a trabalhar era difícil. Disse que a insegurança e o medo eram normais, e que teria de lidar com eles durante todo o meu percurso profissional.

E no fim do telefonema disse 'Joana, tu tens de parar de ter pena de ti própria'.


Acho que se nota que eu sou uma pessoa extremamente positiva. Mas também tenho uma enorme tendência para ter pena de mim própria, o que não deixa de ser um grande desperdício de tempo - até porque choramingar efectivamente não resolve os problemas de ninguém.

Por isso levantei a cabeça. Aceitei que vou andar esgotada durante uns tempos e que talvez não consiga fazer tudo aquilo que gostaria. Aceitei que vou cozinhar menos, que vou adiar planos e que vou falhar metas pessoais. Aceitei que ninguém vem a correr atrás de mim, e que por isso não preciso de me sobrecarregar tanto. Aceitei que, muitas vezes, ter o controlo sobre as situações envolve saber quando parar de tentar controlar tudo.

Aceitei que vou ter dias maus e que preciso de lidar com eles da melhor forma que sei: a respirar fundo, a cantar no carro, a aninhar-me no colo do Pedro, a sentir-me feliz com as pequenas coisas e a cozinhar pratos quentinhos e reconfortantes como este creme de espinafres.

Afinal, a vida é demasiado curta para a desperdiçarmos com preocupações e inseguranças.


Creme de espinafres

Ingredientes (para seis a oito doses):

* Um alho francês cortado em rodelas;
* 100g de abóbora;
* Duas cenouras cortadas em rodelas;
* 400g de couve-flor congelada;
* 200g de espinafres;
* Sal a gosto;
* Um fio de azeite (opcional).

Confecção:

* Juntar os ingredientes e levar a cozer numa panela com água temperada com sal;

* Triturar com a varinha mágica e servir.


Até amanhã! :D

14 comentários:

  1. Às vezes, lá vem a auto-comiseração apoderar-se de nós... Mas nada que um bom colinho de mãe ou de namorado não resolva ;)

    ResponderEliminar
  2. Entendo perfeitamente Joana, é mesmo normal, ainda é o primeiro mês custa sempre a adaptar. Apesar de termos estado sempre em contacto perto com essa realidade, por na pratica tudo que aprendemos é muito diferente...principalmente nas urgencias com aquele stress todo...! Mas acho q já estas a pensar da forma certa :). aporveita muito este ano para aprender e tambem para te divertires antes da especialidade ;) boa sorte e muita força.
    Marta Sousa

    ResponderEliminar
  3. Que sopa mais cheia de bom aspecto e uma cor bem linda.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Não deixa de ser verdade, mas todos nós temos um tempo de "digestão" para arrumar o que nos acontece e por isso também tens direito.
    beijocas e a sopinha tinha um ótimo aspecto

    ResponderEliminar
  5. Disseste tudo! Isto de termos de andar sempre felizes, animadas, entusiasmadas e motivadas é um mito, inventado de propósito para nos atormentar :)
    Boa sorte!

    ResponderEliminar
  6. Eu adoro sopa assim, ralada :) Depois junto sementes de chia e já está!
    O que a tua mãe te disse foi bastante forte mas algumas vezes precisamos de chamadas de atenção :)

    ResponderEliminar
  7. Adorei a sugestão! Ideal para estes dias frios...
    Bjs.

    ResponderEliminar
  8. Ficou com um aspecto cremoso mesmmo bom :)

    ResponderEliminar
  9. Olá! Disseste bem, Joana! A vida é curta para desperdiçarmos o nosso tempo com excessivas preocupações, lamentações e com o que nos escapa ao controle. Vale mais pensar em todas as coisas que temos boas. E são tantas!!
    Beijinhos e continuação de momentos felizes.

    ResponderEliminar
  10. Quando apagares o lume da sopa, experimenta colocar cogumelos frescos cortados e tapas (ou podes até deixar ferver um bocadinho). FICA ÓPTIMO!!! JURO! Desde que descobri esta sopa tou viciada!

    ResponderEliminar
  11. Joaninha,
    Conseguiste passar para o "papel" as coisas que sinto :)
    O melhor é mesmo aproveitar o melhor que temos e saber distinguir as "prioridades prioritárias".
    Beijinhos grandes e... tenho saudades tuas!!!

    ResponderEliminar
  12. Numa fase não muito positiva a nível profissional, que me está a arrancar muito tempo livre e por isso não ando muito por aqui, obriguei-me a arranjar 1 minuto para deixar um pequeno (talvez grande ou gigante) comentário.
    O início da vida profissional é sempre assim, estamos muito entusiasmados por começar mas quando vem a responsabilidade cai-nos o mundo em cima! Bem me lembro da 1.ª vez que entrei numa sala de aula com uma turma e que me fez pensar: "Ai bolas! E agora o que faço com eles?" Depois vem o divertimento pela realização de se fazer o que corre nas veias, mas tenho de confessar que todos os Setembros, mesmo 12 anos depois, me vem o assombro: opá, será que sou capaz de pegar noutra turma? Claro que sim! Se é o que me corre nas veias tenho mais é que me divertir e dar o meu melhor (mesmo que implique ir trabalhar com dor de barriga depois de um pai deixar uma simpática mensagem ao portão: onde é que está a professora que quero partir-lhe as trombas! (e a aluna nem era minha!!! só tive o azar de ser a escolhida para o seu rol de invenções). Ossos do ofício!
    Vá, vai lá ser uma dra à séria e como imagino: simpática, humana e a dar dicas sobre como melhorar a saúde através da alimentação!
    Curiosamente hoje li algures: What ever you are... be a good one!

    beijinho e tudo a correr pelo melhor!
    (por cima do quadro tenho uma frase que faço os meus pequenos repetir algumas vezes: "Eu consigo!", se for preciso repete-a também)

    ResponderEliminar
  13. Também tenho um bocado a mania de me martirizar, acho que quando for a minha altura me passo :P que deprimente, e dura até quando se é velho... Sem fases sossegadas ou tardes/manhãs em casa. :P mas há que ver o lado positivo! Ainda bem que já aceitaste isso, assim é muito mais fácil... Mesmo assim ainda fazes imensas coisas (incluindo receitas criativas e diferentes e imensas receitas durante o fim‑de‑semana - vi no facebook dok blog e fiquei surpreendida. Não consigo fazer assim tanta coisa não aborrecida :)
    O creme de espinafres parece muito bom :) tem aspeto de sopinha da avó (isto é no bom sentido, claro, excluindo o facto de muitas bós terem perdido a paciência para passar com a varinha mágica até ficar bom). Quando fiz cremes fiz uma coisa totalmente diferente, mas isto parece-me muito bom :D
    Beijinhos :)

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />