22 de novembro de 2016

Matias Phelps?

Desde que o Mati nasceu que percebemos que o miúdo A-DO-RA água. A loucura é tal que deixámos de lhe dar banho em dias alternados (como é actualmente recomendado) e passámos a dar-lhe banho todos os dias, e é de longe o momento preferido do dia para todos. O Mati delira, chapinha, ri às gargalhadas, mexe as pernocas, molha-nos todos, bebe água, brinca com os brinquedos e fica a olhar para o espelho com a cara mais cómica de sempre, nós aproveitamos para nos apaixonarmos mais um bocadinho todos os dias pela nossa coisinha fofa. Depois do banho ele bebe o leitinho e desmaia na cama, nós jantamos e desmaiamos no sofá.

A dada altura surgiu a ideia de o inscrevermos na natação. Ele gosta de água, nós não conhecemos mais ninguém com bebés e por isso o contacto dele com outras crianças é nulo (aliás, a primeira vez que o miúdo esteve com um bebé foi na Quinta-feira passada, quando fui lanchar com uma leitora do blog), é uma actividade gira para fazer em família, é uma boa forma de o estimularmos... Enfim, pareceu-nos uma óptima ideia, e no Sábado passado fomos fazer a aula experimental.

Depois do que relatei acima, acho que conseguem perceber que tínhamos as expectativas super altas. Acho que uma parte de mim estava à espera que o miúdo saltasse sozinho para dentro da piscina, verbalizasse 'vocês são os melhores pais do mundo' e desatasse a fazer os 100m de mariposa. Já me estava a imaginar como uma espécie de mãe do Cristiano Ronaldo mas em versão Phelps, com o meu Mati no pódio dos Jogos Olímpicos.

Não foi isso que aconteceu.



Vamos lá aos culpados:

1. A touca. Só encontrei uma touca de silicone (era da Dory, mas o miúdo não pareceu apreciar particularmente esse facto), e parecia apertar-lhe a cabecinha. Experimentámos algumas vezes em casa e ele parecia sempre extremamente desagradado, mas também não sei o que esperava de um miúdo que odeia gorros e chapéus.

2. A sesta da manhã. Os horários da natação ao fim-de-semana interferem com a sesta da manhã do Mati, e ele anda numa fase em que precisa de dormir MUITO (hey, não me estou a queixar!). De Sexta para Sábado dormiu das 20.30h às 9.00h, às 10.00h já queria dormir novamente (é a hora habitual da sesta da manhã dele), e como tivemos que o acordar às 10.30h para sairmos para a natação o coitado até foi meio abananado. Ultimamente tem sido quase impossível sair de casa com ele de manhã por causa disto, mas nós achamos que há que respeitar as necessidades dele - e se ele precisa de dormir, precisa de dormir :)

3. O ambiente do ginásio. Não sabemos se foi o barulho (embora ele não seja de todo sensível a isso, estamos a falar do miúdo que no dia em que Portugal ganhou o Euro dormiu a noitinha toda embora houvesse malta a buzinar imenso na rua), o calor, a humidade, as outras crianças ou o excesso de informação no geral, mas mal entrámos ali notámos logo que o Mati ficou desconfortável.

No fim, não foi propriamente um desastre. O Matias não chorou, não se queixou, não fez nada de especial. Mas nós conhecemos o nosso filho, e sabemos que ele estava incomodado com qualquer coisa. Até andou lá a nadar um bocadinho ao colo do Pedro e tudo, mas não estava feliz. Não estava bem.

E nós ficámos indecisos. Por um lado, achamos que pode ser uma questão de adaptação e nunca fomos pais de desistir à primeira tentativa. Por outro, o Matias está a passar uma fase mais exigente a nível de crescimento (já tem um dente e está outro a nascer, tem dormido piorzinho por causa disso, anda a desenvolver muito a parte motora, tem comido imensas coisas novas, etc) e queremos manter a vida dele o mais estável possível.

Vai daí, estamos num impasse. Já decidimos que vamos efectivamente inscrevê-lo... A questão é quando. Já em Dezembro? Em Janeiro, quando ele entrar na creche? Em Fevereiro, para as mudanças não serem todas ao mesmo tempo? Em Março, para evitar o tempo mais frio?

Decisões, decisões.

Os meus lindões <3

12 comentários:

  1. Oh, que recordações das aulas da minha mana na Adaptação ao Meio Aquático. Quando nasceu a miúda ganhou uma mana de 15 anos (eu) e um mano com 10. Podes imaginar as brigas para ir com a miúda para a água :P
    Recomendo-te que encontres outra touca, de lycra. Eles toleram muito melhor e facilita toda a experiência, visto que estão mais confortáveis.
    Além disso, falaste no barulho, por ser um ginásio, não existe um centro, perto de vocês, dedicado apenas a bebés? As aulas dela era num centro assim e achei fabuloso para eles.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só encontrei esta, mas na aula a professora também falou das toucas de lycra. Vou procurar, talvez encontre na Decathlon! :)

      Quando andámos à procura de alternativas achámos que esta era a melhor. É muito pertinho de casa (podemos literalmente ir a pé), tem vários horários disponíveis... E além disso o barulho é mesmo das outras crianças, a aula é dos 3 meses aos 3 anos e quando fomos fazer o tal lanche com o outro bebé reparei que o barulho dos outros bebés parece confundir o Matias. Fica muito parado com um ar inquisidor :D

      Eliminar
    2. Há toucas na Sportzone custam 3€. O Lucas também já foi à natação e gostou bastante MN

      Eliminar
    3. Há toucas na Sportzone custam 3€. O Lucas também já foi à natação e gostou bastante MN

      Eliminar
    4. Oh, que giro. Provavelmente não está habituado ao barulho "dos seus semelhantes" :P
      Os miúdos são uns amores e, mesmo não tendo filhos, ter uma irmã 15 anos mais nova foi uma das melhores experiências da minha vida.
      Boa sorte com o Mati, Joana. Vocês são uma família amorosa.

      Eliminar
  2. Talvez ele só tenha ficado assim por ter sido a primeira vez e o primeiro grande contacto com outros bebés. Pode ser só uma questão de habituação. Se fosse a ti experimentava ir mais algumas vezes e depois logo via se a reacção dele mudava ou se continuava igual. (mas eu não sou mãe, por isso não sei e estou apenas a dar a minha opinião de quem nada sabe :P vocês melhor do que ninguém é que saberão o que é melhor para a vossa coisinha fofa)

    ResponderEliminar
  3. Pois, estou com o mesmo dilema mas em relação à Lara, que tem 2 anos e meio.
    Não acho nada que ela tenha que ter atividades extra obrigatoriamente mas ela é tão ativa e curiosa (como, provavelmente, todas as crianças) que começo a sentir que estou a deixar que lhe falte alguma coisa.
    Pensei na natação mas, por um motivo ou outro, vamos adiando. Eu já estou a adiar a minha ida para a natação (para aprender a nadar mesmo!) há anos!
    Depois pensei em yoga, que há aqui ao pé de casa, ou ginástica acrobática. O facto é que ela passa a vida a querer pendurar-se em coisas, saltar, dar cambalhotas e fazer a espargata no sofá. Na impossibilidade da inscrever no circo, ginástica acrobática pareceu-me uma boa ideia.
    O pai quer que ela aprenda música rapidamente, de preferência piano. Não estou em desacordo que ela experimente mas, sinceramente, acho que ela é muito mais "física" que outra coisa qualquer.
    E, com isto, ainda não a inscrevemos em nada...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Purpurina, eu tinha uns 6/7 anos e os meus pais obrigaram-me a ir estudar música. Não digo que não seja uma atividade ótima e que ajude ao desenvolvimento, mas eu sempre fui para lá contrariada, talvez pelos professores não serem do mais pedagógico que se imagine...Depois "claro" que eles projetaram os sonhos deles em mim e fiquei em violino para aí até aos 16 anos. É um instrumento bonito? É. Mas não tocado por mim. Nunca tive aquela paixão por isso, simplesmente. Preferia ter aprendido piano, acho muito bonito, embora haja sempre um período de adaptação por causa dos pulsos e etc. Na altura andei 1 mesito em orgão (era uma coisa kind obrigatória na escola onde andava), e, como é natural, queixava-me dos pulsos (quem não...) e a minha mãe enfiou-me logo no violino. Quis muita vez desistir, mas enfim, não, o dinheiro era deles.Hoje o violino está a um canto. É a vida, mas já previa isto...
      Também fiz karaté durante vários anos e gostei do ambiente, até praticamente ao fim.
      Dito isto, e sem querer assustar ninguém, oiçam os vossos filhos, conheçam-nos...Fazerem coisas por obrigação não dá frutos nenhuns. Claro que há aqueles períodos que vai não vai, em que os miúdos se habituam e etc. Mas nem toda a gente é igual.
      E Joana, vais ver que com o hábito talvez ele goste de andar na água na piscina :p

      Eliminar
  4. A minha menina só entrou aos dois anos na natação e ela adorou!
    Na minha opinião, foi só uma impressão por estar mais gente, de certeza que na próxima já vai estar mais à vontade.

    ResponderEliminar
  5. Olá Joana! A minha filha começou a frequentar as aulas com 1 ano e meio e apesar de adorar os banhos que eram uma festa, não ter medo nenhum do mar e a creche ser a avó :), as duas primeiras aulas foram para se ambientar, porque logo de seguida era visível a alegria dela e das outras crianças. Andou até aos 3 anos e verificou-se a tranquilidade dela quando na pré continuou a frequentar com os amigos da sala. Ainda hoje com 5 delira! A irmã dela com 1 ano já frequenta e o entusiasmo ainda é maior, mas poderia ser o oposto. Por isso, só posso dizer, ninguém melhor do que vocês que conhecem o Matias para tomarem a melhor decisão. PS: Nós pais tb nos divertimos imenso!! :)

    ResponderEliminar
  6. Tenho um bebé com a mesma idade do Matias e começámos a ir com ele para a piscina aos 4 meses. Nas primeiras duas vezes ele chorou o tempo todo e ficámos mesmo só 10 minutos para ele se ir habituando. Hoje em dia, adora! Passa o tempo a dar aos pezinhos e a tentar mergulhar a cabeça na água todo contente! Por isso não desistam, vão aos poucos e vão ver que mais dia menos dia ele vai começar a disfrutar tanto da piscina como do banho :)

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />