14 de novembro de 2016

6 meses de Matias.

O Matias faz hoje seis meses. E é estranho. Por um lado, parece que está a crescer demasiado depressa. Por outro, parece que o tempo tem passado incrivelmente devagar. Por um lado, parece que ele sempre existiu nas nossas vidas e que nem nos lembramos de como era viver sem ele. Por outro, às vezes quando ele dorme sestas maiores até me esqueço que ele está cá em casa, e quando começo a ouvir os barulhinhos deliciosos que ele faz quando acorda fico momentaneamente confusa. Até que me lembro que tenho um filho.

O nosso filho. A melhor coisa das nossas vidas.

Há seis meses nasceu a nossa família. Há seis meses o Pedro nasceu como pai e eu nasci como mãe. Há seis meses que somos ainda mais apaixonados um pelo outro e pela nossa coisinha fofa.

O Matias é o bebé mais querido do mundo. Está sempre bem disposto e a sorrir. Só resmunga quando tem sono. Só chora quando se magoa. É curioso e teimoso. Dá as gargalhadas mais deliciosas. Franze a testa de uma maneira linda quando prova alguma coisa nova pela primeira vez. Adora puxar o meu cabelo e a barba do Pedro. Delira com os nossos óculos, que adora arrancar e lamber. É um miúdo livre para explorar o que quer e põe tudo na boca.

Já come sopas de imensos legumes diferentes e adora. Come papas caseiras maioritariamente sem glúten e gosta moderadamente. Parece ser fã de papas de aveia, especialmente se tiverem banana. Adaptou-se bem aos novos biberões da Avent (achámos que os da Dr. Brown's já não seriam necessários). Bebe imensa água e já consegue pegar no biberão da água sozinho. Odeia maçã. Tolera a pêra. Ainda não conseguiu decidir se gosta de laranja. Gosta de manga. Já provou iogurte caseiro e bolachas de gengibre caseiras também. Já comeu pão. Continuamos decididos a não lhe dar qualquer tipo de comida 'processada', mas somos adeptos de deixar o miúdo explorar o que quiser e provar o que lhe apetece. Ainda ficamos todos sujos a dar-lhe a comida, talvez por falta de jeito. No entanto, o Matias come muito rápido, e normalmente dez minutos depois já está despachado :)

Já dorme doze horas seguidas de noite (Deus é grande!). Deita-se às 20.30h e acorda entre as 8.30h e as 9.30h da manhã. Há uma semana passou uns dias mais difíceis em que acordava três ou quatro vezes por noite a pedir colinho, até que eventualmente percebemos que lhe estava a nascer o primeiro dentinho :)

Nunca ficou doente, talvez porque anda sempre a lamber o chão, a lamber-nos as mãos, a lamber os brinquedos, a lamber as mantas... Enfim, a lamber tudo. É um mistério para nós como é que o miúdo nunca quis chucha, tendo em conta que adora meter tudo na boca :)

Gosta que lhe leiam livros e que lhe cantem. Já tem músicas preferidas. Tem uma data de brinquedos novos e parece gostar bastante deles. Já adora ficar de barriga para baixo. Já se senta bem, mas aborrece-se muito e prefere atirar-se para o chão e lamber coisas. Rola imenso e rasteja para a frente e para trás (embora ainda com alguma dificuldade). Não é muito adepto de palrar, mas adora fazer bolinhas de saliva com a boca (e fazer um brrrr amoroso).

Continua a acordar muito bem disposto e a amar loucamente tomar banho. Agora toma banho em frente ao espelho e é a maior festa de sempre. O amor deste miúdo pela água é tanto que decidimos inscrevê-lo na natação e vamos começar na próxima semana.

De dia adormece perfeitamente sozinho. Mal começa a mostrar o mínimo sinal de sono (normalmente a horas muito específicas) nós fazemos swaddling com o blankie (um cobertor branco com que ele adora dormir, que tecnicamente são três cobertores iguais), deitamo-lo na caminha e dois minutos depois ele está a dormir. Há dois meses só conseguia adormecê-lo no colo (nunca me aborreceu muito, eu gostava de o ter ali no meu colinho embora na generalidade das vezes ele estivesse a gritar porque queria dormir e não conseguia), agora já adormece sozinho como um menino grandão :)

De noite mantemos as nossas rotinas e somos quase obsessivos com elas (mas hey, resultam!). Começamos as rotinas pré-banho às 20.00h, com a massagem, a massagem na cabeça (que ele adora!), a escovagem dos dentinhos (vá, das gengivas!), a vitamina D e o soro fisiológico. Vamos para o banho, vestimos um pijama quentinho, damos o leite às escuras e em silêncio (agora ele nunca adormece porque bebe o leite super rápido!) e deitamo-lo embrulhado na caminha, onde ele adormece uns cinco minutos depois.

Durante o dia temos as rotinas normais: mudanças de fraldas (muitas, agora com as papas de cereais integrais, as sopas de brócolos e as laranjas trituradas o miúdo decidiu fazer imensos cocós!), brincadeiras, sestinhas (ainda faz três por dia, uma de manhã e duas de tarde, num total de três horas mais ou menos), passeios, dar comidinha, limpar depois da comida e esmagá-lo com abraços e beijinhos.

Nunca tivemos tanto trabalho com ele como agora. É limpar com as compressas, é trocar fraldas, é trocar roupas porque se sujam com comida, é andar atrás dele para que não se magoe (e mesmo assim já deu umas quantas cabeçadas no chão), é fazer sopas, é fazer papas, é triturar frutas, é estimulá-lo, é esfregar as gengivas de manhã e à noite, é lavar os quilos de roupa que sujamos, é trocar constantemente os babetes (ele deve estar a usar uns doze a quinze por dia neste momento), é apanhar os brinquedos que ele atira para o chão e dar-lhe novamente... Enfim, é um trabalho a tempo inteiro! A casa continua razoavelmente arrumada (muito graças ao facto da nossa empregada da limpeza passar a ferro!), mas cada vez sinto que acabamos o dia mais tarde e mais cansados (ontem voltei das compras às 22.00h, o Pedro já tinha o jantar pronto e depois ainda arrumámos a cozinha, fizemos papas de aveia (desta vez com pêra), tirámos a roupa que ainda estava estendida lá fora, preparámos a mala dele para hoje (passámos uma parte do dia no brunch do Ritz) e depois praticamente falecemos para cima do sofá. A minha mãe diz que isto cada vez fica pior e que só me livro do trabalho quando o miúdo fizer dezoito anos, por isso já estou mentalizada.

Apesar disso, todos os dias há novidades novas. Todos os dias descobrimos coisas sobre o nosso filho. Todos os dias ele faz novas descobertas. Todos os dias aprendemos algo diferente.

E depois do Pedro ter ficado um mês em casa e de eu ter regressado ao trabalho, trocámos: este mês estou eu em casa e o Pedro está a trabalhar, no próximo está ele em casa e eu volto a trabalhar. Com isto, conseguimos adiar a entrada do miúdo na creche até Janeiro. Não é perfeito, mas é o que há. E estamos a adorar isto de sermos pais a tempo inteiro.

O Matias faz hoje seis meses e é um bebé feliz. E nós estamos muito felizes também.

10 comentários:

  1. E aqui percebo quando tinha razão quando me apercebi que estava a errar ao comparar o (pouco) trabalho que tinhas com o (muito) trabalho que eu sentia ter. :) Bom, continuo a sentir que a minha realidade é diferente da tua devido à ausência de empregada e disponibilidade do marido :D, mas de facto percebi depois que até aos 6 meses a minha filha deu menos trabalho do que dá agora0 Ou seja, estava a comparar bebés (e o trabalho que dão) em fases diferentes de crescimento. :) Embora, para ser sincera, há uma constante mudança: por um lado dão mais trabalho, por outro aguentam mais tempo a brincar, por um lado dormem menos durante o dia, por outro comem mais depressa, vais ganhando e perdendo tempo a cada mês com coisas novas. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu notei muito a diferença, principalmente porque fiquei em casa até aos cinco meses do Matias, depois fui trabalhar e o Pedro ficou em casa e agora sou eu novamente. E neste mês parece-me que o Mati passou a dar o dobro do trabalho :D Não estava preparada, confesso, talvez porque o Pedro sempre fez tudo aquilo que eu fazia antes, ou porque estava super cansada do trabalho e idealizava o regresso a casa, altura em que poderia descansar e aproveitar novamente o miúdo... Agora não só tenho mais coisas para fazer com ele (até porque há muito mais estimulação da parte física) como também aproveito as sestas dele para trabalhar, o que antes não acontecia (podia aproveitar para descansar, para arrumar, enfim). As coisas fazem-se na mesma claro, mas que dá mais trabalho isso dá. E o meu miúdo é um fofinho que está sempre bem disposto, come bem, dorme bem, entretém-se bem sozinho, etc. Se não fosse acho que dava em tolinha :D

      Também noto uma diferença grande na minha qualidade de sono. Se antigamente quando ele acordava bastava dar-lhe o biberão e dez minutos depois ele estava a dormir e eu também, agora que ele não come durante a noite sempre que acorda é uma chatice porque demora imenso a adormecer. Naqueles dias dos dentitos (que imagino que se vão repetir em breve) o Matias não só acordava duas ou três vezes por noite como também ficava acordado uma meia hora ou uma hora antes de voltar a adormecer. Bem disposto e tranquilo, mas acordado. A precisar de festinhas, de colinho e de massagens nas gengivas. E eu ficava ali ao ladinho dele e depois obviamente que demorava imenso tempo a adormecer, só para dormir uma meia hora até ele acordar de novo. Ou seja, agora as noites são bem melhores, mas quando são piores são muito piores :)

      No fundo eles crescem e mudam super rápido, e não adianta comparar o incomparável. Quando ele começar a gatinhar e a andar vai ser muito mais trabalhoso, até porque ele parece ser um miúdo super curioso e mete tudo na boca (literalmente tudo) por isso vamos ter de andar sempre em cima dele, nem que seja para verificar que não se magoa :)

      Eliminar
    2. A minha arrasta-se de rabo sentada e por isso começa efectivamente a chegar a todo o lado, o que me impede de fazer algumas coisas porque tenho mesmo de estar de olho nela. Por outro lado, já posso sair de uma divisão sem que ela comece logo a chamar por mim porque se quiser já se consegue deslocar para vir ter comigo, o que também facilita noutras tarefas. Lá está, há um ganhar e perder tempo constantes.:)

      Eu notei realmente um salto grande aos 6 meses. Parece que acordam para o mundo e exigem mais. :) E sim, concordo que se a minha filha fosse um daqueles bebés muito muito muito exigentes, choramingas, etc, eu não aguentava. Mas mesmo nisto eles passam por fases: a minha agora está numa de querer a mãe para tudo e leva muito a peito eu estar a comer e não lhe pegar ao colo. Há 1 mês atrás não queria o meu colo para nada. :)

      E vamo-nos adaptando. :) Eu senti, quando ela fez 12 meses, necessidade de voltar a dormir algumas sestas com ela porque já não estava a aguentar o ritmo. :)

      Eliminar
    3. Aguentavam sim acreditem. A minha filha tem 4 meses. Os primeiros 2 dormia 7 horas nas 24 do dia, que nem sequer eram seguidas. Agora dorme mas só de noite, não faz uma única sesta. Está constantemente a querer colo, chorava muito e faz birras enormes. Não tenho empregada, e o pai trabalha de segunda a sábado. E aqui estou, mais morta que viva e com olheiras daqui até África.

      Eliminar
  2. Parabéns ao Matias e aos papás!
    Já só faltam 17 anos e 6 meses para "a liberdade" :)

    Beijinhos

    www.portysdiary.blogspot.com

    ResponderEliminar
  3. Já 6 meses? Como o tempo passa,....aproveitem ao máximo,...é tão bom estes momentos,...
    Beijinhos,
    Espero por ti em:
    strawberrycandymoreira.blogspot.pt
    http://www.facebook.com/omeurefugioculinario

    ResponderEliminar
  4. Olá Joana. Parabéns pelos 6 meses do Matias! :)
    Preparas as papinhas na hora ou de véspera? No caso de prepares de véspera, aqueces no microondas? Não ficam tipo massa para tijolo? Conta-nos tudo. :)
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  5. Uau, esse tempo voou... adoro o mimo que transborda destes textos!

    ResponderEliminar
  6. Parabéns pelos 6 meses! A minha já conta com 2 anos e 3 meses e parece que ontem nasceu, mas também parece que esteve sempre na minha vida!

    http://www.monologosdeumachocodependente.pt/

    ResponderEliminar
  7. oooohhh Fiquei emocionada com este post! :) Muitos Parabéns pelos 6 meses do Matias. Estou curiosa para saber como corre a experiência do Matias na natação! :)

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />