17 de novembro de 2015

Quiche de bacon, azeitonas e brócolos para uma relação disfuncional.

Just gonna stand there and watch me burn,
But that's alright, because I like the way it hurts.
Just gonna stand there and hear me cry,
But that's alright, because I love the way you lie.
I love the way you lie.

Eminem




Uma vez conheci uma senhora que dizia que o marido era um parceiro horrível. Que não era carinhoso, que não sabia amar, que era uma pessoa problemática e que frequentemente havia discussões lá em casa. No fim, rematava com um sorriso 'Mas eu amo muito o meu marido!'.

É mais ou menos isto que sinto em relação ao meu trabalho.


Gosto de me queixar do que faço, é um facto. Tenho um trabalho difícil, cansativo e emocionalmente drenante. Sou frequentemente chorinhas em relação a isso. Penso algumas vezes em mudar de vida. E chafurdo em auto-comiseração.

Mas depois, os doentes fazem pequenos milagres. Aquele miúdo começa a dormir sozinho depois da primeira consulta, a mãe da adolescente agradece-me porque ela deixou de estar triste e voltou a ser 'a nossa menina de antes'. A medicação que inseri no outro rapaz 'fez a diferença como da noite para o dia' e aquele moço querido abraça-me no fim da consulta.


A professora para quem ligo no fim do horário de trabalho diz que nunca em dezoito anos um médico ligou para ela, e que eu devo gostar mesmo do que faço.

E eu penso que, raios, amo mesmo o meu trabalho. Mesmo que adore queixar-me dele.

Pelo caminho, esta relação disfuncional vai-se mantendo.


Confesso que uma das coisas que ajudou a que me sentisse mais calma durante o dia foi, curiosamente, deixar de levar almoço para o trabalho. Antigamente sentava-me na sala de reuniões, engolia o almoço em dez minutos e voltava para os registos, as marcações e as consultas. Agora saio do hospital, vou até ao bar, almoço tranquilamente a olhar pela janela, volto pelo caminho mais longe enquanto respiro o ar puro das árvores e subo tranquilamente de volta à azáfama que sei irá rodear-me no fim das escadas.


Fica mais caro. Fica potencialmente menos saudável. Fica mais demorado. Diminui substancialmente as receitas que tenho para vos mostrar (porque frequentemente estamos demasiado cansados e jantamos sopa com fruta).

Mas às vezes o melhor para a nossa barriga e a nossa carteira não é o melhor para o nosso coração e a nossa alma. Às vezes o melhor para nós é mesmo abraçarmos esta relação disfuncional e deixá-la queimar.

(De vez em quando ainda levo almoço para o hospital. Este foi um deles.)


Quiche de bacon, azeitonas e brócolos

Ingredientes:

* Seis ovos;
* 100ml de natas;
* 100ml de leite de amêndoa;
* Azeitonas pretas a gosto;
* 50g de bacon cortado em cubos;
* Brócolos a gosto;
* Uma placa de massa folhada.

Confecção:

* Bater os ovos com as natas e o leite de amêndoa e juntar as azeitonas, o bacon e os brócolos;

* Estender uma placa de massa folhada sobre uma forma de tarte e cobrir com o recheio;

* Levar ao forno pré-aquecido a 190º durante aproximadamente trinta minutos.



Até amanhã! :D

4 comentários:

  1. E uma quiche de vez em quando não faz mal a ninguem! Adoro uma fatia de quiche com salada! Para almoços desenrascados não ha melhor! Ultimamente tenho feito as minhas com iogurte e gosto muito do resultado! Com leite de amendoa nunca fiz mas deve ficar uma delicia! Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também já fiz com iogurte, mas por acaso desta vez só tinha iogurtes com sabores :D

      Eliminar
  2. Fizeste exatamente o que eu fiz há alguns meses: passei a ir almoçar fora 3 dias por semana e sinto-me muito mais feliz agora! Vejo gente, digo e ouço baboseiras com os colegas e ainda fiz amigos. Adoro!

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />