2 de janeiro de 2015

Twelve Days of Christmas - 9 - Daiquiri de frutos vermelhos :)

On the ninth day of Christmas my true love sent to me,
nine ladies dancing, eight maids-a-milking, seven swans-a-swimming, six geese-a-laying,
five gold rings, four calling birds, three french hens, two turtle doves and a partridge in a pear tree.


Era o primeiro jantar de Natal do nosso grupo de amigos e fomos todos a um qualquer restaurante com sangria à descrição. Eu e a Joana tirámos umas duzentas fotos a fazer cara de parvas, tu e o André divertiram-se a gozar connosco do outro lado da mesa.

Seguidamente fomos para uma discoteca aleatória e ficámos umas duas horas na fila para entrar. A dada altura o André comentou que não fazia a mínima ideia de como se engatava uma miúda e eu decidi dizer-lhe algumas das coisas que apreciava num rapaz.

Disse-lhe que gostava de rapazes que tocavam instrumentos musicais, tu disseste-me que tocavas piano. Disse-lhe que gostava de rapazes que faziam desporto, tu disseste-me que fazias futsal e judo. Disse-lhe que gostava de rapazes inteligentes, tu disseste os imperadores romanos por ordem cronológica. Disse-lhe que gostava de rapazes com óculos, tu... Bem, acho que já percebeste a ideia.


Eventualmente desistimos de ficar na fila e fomos todos para minha casa. Deitámo-nos ao monte no sofá e no chão, e tu ficaste ao meu lado. E nunca esquecerei a explosão incontrolável de química que senti naquele momento. Queria tocar-te, mas não podia. Não devia. Não queria. Ou queria? Meu Deus.

Fizemos pipocas, bebemos cervejas, vimos episódios da Rua Sésamo na RTP2. Às sete da manhã toda a gente foi embora de minha casa, mas tu nunca mais saíste da minha alma. E esse foi o dia em que me apaixonei por ti.

No dia seguinte fomos todos para o Porto. Deitámo-nos ao monte no chão da minha casa antiga, agora vazia, e tu ficaste ao meu lado. E mais uma vez, aquela química idiota e incontrolável apareceu. Queria tocar-te, mas não podia. Não devia. Não queria. Ou queria? Meu Deus.


Os dias passaram. Conhecemos o Porto, conhecemo-nos um ao outro. Já não me restavam agora dúvidas de que o que sentia por ti era mútuo, por isso fechei os olhos, respirei bem fundo e saltei para o desconhecido - terminei a minha relação de três anos.

No último dia da vossa viagem acordámos abraçados. Queria beijar-te, mas não podia. Não devia. Não queria. Ou queria? Meu Deus.

Foste embora. E eu ali fiquei, a ver o comboio partir e o meu coração a voltar para dentro do meu peito.

Voltámos a encontrar-nos na estação de metro, a caminho para a faculdade no primeiro dia de aulas depois do Natal. Tínhamos passado as férias a trocar mensagens, a sorrir atrás de ecrãs e a partilhar emoções com sorrisos virtuais. 'Gostas de mim?' - escrevi um dia. 'Adoro-te.' - respondeste tu. E naquele momento eu soube que queria. Que podia. Que devia. Meu Deus.


Fomos estudar para a biblioteca: eu, tu e a Joana. Logo a Joana recebeu uma mensagem misteriosa - nitidamente mandada por ti, que sempre foste mau a disfarçar - e desapareceu de cena. Tu perguntaste-me se queria sair para o corredor. E foi ali, no corredor frio das aulas de Bioestatística, em frente da janela através da qual conseguíamos ver o Castelo de São Jorge, que te ajoelhaste com um ramo de flores na mão e me perguntaste se queria namorar contigo.

'Não.' - disse eu. 'Não, Pedro, não, não, não me faças isto'. Beijaste-me. Era o teu primeiro beijo, mas eu só soube disso uma semana depois. Abracei-te. E olhei para esses olhos lindos e profundos e soube que já me tinha perdido neles. Meu Deus.


Hoje o tema pedia uma bebida alcoólica de meninas, ideal para beber na discoteca. Mas foi precisamente por termos evitado a discoteca naquela noite que a nossa linda história de amor começou. E há sete anos certinhos que me fazes perder a cabeça.

Com um morangão ficámos noivos, com um daiquiri de frutos vermelhos te pergunto novamente: 'Gostas de mim?'. E sei que a resposta será 'Adoro-te'. Para sempre.


Daiquiri de frutos vermelhos

Ingredientes (para duas pessoas):

* 90g de frutos vermelhos congelados;
* 25g de açúcar branco;
* 90ml de rum;
* 50ml de sumo de lima;
* Gelo picado q.b.

Confecção:

* Colocar os frutos vermelhos numa panela juntamente com o açúcar e levar aquecer em lume brando até ficarem em compota;

* Triturar com a varinha mágica e coar;

* Juntar 30ml (duas colheres de sopa) do xarope de frutos vermelhos com o rum e o sumo de lima;

* Misturar bem, colocar em dois copos e cobrir com o gelo picado;

* Servir bem frio.


Até amanhã :D

18 comentários:

  1. A história é bonita, mas não pude evitar franzir ligeiramente o sobrolho ante a definição de inteligência dada no post como sendo o saber os imperadores romanos por ordem cronológica. Acho que querias dizer que gostas de rapazes com boa capacidade para decorar factos/informação =p

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vanessa, discordo por completo. Há vários tipos de inteligência, e a inteligência factual é um deles. Também há a inteligência visual, a inteligência emocional, enfim. Eu citei apenas um exemplo de uma conversa que durou horas (e dias, na verdade), e onde deu perfeitamente para perceber que o Pedro é efectivamente uma pessoa muito inteligente. E lamento um bocadinho que de todo este texto que me é tão especial, te tenhas focado numa parte tão pequenina e tenhas acabado de o ler com o sobrolho franzido. Mas pronto, estás no teu direito :)

      Eliminar
    2. Joana, não deves lamentar-te, porque não deixei de achar a história bonita, tal como referi no meu comentário; o sobrolho franzido foi apenas naquela parte, porque efectivamente achei piada à definição tão (supostamente) infalível e rápida de inteligência. Estou ao corrente da teoria das múltiplas inteligências, e nenhuma delas se foca em memorização de factos, embora se tenha popularizado a ideia de que uma pessoa com boa memória é necessariamente uma pessoa inteligente. É um daqueles mitos. (tendo tu estudado Medicina, decerto deves ter encontrado malta que simplesmente marrava a matéria, sem isso significar que formulassem um bom raciocínio clínico)

      Repara que não menorizei ninguém, nem tão pouco pus em causa a inteligência do teu marido. Apenas constatei a ligeireza daquele teu juízo em concreto, e senti-me impelida a reformular o teu gosto pessoal - por graça, apenas, não havendo nenhuma malícia subjacente (até porque não encontro aqui razão para se ser maldoso).

      Eu sei que era previsível que a caixa de comentários se enchesse destes apontando o quão bonita é a tua história, mas por eu ter quebrado um pouco essa previsibilidade não quer dizer que esteja a ser do contra (esse é só mais um juízo precipitado).

      Eliminar
    3. Vanessa reconheço que pelo texto parece de facto uma conclusão precipitada, mas efectivamente foi uma conversa muito longa :)

      Na verdade sempre aprendi que a inteligência estava relacionada com a capacidade (entre outras coisas) para o raciocínio lógico, pensamento abstracto, sentimento do self, comunicação, aprendizagem de conceitos novos, capacidade de empatia, aquisição de conhecimentos, memória, planeamento, criatividade e resolução de problemas, mas nem sequer estou particularmente por dentro do assunto (só ando a estudar muito sobre o tema por causa da especialidade).

      Por outro lado, toda a vida levei com essas afirmações de que a malta de medicina só decora e não pensa e argumentos do género, e por isso como decerto compreendes é um tema que toca um bocadinho no nervo e me deixa particularmente à defesa. É verdade que é um curso essencialmente teórico, mas aqui conheci as pessoas mais inteligentes que já se cruzaram comigo: não porque sabem decorar, mas porque sabem muito de muita coisa.

      Independentemente disso, creio que o meu comentário adquiriu um certo tom agressivo que eu não pretendia imprimir-lhe e por isso peço desculpa. Ando mais sensível e devo ter parecido um bocadinho uma diva, por isso desculpa mais uma vez :)

      Eliminar
    4. O Pedro está aqui a dizer que o campeão mundial de xadrez (que é extremamente inteligente, como será inerente a ser campeão de um jogo onde é imperativo ser excelente em raciocínio lógico) sabia todas as capitais do mundo aos 6 anos e sabe de cor todos os jogos que já jogou. Eu não diria que a inteligência é uma questão de memória, mas é engraçado como por vezes parecem estar relacionadas - talvez porque as pessoas inteligentes por norma gostam de estudar coisas, não sei :)

      Eliminar
    5. É verdade que uma pessoa inteligente tende a ter uma boa memória, mas porque o facto de ser inteligente potencia essa capacidade, não é a boa memória que faz dela uma pessoa inteligente. Eu dei-te o exemplo de estudantes de Medicina (tal como poderia ter dado outros exemplos) justamente porque aí consegues encontrar imensa malta que decora as coisas sem isso se traduzir em boa aplicação do conhecimento. Aliás, eu há uns anos conversei com uns estudantes de Medicina a respeito do Harrisson, em que eles me diziam que o exame privilegiava aqueles que tinham uma boa memória fotográfica e conseguiam decorar os pormenores mais obscuros do livro, e não necessariamente quem tivesse o raciocínio clínico certo. Penso que houve até uma onda de indignações por causa da estrutura do exame, querendo que a forma de avaliação mudasse. (não sei como está isso actualmente, não estou a par)

      E lá está, saber muito de muita coisa não é sinal inequívoco de inteligência (se uma pessoa ficar em reclusão durante uns anos para se embrenhar em livros de várias matérias, a estudar dia e noite, ficará mais inteligente? muito dificilmente. isso não é assim tão mutável e a inteligência é muito mais do que saber coisas. mas ficará sem dúvida mais culta.)

      Eliminar
  2. ohhhh *.*
    até fiquei com lágrimas nos olhos :')
    Desejo para vocês que a resposta seja mesmo "adoro-te" para sempre :) e que a vossa vida seja sempre recheada de amor, morangões e daiquiris!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada :D Agora é festejar, claro :D

      Beijinhos e bom fim-de-semana :D

      Eliminar
  3. Que lindas palavraa Joana!
    Beijinhos,
    http://sudelicia.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  4. Adoro a história :) Histórias de amor são do melhor que há no mundo <3
    Um Bom Novo Ano e que os novos desafios profissionais de façam sempre sorrir!
    Daniela (do bolo de chocolate com neve e pedras)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Daniela :) Tens razão, o amor é mesmo a melhor coisa do mundo :D

      Beijinhos e tem um feliz 2015 :D

      Eliminar
  5. Ohhh que história tão linda :) Até fiquei com a lágrimazinha no canto do olho
    Feliz 2015 e que o "adoro-te" seja para sempre! Felicidades

    ResponderEliminar
  6. Que texto apaixonado, transborda de sentimento :D nota-se bem o que sentes, e isso só pela escrita... É dos textos mais expressivos do blog :) já se nota imenso a tua loucura quando falas dele casualmente, agora num texto completamente delicado... É uma explosão :D
    Ah, então o vício de tirar imensas fotos não é recente :D
    OHMEUDEUS, o André mestre que tem uma loja?! :D
    Ahh, odeio filas :P mas pronto, parece que até teve função nobre! E deve ser um óptimo sítio para começar uma lição como essa :P qualquer coisa é uma ocupação válida, esperar é mesmo chato.
    Não houve nem uma "condição" por satisfazer? Uau, deve ter sido engraçado :P que encaixe :) isto é uma versão natural dos requerimentos de namoro a que toda a gente com uma página de facebook de piadas idiotas parece achar imensa piada :P
    Ahh, então foi a "Rua Sésamo", não era preciso estares com este texto todo :P eu sabia que havia lá algo de mágico!
    E já fazias pipocas?... Bem, parece que os hábitos são antigos :) és um monge mesmo desapegado de bens materiais :)
    Ahh, poiis, o teu namorado da altura! Deve ter sido complicado! Por ISSO é que era a indecisão... Faz sentido. Mesmo que sentimento fosse forte deve ter sido muito difícil!
    Pode não ter sido uma saída elegante ou discreta, mas não faz mal ;) mas porquê a parte do "não não não"? Por teres acabado há pouco a outra relação? Eu até pensei que já namorassem! Desculpa, estou a fazer uma confusão... :P
    Essa bebida até tem muito em comum com a vossa relação - são as duas excelentes alternativas à discoteca :D
    O daiquiri parece delicioso, embora não tanto como o texto ;) é uma pena que uma bebida tão gira não tenha direito à ribalta, mas com um texto assim é impossível :) está um post lindo! Parabéns pelo aniversário e que venham os 70 :D sejam muito felizes :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso: eu sou mesmo louca pelo meu Pedro :D

      A parte do 'não' foi mesmo por ter acabado a outra relação há pouco tempo. Queria estar algum tempo sozinha a pensar na vida e tal. E estive. Durante uma hora :D

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />