28 de julho de 2014

Queques de ameixa com crumble... E nem tudo é o que parece.

'Listen to me, Derek. It's not what it seems. It's not what it seems.'

The Princess Swan


No quarto ano da faculdade tivemos uma mocinha nova connosco no estágio de Radiologia, a Telma.

A Telma tinha passado o ano anterior num programa de intercâmbio no Brasil, e aproveitava todas as oportunidades para falar do assunto. Também adorava interromper as nossas aulas com afirmações um bocado óbvias que ela julgava inteligentes, mas bastou chegar a altura do exame para percebermos que efectivamente ela não sabia, como gostava de aparentar, mais do que qualquer um de nós.


Acho que dá para perceber que ninguém lhe achou muita graça, e todos a achávamos uma convencida e uma pedante de primeira. Infelizmente há alguns estudantes de Medicina que se enquadram nesta descrição, por isso não posso propriamente dizer que ela se destacasse particularmente. Depois de Radiologia ela saiu da nossa turma, e todos nós respirámos de alívio.

Os anos passaram e um dia alguém partilhou no facebook um artigo de um jornal sobre a única portuguesa procurada pela Interpol. E era a Telma.


Apressei-me a contar ao resto dos meus colegas e logo chegaram os comentários de 'estava-se mesmo a ver'. De facto, ninguém pareceu chocantemente surpreendido com aquilo que ouvia, e puxando o filme para trás todos nós conseguíamos reconhecer na personalidade dela (ou pelo menos na parte que conhecíamos) algo de estranho. No fim ficava um silêncio constrangedor e um certo medo no ar: tínhamos privado com uma (alegada) assassina.

Por outro lado, o Pedro tem alguns amigos que fizeram o curso de Desporto com o Renato Seabra, e todos garantem que ele era um miúdo normalíssimo. Ao contrário da Telma, a quem todos reconhecíamos traços patológicos na altura, o Renato era um rapaz popular de quem toda a gente gostava.


Não vou estar aqui com considerações sobre nenhum dos casos. Não sou polícia nem detective, mas como médica (e principalmente como médica apaixonada pela psiquiatria) é impossível não achar que ambos sofreram um qualquer episódio psicótico grave que os motivou aos actos subsequentes (e a aparente irracionalidade e impulsividade de ambos os crimes parece comprová-lo). E é impressionante pensar como tudo pode mudar assim, num momento.


De facto, as pessoas nem sempre são o que parecem. Às vezes escondem-se debaixo de uma sensação aparente de superioridade, noutras são apenas pessoas normais até ao dia em que algo corre muito mal. E pelo meio vivem entre nós e sentam-se ao nosso lado nas aulas de Radiologia.

Por outro lado, há situações em que não ser o que parecemos é bom. Há pessoas que nos surpreendem pela positiva. Há acções que não esperávamos vindas de quem menos esperávamos. E há queques com sabores diferentes que nos conquistam à primeira trinca. Perfeitos e surpreendentes.


Queques de ameixa com crumble

Ingredientes (para cinco queques):

* 95g de farinha de trigo;
* Uma colher de chá de fermento;
* Uma pitada de sal;
* Um ovo;
* 75g de açúcar;
* Três colheres de sopa de óleo vegetal;
* Uma colher de chá de essência de baunilha;
* Três colheres de sopa de leite;
* 70g de ameixa descascada e cortada em pequenos pedaços (uma ameixa).

Para o crumble:
* 50g de açúcar mascavado;
* 20g de farinha;
* 25g de manteiga bem fria;
* Meia colher de chá de canela em pó.

Confecção:

* Para o crumble juntar o açúcar mascavado, a farinha, a manteiga e a canela e misturar com um garfo ou com as mãos até que fique uma mistura semelhante a areia molhada;

* Numa tigela grande juntar a farinha, o fermento e o sal;

* Noutra tigela bater o ovo e juntar o açúcar, batendo até que fique uma mistura clara e espumosa;

* Acrescentar o óleo vegetal, a essência de baunilha e o leite;

* Misturar os ingredientes líquidos com os secos e mexer suavemente apenas até os ingredientes ficarem ligados;

* Juntar os bocadinhos de ameixa e envolver;

* Colocar a mistura em forminhas para queques e cobrir com o crumble;

* Levar ao forno pré-aquecido a 220º durante sete minutos;

* Baixar a temperatura para os 190º e deixar cozinhar durante mais treze a quinze minutos.


Tenham uma óptima Segunda-feira do queque :D

2 comentários:

  1. gosto muito de passear por aqui. pois no meu curso de medicina aqui no Brasil conheci as pessoas mais fora da "normalidade" da minha vida, nem sempre de um jeito bom. ainda que nenhum procurado pela interpol, creio eu, mas não duvido receber, um dia, noticias surpreendentes. recomenda algum livro da psiquiatria em especial? sou clínica, aspirante à dermato, mas também tenho esse fascínio, principalmente acerca dos distúrbios de personalidade. beijos!

    ResponderEliminar
  2. Deliciosos como sempre :)

    http://miascuisinemf.blogspot.pt/

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />