19 de junho de 2014

Curd de maracujá e um pedaço da história da China :D

You and I have history, or don't you remember?
Sure, she's got it all.
But baby is that really what you want?

Adele


Era uma vez o reino de Chin, na China. Aqui vivia Lu Pu-Wei, um indivíduo espantosamente empreendedor e astuto. Ao visitar o estado vizinho de Chao, Lu Pu-Wei encontrou Tzu-Chu, um dos filhos de An-Kuo, o rei de Chin.


A primeira esposa de An-Kuo, Hua-Yang, não podia ter filhos e estava aterrorizada com a possibilidade do trono passar para outra das mulheres de An-Kuo. Assim, Lu Pu-Wei engendrou um plano: convenceu Hua-Yang a adoptar Tzu-Chu (filho do rei com uma concubina) e tornar-se assim um dia a mãe do rei. Lu Pu-Wei foi assim nomeado tutor real, e tudo ia bem.

Até que Tzu-Chu começou a cortejar a amante secreta de Lu Pu-Wei. Quando casaram, esta estava secretamente grávida do filho de Lu Pu-Wei. E subitamente, depois do bebé nascer, o rei An-Kuo morreu.


Tzu-Chu tornou-se então rei, Hua-Yang rainha-mãe e Lu Pu-Wei foi nomeado primeiro ministro e recebeu ao seu cargo um feudo de cem mil famílias. E eis que, mais subitamente ainda, Tzu-Chu morreu.

O filho secreto de Lu Pu-Wei subiu então ao trono. A sua amante era rainha-mãe. A vida nunca tinha corrido tão bem para Lu Pu-Wei, que tinha agora o título de 'Segundo Pai' do reino.


Com o passar dos anos, Lu Pu-Wei percebeu que era perigoso continuar o seu caso com a rainha-mãe - afinal, se o rei descobrisse mandar-lhe-ia cortar a cabeça. A rainha encontrou então um novo interesse amoroso, e não passou muito tempo até que o seu novo amante declarasse guerra ao reino. No fim da guerra a cabeça do amante ficou pendurada na praça, a rainha exilou-se... E Lu Pu-Wei estava em sarilhos!

Convencido de que Lu Pu-Wei estava do lado da mãe, o rei expulsou-o do reino e tirou-lhe todos os bens. Destroçado, Lu Pu-Wei cometeu suicídio ingerindo veneno.


Nunca ninguém saberá se a rainha-mãe contou ao seu filho a verdade acerca de Lu Pu-Wei. Mas este eventualmente tornou-se o primeiro imperador da China, ou Shih Huang-Ti - e tudo graças ao seu verdadeiro pai, um pequeno homenzinho ardiloso.

O que é que tudo isto tem a ver com o curd de maracujá? Tal como ele, este episódio ficou na história. E depois de ser contado várias vezes no meio de tantas outras, hoje merece ter o palco todo só para si.


Curd de maracujá (receita adaptada da Donna Hay)

* 175ml de polpa de maracujá;
* 150g de manteiga sem sal cortada em cubos;
* 180g de açúcar branco;
* Três ovos;
* Duas gemas.

Confecção:

* Juntar a polpa de maracujá, a manteiga e o açúcar e aquecer em lume brando até a mistura ficar homogénea;

* Numa tigela à parte bater bem os ovos e as gemas com uma vara de arames;

* Juntar em fio a mistura de maracujá, mexendo sempre com a vara de arames;

* Levar a mistura novamente a aquecer em lume brando durante sete minutos, ou até o molho engrossar;

* Deixar arrefecer e conservar no frigorífico.

  

Até amanhã! :D

2 comentários:

  1. que aspecto maravilhoso!
    Beijinhos,
    http://sudelicia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Há uns dias li isto rápido e fiquei com um nó na cabeça. Ponderei seriamente passar o texto para word e substituir esses nomes por Joãozinhos e Marias Teresas. Nunca pensei que nomes não habituais (para quem lê, claro) pudessem complicar tanto a compreensão :P
    ...Agora que li com calma consegui perceber a história :P E gostei de ler. Agora falta perceber o "curd de maracujá". ;)
    Até é giro pôres uma história "diferente" dos outros dias :D
    Esse curd parece tãão bom. Acho que consigo imaginar o sabor :P por acaso fico sempre com vontade de comprar polpa de maracujá em lata. Não sei porquê, mas é chamativa :P agora pelo menos tenho uma razão para passar lentamente pelo corredor de polpas (que é estranhamente fascinante ). :)

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />