4 de junho de 2014

Barrinhas de aveia, sésamo e linhaça. E salvar uma vida.

Where did I go wrong? I lost a friend,
Somewhere along in the bitterness.
And I would have stayed up with you all night,
Had I known how to save a life.

The Fray


Em 2007 eu e o Pedro inscrevemo-nos no registo de dadores de medula óssea. A palestra do CEDACE fazia parte das nossas actividades das praxes (porque nem todas as praxes são más, sabiam?), e naquela altura praticamente todos os nossos colegas se inscreveram sem hesitar.

Um dia o telefone do Pedro tocou. Havia um receptor compatível com a medula dele.


Fiquei tão entusiasmada que à primeira vista parecia que era eu que ia salvar uma vida. Depois fiquei incrivelmente orgulhosa por ter ao meu lado alguém disponível para dar um passo tão importante. Depois fiquei um bocadinho assustada com as possíveis consequências de uma doação de medula. E por fim fiquei apenas assoberbada com a importância de um gesto tão pequeno, mas tão imprescindível para o tratamento de alguém.

Quando contámos aos nossos colegas e familiares as opiniões dividiram-se. Houve quem ficasse indiferente, houve quem tivesse ficado tão histérico quanto nós, houve quem ficasse assustado e houve até quem dissesse que era um risco demasiado grande para correr por alguém que não conhecemos de lado nenhum. Mas o Pedro continuou, impávido e sereno, certo de um gesto para o qual foi treinado nos últimos sete anos: salvar uma vida.


Sabemos os riscos. Sabemos as desvantagens. Sabemos que se o Pedro reagir mal à medicação e sentir efeitos secundários chatos podemos ter que cancelar a nossa lua-de-mel. Sabemos que há a possibilidade de ele ficar com dores. Mas também sabemos que a única vantagem que há faz tudo valer a pena: o Pedro vai salvar a vida a alguém.


E eu? Eu vou fazendo a minha parte. Trato bem dele, apoio-o, motivo-o e obrigo-o a comer bem. Cá em casa abundam agora os bifinhos de vaca grelhados (desculpem vaquinhas) e as sementes de todos os tipos e feitios.

Foi assim que surgiram estas barrinhas - pequeninas, mas saudáveis e deliciosas. Também elas tiveram um pequenino papel nesta nossa grande aventura :D


Barrinhas de aveia, sésamo e linhaça

Ingredientes:

* Seis colheres de sopa de manteiga de amendoim caseira ou de compra;
* Seis colheres de sopa de mel;
* Uma chávena de flocos de aveia integrais;
* Meia chávena de sementes de linhaça inteiras;
* Meia chávena de sementes de sésamo.

Confecção:

* Numa tigela misturar todos os ingredientes;

* Colocar numa forma rectangular coberta com papel vegetal e calcar bem;

* Levar ao forno pré-aquecido a 180º durante trinta minutos (o tempo depende da espessura das barrinhas);

* Retirar do forno e deixar arrefecer completamente dentro do tabuleiro;

* Cortar em barrinhas.


Até amanhã! :D

12 comentários:

  1. Olá Joana!
    Sigo o blog diariamente e apesar de nunca ter comentado, gosto imenso de tudo o que publica.
    Relativamente a esta receita existe alguma forma de substituir a manteiga de amendoim por outro ingrediente que faça o mesmo efeito.

    Obrigada e continuação de receitas que enchem a alma :)

    ResponderEliminar
  2. Eu acho que deve ser uma sensaćão incrível. Se "só" de dar sangue eu fico todo orgulhosa!... Agr não tenho peso suficiente para dar sangue nem para me inscrever no banco nacional de dadores de medula, mas quando voltar aos 50kg vou logo :)

    ResponderEliminar
  3. É sem dúvida um gesto incrível, e acho simplesmente lindo!
    Assim como essas barrinhas ficaram simplesmente perfeitas!
    Beijinhos,
    http://sudelicia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Da minha parte só merecem a minha admiração e estima. Quanto ás barrinhas, vou experimentar, fiquei fã!

    ResponderEliminar
  5. Que barras lindas. Deliciosas, com certeza. E para eu experimentar no meu blogue e referenciar o teu.

    ResponderEliminar
  6. E nem falei na doação de medula. Só sigo que é um gesto muitíssimo nobre. Parabéns, aos dois.

    ResponderEliminar
  7. Estar inscrito já é uma boa ajuda :) Acho que deve ser um orgulho, não só estar inscrito como poder doar. Dar sem saber a quem e fazer feliz quem recebe e quem o ama... Que bom... :)

    ResponderEliminar
  8. É muito bom! Realmente, que boa ideia para uma praxe ;) Até contraria a "maré", contra as praxes, porque acabou por salvar uma vida :P (provavelmente não seria o único motivo de "inscrição", mas serve de informação... Às vezes as pessoas esquecem-se um bocado dessas coisas). Acho que problema das praxes não é delas... Mas vai dando lugar a coisas más :(
    Até acho estranho que quase toda a gente (que conheço) se esqueça completamente disso... Depois se calhar lembram-se, quando alguém de quem gostam adoece. Há tendência para esquecer "essas coisas", como se não fossem importantes. Quase como passar por representantes de associações de caridade e desviar a cara, quase sem pensar, ou dizer que não se tem dinheiro. Nem se considera, está demasiado enraizado o hábito de ignorar. Eu quero ser dadora :)
    Os efeitos secundários podem ser chatos, mas o balanço é muito positivo! :D Adoro o teu entusiasmo por isso... :)
    É pena que tenhas de ceder quanto às vaquinhas :P Mas é por uma boa causa... E, já que não és tu a dar medula, ajudas à tua maneira! Até deviam dividir, acho que isso conta como salvar 1/4 da vida.
    Estas barrinhas até já contam como mais um bocadinho... 1/3 no total? :) Estã tãão lindas e altas! Eu gosto das minhas espalmadas (o problema é que nem rendem muito, porque são devoradas por uma alcateia faminta como se fossem torrão logo a sair do forno :P prefiro fazer os teus scones, dão mais jeito e não gasto manteiga de amendoim :P), mas as tuas ficaram especialmente giras... Não sei como é possível fazer assim, altas como as de compra. O meu tabuleiro é grande, se calhar tenho de duplicar a receita.
    Mesmo que não goste de fazer barras no dia-a-dia para usar em lanches, vou ter de experimentar pelo menos uma vez! Com manteiga de amendoim, que bom :P (mas se fosse a fazer todas as semanas era demais... Haha :P sou uma avarenta com a manteiga de amendoim!)
    Com estas coisas não há efeitos secundários que resistam! :D

    ResponderEliminar
  9. Joana,

    Acabei de fazer estas barrinhas e, tirando o detalhe de terem ficado bastantes morenas (ups!...), são deliciosas! Estou mesmo satisfeita com elas! São super fáceis e parecem-me uma excelente opção e mais saudável para comer antes de ir treinar, por exemplo.

    Obrigada :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu faço barrinhas montes de vezes ;) Deixei de as publicar porque faço quase sempre a mesma receita, com manteiga de avelã e pepitas de chocolate negro :P Sabem-me pela vida e são um óptimo snack ;) Ainda bem que gostaste :D

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />