21 de abril de 2014

Muffins de pêra, canela e mel para uma mãe mole :)

I broke your jaw once before,
I spilled your blood upon the floor.
You broke my leg in a return,
So let's sit back and watch the bed burn.

Florence + the Machine


O meu pai nunca me bateu. Nunca me deu uma palmada que fosse. De facto, consigo contar pelos dedos das mãos as vezes em que me gritou.

Já a minha mãe era adepta das palmadas a sério. Com ela não havia palmadas-no-rabo-que-só-aquecem: quando eu me portava muito mal e fazia birras grandes levava logo com um olhar assassino seguido de um belo estalo na cara.


Eu sempre tive medo de dormir sozinha e aos quatro anos comecei a desenvolver uma manha gira: percebi que quando fazia xixi na cama a minha mãe me deixava ir dormir na cama dos meus pais. Vai daí, sempre que eu ficava com medo de noite fazia xixi de propósito e depois começava a chorar, na esperança que a minha mãe me viesse buscar.


Um dia não foi a minha mãe que veio, mas sim o meu pai. Levei logo com um grito e fiquei toda a noite a dormir nos lençóis molhados. Nunca mais fiz xixi na cama.

Tentem lá perceber a qual dos meus pais eu tinha mais respeitinho quando era criança :)

(Independentemente disso sempre gostei igualmente dos dois, não fiquei nada traumatizada e hoje tenho uma relação demasiado muito próxima com ambos.)


E é por isso que toda esta discussão sobre os pais que dão palmadas me passa completamente ao lado: porque a minha mãe era a maior adepta das palmadas, mas no fundo era uma mole. Já o meu pai, por outro lado, sempre foi de gancho e um grito dele equivalia a dezenas de estaladas da minha mãe. Cada um tinha a sua forma de exercer disciplina, e o que importa é que com ou sem palmadas foram igualmente eficazes :)


Não sei se um dia mais tarde vou ou não dar palmadas aos meus filhos. Mas sei de certeza uma coisa: tal como a minha mãe, eu sou uma mole. Não consigo ficar muito tempo zangada (sou demasiado esquecida), faço sempre as vontades a quem gosto mesmo e não gosto de fazer papel de má.

Não faz mal, ainda tenho tempo para aprender isso. E vocês sabem qual é a minha forma preferida de esperar que o tempo passe, não sabem? :D


Muffins de pêra, canela e mel

Ingredientes (para doze muffins):

* Meia chávena de leite;
* Duas colheres de chá de vinagre;
* Uma chávena mais uma colher de sopa de farinha de trigo;
* Uma colher de chá de canela;
* Meia colher de chá de bicarbonato de sódio;
* Meia colher de chá de fermento;
* Uma pitada de sal;
* Um ovo;
* Três colheres de sopa de óleo;
* Doze colheres de sopa de açúcar amarelo;
* Uma pêra descascada e cortada em pedaços pequenos;
* Mel q.b.

Confecção:

* Juntar o leite e o vinagre e deixar actuar durante cerca de cinco minutos;

* Numa tigela grande misturar a farinha, a canela, o bicarbonato de sódio, o fermento e o sal;

* Numa tigela média bater o ovo e juntar o leite, o óleo e o açúcar amarelo, batendo até ficar tudo misturado;

* Juntar os ingredientes líquidos com os ingredientes secos e misturar apenas até os ingredientes ficarem ligados;

* Acrescentar os bocadinhos de pêra e envolver;

* Colocar a massa em forminhas para muffins com o auxílio de duas colheres de sopa e levar ao forno pré-aquecido a 220º durante sete minutos;

* Sem retirar os muffins do forno baixar a temperatura para os 190º e deixar cozinhar durante mais quinze minutos;

* Pincelar com mel.


Eu sei que agora ando sempre a falar de criancinhas, mas estar em Pediatria dá-me para isto :D

Tenham uma óptima Muffin Monday :D

7 comentários:

  1. Ficaram lindos e os meus pasis eram como os teus, a mãe mole e o pai, quase que bastava olhar.
    Bjs

    ResponderEliminar
  2. É a ti e a mim... Estas discussões de dar ou não dar uma palmada! Bem, passa ao lado, lá esta!

    ResponderEliminar
  3. Bem... que aspecto delicioso! uma verdadeira perdição!
    Beijinhos,
    http://sudelicia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Olá Joana...

    Estes muffins teem um excelente aspecto, acho que brevemente vou experimentar :-)
    Quanto aos diferentes tipos de educação este assunto agora mexe um bocado comigo porque o meu pantufinha tem 2 anos e pouco e está-me constantemente a testar os limites, a ver o que pode ou não fazer de malandrices... É uma fase engraçada mas complicada de gerir neste aspecto, mas com o instinto a funcionar lá vamos tentando educar da maneira que achamos que seja a melhor...
    Beijinhos grandes***
    joana

    ResponderEliminar
  5. A mim nunca me bateram mas eu era o maior anjinho alguma vez visto :P (a sério, era muito/exageradamente bem comportada. Bem como a "fornada" da altura: a minha prima e irmã. O que é chato para os mais novos, que sofrem sempre com comparações ;))
    Com o meu irmão é outra história. Levou algumas palmadas :P Acho que não é isso que define a educação... Uma palmada é diferente de espancar ou dar porrada com uma vassoura, o que definitivamente não aprovo. Não é suposto doer sequer, é mais uma questão de disciplina. Acho que o que é mau é continuar a bater em filhos em idade mais avançada (escola e isso), porque é confuso e o espírito não é tão básico como "fizeste mal levas tautau". Até é um bocado humilhante... Não sei explicar bem. De qualquer das maneiras não é lá muito bom sinal andar a educar à sova, porque se não resulta até à idade indefinida que mencionei é porque não é a melhor táctica. É possível criar crianças educadas (e sem problemas psicológicos, já agora) com ou sem palmadinhas, isso não me parece ser o essencial. Mas parece um bocado utópica a ideia de educar uma criança sem uma palmada (apesar de eu não ser graande fã delas, confesso, e não apoiar lá muito). Uma coisa que tem piada é que supostamente só se deve "bater" na palma da mão (sei lá porquê, há razões científicas? :P). E é imensamente idiota um bebé estar a fazer uma birra e pegar na mão para dar um estalo, estilo high 5. Hilariante. Sempre vi toda a gente a fazer isso e é isso que quero dizer quando digo "palmadas", porque são essas que me habituei a ver. As palmadas nos rabinhos são tãão 2010. (Também não são a coisa mais elegante/prática do mundo, e ainda acho pior :P acho que na mão dá mais tom de "ralhete" e reprovação e menos de "olha que levas no focinho", mas depende :P que análise profunda...)
    Também não gosto nada desses berros de reprimenda. Tens razão, é horrível. Mas também eras muito matreira! :)
    Não tenho pinterest, mas fui ver o teu e quando vi a foto do interior do muffins fiquei pasmada durante 5 minutos a perguntar-me se era teu (noob.). AHHH fazer fazer fazer. Também quero morangos, nunca compro na altura certa e depois quero imenso fazer os teus muffins e não os tenho :( Mas estes parecem imensamente bons!

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />