19 de março de 2014

Sopa da avó (para a minha avó, obviamente!) :D

She's got a smile that it seems to me,
Reminds me of childhood memories,
Where everything was as fresh as the bright blue sky.

Now and then when I see her face,
She takes me away to that special place,
And if I stare too long, I'd probably break down and cry.

Guns 'N Roses


O meu avô paterno morreu quando eu tinha quatro anos e a minha avó paterna morreu há dois anos atrás. O meu avô materno morreu quando eu tinha doze anos, e por isso só tenho mesmo uma avó viva: a minha bó.

Nunca tive grande contacto com os meus avós paternos. Já com os meus avós maternos foi outra história: dormia lá em casa constantemente, via os episódios de Looney Tunes e Tom and Jerry que o meu avô gravava e comia a jardineira espantosa que a minha avó fazia (podem ver a minha própria versão amanhã!).


Não sei se isto também vos acontece, mas para mim a minha avó continua sempre igual com o passar dos anos: uma velhota enérgica e resmungona, sempre pronta para fazer as vontades todas aos netinhos.

A minha avó tem uma gargalhada fácil e estridente que contagia todos os que estão à sua volta. Preocupa-se com facilidade, e conhece os casos mais milaborantes de pessoas a quem aconteceram os azares mais incríveis. Para ela as coisas nunca estão bem feitas: se eu lavo não está bem lavado, se eu arrumo está desarrumado e se eu cozinho não fica tão bom como o dela.

A minha avó é teimosa como uma mula e forte como uma leoa, mas é simultaneamente incrivelmente sensível. É capaz de imprimir tons e sentidos escondidos até nas frases mais inocentes. Sente todos os dias a falta do meu avô, mas abomina a ideia de arranjar outra pessoa: o meu avô foi, simplesmente, o amor da vida dela.


A minha avó sempre se preocupou por eu não ser propriamente uma fada do lar. Normalmente expressava essa preocupação dizendo várias vezes 'coitado do homem que te levar', o que não deixa de ser curioso porque sempre que os amigos do Pedro provam as minhas comidinhas a primeira coisa que exclamam é que ele tem mesmo sorte por estar comigo.

A minha avó continua a mandar-me tupperwares com sopa, bifes de frango, salsa picada e frutos secos já descascados e partidos. E eu juro-vos, as coisinhas que ela manda sabem melhor do que as outras, talvez porque foram feitas e embaladas com todo o carinho do mundo.


Hoje a minha avó já não diz 'coitado do homem que te levar'. Hoje já não são precisas palavras: eu sei que ela está orgulhosa da mulher em que me tornei, mesmo que eu continue a não ser propriamente uma fada do lar.

E hoje eu superei mais uma prova: fiz sopa igual à da minha avó. E ficou tão, tão boa.


Sopa da avó

Ingredientes:

* 300g de abóbora cortada em pedaços;
* Um alho francês;
* Um chuchu cortado em pedaços;
* Um nabo cortado em pedaços;
* Meia couve branca cortada em pedaços;
* Três cenouras às rodelas;
* Meia alface;
* Salsa picada q.b.;
* Uma cebola picada;
* Dois dentes de alho picados;
* Uma lata grande de feijão vermelho cozido;
* Uma pitada de sal;
* Um fio de azeite.

Confecção:

* Juntar a abóbora, o alho francês, o chuchu, o nabo, a couve branca, as cenouras, a alface, a salsa, a cebola e o alho e levar a cozer numa panela com água e sal;

* Triturar com a varinha mágica;

* Juntar o feijão vermelho e mais algumas folhas de couve branca;

* Deixar cozinhar, desligar o lume e regar com um fio de azeite.


Até amanhã! :D

5 comentários:

  1. Nada como o conforto de uma sopinha que nos remeta ao colinho dos avós! De ficar com uma lagrimita ao canto do olho a descrição da tua avó!
    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  2. A minha mãe faz uma sopa tal e qual essa, mas cá em casa só ela é que sabe fazer a sopa daquela maneira... É mesmo boa. Há coisas que se não são feitas pelas avós e pelas mães não são a mesma coisa... :)

    ResponderEliminar
  3. Hoje quando li o teu post lembrei-me da minha avó paterna, que morreu há 6 anos. E lembrei-me tão bem das comidas que ela fazia. Lembro-me perfeitamente das batatas fritas que eu adorava e que a minha mãe nunca conseguiu fazer da mesma forma. E fiquei com saudades...

    ResponderEliminar
  4. bem... que belo post e uma linda homenagem a uma (ao que me parece) grande mulher :)
    Tenho a certeza que tem grande orgulho nessa sopinha que apresentas!
    Beijinhos,
    http://sudelicia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Acabaste de dar um sentido completamente diferente a essa música :) muito mais nobre!
    Até tem piada que faças um post sobre a tua avó no dia do pai. És mesmo do contra haha :P
    A história das nozes e da tua avó é muito «comovente» (esta não é a palavra certa, mas a alternativa era «gira» e não me lembro de mais nenhuma...). A do candeeiro mágico também :) Vê-se que gostas muito da tua avó (e do teu avô).
    Também tive/tenho muito mais contacto com a minha avó materna, apesar de nunca ter conhecido o meu avô. E por acaso acho piada quando chamas «bó» à tua, porque eu nunca lhe chamei (desde que nasci) e chamo às vezes (pronto, frequentemente) e ela odeia :P
    Ohh o Tom & Jerry! Eu queria tanto ver a cara da mulher :( ou a voz! Ficava tão entusiasmada quando ela aparecia :P
    Eu não sei bem onde via, mas acho que tenho cassetes disso (as cassetes são muito mais giras que DVDs! Tão massudas e coloridas!).
    Tem piada que consigas dizer que a tua avó é teimosa e que só ela é que faz as coisas bem num tom tão carinhoso, é a coisa mais irritante do mundo!
    A ideia de «arranjar outra pessoa» é bastante impensável para pessoas mais velhas, parece-me...
    Ah, a minha avó passa a vida a dizer isso. E que o maior desgosto dela é eu não ser arrumadinha e preocupada com a limpeza. Numa altura estava sempre a dizer-lhe que ela era obsessiva compulsiva :P e passamos a vida a discutir sobre a utilidade de fazer as camas TODOS os dias (eu não me importo de dormir com lençóis arrancados, mas a ideia aterroriza-a. Então se houver alguém não-de-família por perto meio dia, mesmo que a hipótese de ir aos quartos seja nula, parece uma barata tonta, aflita porque é uma vergonha. O mesmo para pessoas da MEO ou isso...)
    Pronto, acho que ela até fica contente por eu cozinhar, também :) (excepto bolos e sobremesas, que não servem para nada e mais valia comprar e sujo tudo por uma coisa que não presta para nada).
    Tu compensas todas as falhas com a cozinha, não te preocupes :) A tua avó tem azões para estar orgulhosa de ti. Esta sopa parece imenso a sopa da minha avó, vou ter de a fazer. Também tenho a receita que ela faz: «Coze legumes e carne, passa, repolho, azeite, tá.» Não sei como fica boa :P Mas parece a tua! Também adoro feijão vermelho na sopa :)
    E até tem semelhanças a nível de ingredientes, tirando a couve branca (acho que não vejo couve branca há imenso tempo...). Ela põe nabo porque eu odeio nabo e gosta de se regozijar porque não noto, alface porque se lembrou de ir ao quintal buscar e gostou, chuchu porque fica cremosa, etc etc. E as rodelas de cenoura + repolho + feijão põe por cima. E às vezes massa. Eu sei que são coisas banais de sopa, mas fica especial :D
    Comes a sopa com uma colher mesmo estranha!
    Bom fim de semana! (Reparei que fiz um discurso sobre a minha avó, desculpa. Haha :P)

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />