14 de março de 2014

Queijadas integrais de amêndoa e lima e a religião.

In the arms of the angel,
Fly away from here,
From this dark cold hotel room
And the endlessness that you fear.

You are pulled from the wreckage
Of your silent reverie,
You're in the arms of the angel
May you find some comfort here.

Sarah McLachlan 


Fui baptizada ainda bebé. No dia do meu baptizado estava tão doente que a minha avó levou uma garrafa térmica com água quente, que o padre usou para me baptizar. Já na altura era um bocadinho diva. 

Aos seis anos fui para a catequese, mas sempre achei aquilo tremendamente aborrecido. Nada me parecia minimamente verdadeiro ou credível (afinal, eu sempre fui uma criança muito virada para os factos, à excepção do candeeiro mágico), e a única razão para gostar de lá ir era mesmo porque podia trocar cromos da Pocahontas e jogar aos Matutolas com os outros miúdos (quão giros eram os Matutolas?). 

Quando tinha doze anos o meu avô morreu, e a minha religião morreu com ele. Fiquei revoltada e amarga, e passei vários anos completamente afastada de tudo o que envolvesse a espiritualidade. 

Até que comecei a viajar mais. 


Entretanto já conheci pessoas de todas as religiões. Estive numa cerimónia hindu, fui abençoada por um monge budista e entrei numa mesquita lindíssima. Visitei uns 281223231 museus sobre a Segunda Guerra Mundial e possivelmente outros tantos sobre a história dos judeus e do judaísmo. Li imenso sobre o sikhismo, uma religião que aprendi a respeitar. 

E percebi que só há na verdade uma religião: a do amor. 


Hoje sei que os meus pais não me ensinaram a ser uma boa católica: ensinaram-me a ser boa pessoa. Ensinaram-me a praticar o bem, a dar-me aos outros sem reservas e a acreditar sempre na bondade. Ensinaram-me a ter esperança, a ser paciente e a lutar pelos meus objectivos. Ensinaram-me que a vida retribui aquilo que lhe damos. 

E por isso hoje não sei muito bem qual é a minha religião. Mas sei que serei sempre da religião do amor, da compaixão e do perdão. 


Neste dia em particular fui assistir à missa na igreja de São Jorge de Arroios para dar apoio moral à Joana e ao Bernardo (e mais alguns dos meus amigos, na verdade), que cantam no coro. Não fui propriamente como uma boa católica, mas fui certamente como uma boa pessoa: sei que foi importante para eles que eu lá estivesse, até porque no fim puderam comer estas queijadas deliciosas. 

A minha religião é o amor, e estas queijadas são um belo exemplo disso. São uma forma de amar os outros, de os acolher e de os aceitar. São uma forma de os fazer felizes. São verdadeiramente queijadas do céu :D


Queijadas integrais de amêndoa e lima (receita adaptada do blog 'Cozinha da[duxa]'

Ingredientes (para doze queijadas):

* Dois ovos;
* 180g de açúcar branco;
* 500ml de leite;
* 50g de manteiga sem sal derretida;
* 100g de farinha integral peneirada;
* Uma colher de sopa de essência de baunilha;
* Raspa de duas limas;
* Amêndoa ralada q.b.

Confecção:

* Bater os ovos e o açúcar até ficar um creme claro;

* Juntar o leite, a manteiga derretida e a farinha e bater bem com uma vara de arames;

* Misturar a essência de baunilha e a raspa de lima;

* Colocar em forminhas para muffins (o ideal é serem de silicone, se não forem certifiquem-se que estão muito bem untadas) e cobrir com a amêndoa ralada (também experimentei com coco e fica igualmente delicioso);

* Levar ao forno pré-aquecido a 180º durante quarenta minutos;

* Desligar o forno e deixar as queijadas dentro do forno durante mais dez minutos;

* Desenformar já frias. 


Pessoalmente não achei nada prático fazê-las nas forminhas de papel, uma vez que acabaram por ficar um bocadinho agarradas - mas certamente que nas forminhas de silicone não haverá esse problema! :)

Tenham um óptimo fim-de-semana :D

10 comentários:

  1. O Amor é tudo na vida.
    Adorei as queijadas.
    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Olá Joana
    As queijadas estão lindas e vê-se que foram feitas com amor e carinho.
    Eu também partilho da mesma opinião no que diz respeito à religião. Não importa em quem ou no que se acredita e nem que nome se lhe dá, o realmente importa é que se sigam os princípios fundamentais de qualquer religião - ser boa pessoa e amar o próximo.
    Bjos

    ResponderEliminar
  3. que querida que você é! acabei de descobrir seu blog e me encantei. sou diabética tipo 1, um tipo de doença autoimune que destroi as celulas que produzem insulina. resumindo: não como açúcar! mas sei como docinhos assim, em pequena quantidade, aquecem a alma. vou fazer pro marido. beijos do brasil!

    ResponderEliminar
  4. oi, vasculhando melhor acho que você também é medica! entao esqueca minha explicacao pouca sobre a DM 1, voce bem o sabe. muitos beijos

    ResponderEliminar
  5. Oláaaa :)
    Eu ADORO queijadas e sabes há quanto tempo não como?! Há mais de 6 meses, pelo menos. Agora fiquei com vontade :'(
    Sobre a religião, acho que é coisa de cada um. Eu tenho fé nas minhas crenças (quase todas católicas), ainda que não acredite nos ensinamentos da Igreja Católica. Já deu para ver com todos os teus posts que és uma pessoa com muito amor para dar :)
    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  6. que lindas!!!
    Beijinhos,
    http://sudelicia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  7. Eu não fui baptizada, não fui habituada a ir à igreja e só fui à missa umas 2 vezes, e foi na Páscoa e porque fui com a escola. Acho que há religiões que são muito interessantes, mas às vezes algumas são um bocado contraditórias. Mas pronto, não me vou alongar aqui :P depois começo a escrever e não "cabe" no tamanho suposto, é uma seca ter de copiar e pôr outra vez.
    Algumas pessoas (mesmo no dia-a-dia) usam a religião como forma de ódio e soberba... Acho que a tua visão é muito mais equilibrada :) ser boa pessoa é o que realmente importa. Também é um bocado idiota a concepção de "As pessoas vão para o Céu se forem boas e forem à missa ao Domingo". Se se partilhar e der amor o que interessam as rezas, crenças ou práticas? De qualquer das maneiras claro que respeito quem tem práticas frequentes e crenças fortes, é uma maneira de viver :)
    Pode não haver uma fotografia do interior, mas vê-se por fora que as queijadas têm aquela textura boa de queijadas :) tenho saudades disso :P fizeste-me salivar! Haha :) a sério, têm tão bom aspeto! Mas provavelmente é melhor numa forma de silicone, realmente :) uns muffins que fiz também se colaram, é chato ter de raspar tudo...

    ResponderEliminar
  8. Ps: fui ver a receita em que te baseaste e reparei que já a tinha guardada! Haha :) e nos favoritos e tudo! :)

    ResponderEliminar
  9. Bem boas, estas queijadas! Também professo essa tua religião - a da relação com os outros. Aos 8 anos, comecei a pôr em dúvida a religião católica, e aos 13 tinha abandonado definitivamente essas crenças. Se toda a gente precisa de acreditar em algo, eu prefiro acreditar nas pessoas.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...r: 0" />